Pular para o conteúdo principal

Fim de jogo

Não vou dizer que você quebrou meu coração. Nem vou te jogar alguma praga por não ter dado certo. Nossa história não iria muito além mesmo. Você sabe, não dá para ocupar um coração já preenchido. Não vou ser eu a lutar por um espaço no porão da sua vida. Quando for pra amar pra valer, querido, vou querer a suíte principal. Mas fica tranquilo que de você não guardo mágoa nenhuma. Nem isso, meu bem, nem isso.

Nós chegamos ao fim da linha. Fomos até aonde deu. Eu fui até mais longe do que deveria ter ido. Mas sei a hora de retirar minhas tropas do campo de batalha. Quebrei o coração vezes demais para saber quando tirar o pé do acelerador e dar uma freada brusca. Com você foi isso: acelerei sem olhar para trás e parei o carro do nada. Mas tudo bem, aqui dentro ficou tudo certo. Entre mortos e feridos, salvaram-se todos, como dizem por aí. Continuo intacta.
Talvez eu tenha chegado um pouco tarde, talvez eu nunca devesse ter vindo. Seu coração já tinha dona. Eu nunca tive nem chance. Eu sei disso. Você sabe também, não finge que não. Não finge que você poderia ter me amado como eu esperava que amasse. Você não poderia. Respira fundo, enche o peito e vá em frente: vá amar quem você bem entende. Deixa o medo pra lá. Amor de verdade exige coragem. Eu sei que você consegue. Eu quis você na minha vida porque eu sabia o cara ótimo que você podia ser.
Tudo isso é só para dizer que eu tô indo. Arrumei minhas coisas, organizei minha vida e tô indo. Arrumei minha bagunça na sua vida e tô indo. Deixei tudo limpinho e arrumado, como eu encontrei. As fotos dela na sua parede imaginária continuam lá, ok? Não toquei em nada. Só liberei meu coração de mais uma decepção, tudo bem? Não, eu não quero ficar e ver no que isso vai dar. No que isso poderia dar. Ou o que a gente poderia ser. O que importa é que a gente não foi nada.
E eu? Eu vou seguir a minha vida sem olhar para trás. Sem chorar mais esse fim de jogo. Vou torcer por você de longe. Quem sabe um dia você arranja aí a coragem que precisa para amar de verdade. Eu vou levar meu amor e minha coragem para outra pessoa qualquer. Fica aqui o aviso, então, de que eu tô indo. Eu tô saindo. Da sua vida. Só isso. Sem mágoa nenhuma. Tô saindo. Qualquer dia a gente se vê.

Texto publicado no blog Depois dos Quinze, da Bruna Vieira, no dia 03/01/2013. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …