15 de fevereiro de 2013

Fim de jogo

Não vou dizer que você quebrou meu coração. Nem vou te jogar alguma praga por não ter dado certo. Nossa história não iria muito além mesmo. Você sabe, não dá para ocupar um coração já preenchido. Não vou ser eu a lutar por um espaço no porão da sua vida. Quando for pra amar pra valer, querido, vou querer a suíte principal. Mas fica tranquilo que de você não guardo mágoa nenhuma. Nem isso, meu bem, nem isso.

Nós chegamos ao fim da linha. Fomos até aonde deu. Eu fui até mais longe do que deveria ter ido. Mas sei a hora de retirar minhas tropas do campo de batalha. Quebrei o coração vezes demais para saber quando tirar o pé do acelerador e dar uma freada brusca. Com você foi isso: acelerei sem olhar para trás e parei o carro do nada. Mas tudo bem, aqui dentro ficou tudo certo. Entre mortos e feridos, salvaram-se todos, como dizem por aí. Continuo intacta.
Talvez eu tenha chegado um pouco tarde, talvez eu nunca devesse ter vindo. Seu coração já tinha dona. Eu nunca tive nem chance. Eu sei disso. Você sabe também, não finge que não. Não finge que você poderia ter me amado como eu esperava que amasse. Você não poderia. Respira fundo, enche o peito e vá em frente: vá amar quem você bem entende. Deixa o medo pra lá. Amor de verdade exige coragem. Eu sei que você consegue. Eu quis você na minha vida porque eu sabia o cara ótimo que você podia ser.
Tudo isso é só para dizer que eu tô indo. Arrumei minhas coisas, organizei minha vida e tô indo. Arrumei minha bagunça na sua vida e tô indo. Deixei tudo limpinho e arrumado, como eu encontrei. As fotos dela na sua parede imaginária continuam lá, ok? Não toquei em nada. Só liberei meu coração de mais uma decepção, tudo bem? Não, eu não quero ficar e ver no que isso vai dar. No que isso poderia dar. Ou o que a gente poderia ser. O que importa é que a gente não foi nada.
E eu? Eu vou seguir a minha vida sem olhar para trás. Sem chorar mais esse fim de jogo. Vou torcer por você de longe. Quem sabe um dia você arranja aí a coragem que precisa para amar de verdade. Eu vou levar meu amor e minha coragem para outra pessoa qualquer. Fica aqui o aviso, então, de que eu tô indo. Eu tô saindo. Da sua vida. Só isso. Sem mágoa nenhuma. Tô saindo. Qualquer dia a gente se vê.

Texto publicado no blog Depois dos Quinze, da Bruna Vieira, no dia 03/01/2013. 


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)