Pular para o conteúdo principal

Esclarecimento

"Deixa. Deixa entrar: na vida, no coração, na cabeça" (ROSA, Karine)

Hoje, eu fui acusada de uma coisa que não fiz. Pior:  fui acusada de plagiar um texto que na verdade é meu, mas roda por aí, na internet, como se fosse do Caio Fernando Abreu. Eu sei que dão créditos a ele, sei que, se colocar um trecho desse texto na internet, vão aparecer milhares de imagens e sites que dizem que é realmente dele. Eu sei de tudo isso. E eu meio que já até tinha desencanado de sair falando "ei, fui eu que escrevi isso aí". Eu cansei. Cansei de falar que o texto em questão (para ler é só clicar aqui) não tem nada a ver com os textos do Caio, cansei de falar que não chega nem aos pés do que ele escrevia, cansei de dizer que divulgam os créditos errados (e ainda com um erro de português que não cometi). Cansei. 

Mas não vou aceitar que venham me acusando de algo sem certeza alguma. Quem conhece a obra do Caio, quem lê seus livros (e não só as frases que divulgam por aí como se fossem dele) sabe bem que esse texto nunca foi escrito por ele. Sabe bem que podem procurar nos livros e não vão encontrá-lo. Não existe na obra completa do Caio F! 

Ultimamente, o que mais tem na internet é texto sendo atribuído ao Caio, a Clarice, ao Jabor. Textos que eles nunca escreveram, nunca nem sonharam escrever. Sapato Velho foi escrito em 2009, Caio já estava morto. Nem se ele quisesse teria escrito. A não ser que eu tenha recebido seu espírito ou algo assim. 

O que eu queria falar com isso é o seguinte: como há muuuuuuitos sites atribuindo a autoria ao Caio, eu aceito que questionem, aceito que perguntem, que debatam, tudo isso. Aceito o desafio de provar que o texto é meu. Mas não aceito falta de respeito, não aceito ofensas nem ataques sem sentido. 

Não aceito seguidores de modinha se achando grandes conhecedores da obra do Caio Fernando Abreu falando comigo como se EU fosse uma plagiadora ou algo do tipo. Não aceito mesmo. 

Dito isso: vida que segue. 

Beijos, 
Ká. 

Comentários

  1. Digamos que eu "acompanhei todo o caso" e achei tudo muito feio e indigno. Esse tem sido um dos desafios dos novos escritores: A falta de ética no mundo virtual. Deixei de divulgar meus textos por causa disso, e hoje eu divulgo com cautela, esperançosa para que isso deixe de acontecer. Lamento muito pelo que aconteceu e espero que tudo se resolva logo!

    PS: Amei seus textos :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nicolle! Você viu, não é? Complicado. Cada vez mais penso em parar de publicar muitos textos na internet. Não sei se vale a pena. Chato.

      E é como eu disse: eu não tenho "voz" suficiente pra ficar gritando que o texto é meu. Então, meio que já desisti. Mas ofender não dá, não é?

      Bom, mas obrigada pelo apoio e pelo elogio.

      Beijão

      Excluir
    2. Oi Karine Rosa. Então eu não sabia desta história horrível, na verdade eu sempre odiei esse tipo de coisa as pessoas querem o que fazendo esse tipo de coisa? todos esses autores que você citou são demais mesmo não precisam desta tipo de divulgação errada.Infelizmente o mundo virtual tem seus defeitos também, bom quer uma dica mantenha sempre seus textos salvos no seu computador assim fica bem mais fácil de prova q eles são seus.

      Parabéns pelos seus textos são lindos e ÚNICOS

      http://www.fragmentos-intensos.com/

      Excluir
    3. Obrigada pelo apoio e pelos elogios, Iara <3
      Beijão

      Excluir
  2. CHATO ISSO HEIN?! Uma vez vi a Tati Bernardi comentando tb a respeito de textos q não são delas, mas o povo atribui a ela... Seus textos são ótimos e é só questão de tempo vc ser um 'viral' por aí... beijoos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Chato, né, Leidy?
      Olha, às vezes eu acho que prefiro até nem ser um viral. Não sei se vale a pena ahhahahaha

      Mas paciência.

      Beijos

      Excluir
  3. Oi, Karine!
    Eu sempre li seus textos, mas nunca tinha parado pra comentar.
    Hoje, porém, me senti na obrigação de fazer isso.
    Não se sinta mal por todas esses comentários grosseiros e mentirosos espalhados por aí.
    Seus textos são bons de verdade. Eu mesma me identifico com vários.
    Mantenha o mesmo foco porque comentários maldosos sempre existirão, só podemos aprender a lidar com eles.
    Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Ana, obrigada <3
      É muito bom ler isso!

      Beijos

      Excluir
  4. Poxa Karine, que situação chata :/


    Sou seguidora do seu blog faz pouco tempo, mas os textos que já li aqui, e no Depois dos Quinze, de sua autoria são realmente ÓTIMOS! Como a Ana Carolina, leio seus textos, mas nunca tinha parado para comentar. Hoje, me senti na obrigação. Pior do que ver seus textos circulando pela internet sem os devidos créditos (porque é um risco que corremos ao usar a internet como forma de divulgar nossos textos, fruto de dedicação e paixão por escrever) é ele ser atribuído ao nome de outra pessoa e ainda ser desrespeitada por isso. Desrespeito é realmente intolerável. Já tinha percebido essas atribuições falsas no Tumblr, virou "moda". Textos que, se as pessoas parassem para ler só um pouquinho quem foi Caio Fernando Abreu ou Clarice Lispector ou Carlos Drummond ou Jabor ou qualquer outro autor e sua obra, perceberiam que não tem nada a ver, em questão, principalmente, de estilo. E ei, você é tão boa quanto o Caio Fernando, tá? Em diferentes épocas, diferentes contextos, diferentes finalidades. Infelizmente, acabamos sendo vítimas da falta de ética do mundo virtual, mas isso não pode te servir de freio. Continue escrevendo e publique um livro logo (editoras não faltarão), se for da sua vontade, pois será sucesso!

    Você registra os seus textos? Sugiro que reúna todas as suas crônicas e contos e registre na Biblioteca Nacional, se ainda não fez isso.

    Espero, de verdade, ter ajudado!


    P.s: desculpa por escrever demais! haha

    Beijos,
    Blog Faíscas Voam

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, Caroline, MUITO OBRIGADA por esse comentário! Você é uma fofa e foi super importante ler isso!
      Sobre a BN, já tô pensando nisso há um tempo, mas tenho que me informar melhor sobre. Vou correr atrás, obrigada pela dica.

      Um beijão, apareça mais vezes.
      Ká <333

      Excluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …