Pular para o conteúdo principal

O último beijo da nossa história


Eu nunca achei que aquele fosse ser o nosso último beijo. Não era uma briga, uma despedida, nem nada do tipo. Era só mais um dos nossos beijos fora de contexto, arrancados no meio de uma conversa, entre quatro paredes. Nós já havíamos dado muitos daquele, e eu achava que ainda daríamos muitos outros. Nós nunca tivemos um fim de verdade, o que às vezes me dá a impressão de que nunca teve um final.
Eu falava sobre alguma coisa que te irritava. Não consigo lembrar ao certo sobre o que, mas conversávamos algo sobre sua última namorada. Eu nunca havia gostado dela e o motivo era tão óbvio, por mais que você nunca tenha se tocado: ela roubava você de mim. Você me perguntava que espécie de amiga eu era por nunca apoiar seus namoros e eu comecei a falar algo sobre você nunca ter apoiado os meus. Você odiava que eu falasse de meus ex-namorados. E aí você me beijou.
Foi exatamente como todos os outros: algo que me arrancou do chão. Mas, exatamente por ter sido o último, é o que eu lembro com mais carinho. De vez em quando, tento arrancar o mesmo sabor em outros beijos que distribuo por aí. Às vezes tento lembrar se foi mesmo tão bom quanto minha memória guarda ou se tenho mania de enfeitar mais o passado do que deveria. Eu ainda sorrio só de ouvir falar seu nome, mesmo sabendo que eu deveria continuar com raiva por você ter me deixado aqui.
Você decidiu que aquele seria o nosso último beijo e nunca me mandou um comunicado sobre isso. Decidiu que me deixaria para trás e nunca discutiu o assunto. Colocou na cabeça que não tentaria mais me mudar e foi embora da minha vida do mesmo jeito que passou pela porta do meu quarto naquela noite: rápido e sem olhar para trás.
Nós nunca tivemos uma última briga. Nunca pude despejar minha raiva em você. E, por isso, parece que tudo acabou meio torto, parece que esqueceram de pingar o ponto final na história, parece que alguém esqueceu de entregar a continuação do livro. Eu nunca pude saber se a história acabou mesmo, se um dia ela sequer começou de verdade, se esse é só mais um dos nossos obstáculos.
Eu não sei se eu já posso seguir em frente de vez e começar uma história que não vai dar para voltar atrás. Eu não sei se posso formar uma família, se posso te deletar de vez, se posso me entregar em outros beijos que não sejam em você do mesmo jeito que eu costumava me entregar. O que eu sei, o que ficou, o que você deixou, foi apenas que o nosso último beijo continua sem me parecer o último. 
E eu, boba, idiota, louca e sem juízo, coitada, continuo esperando o próximo. 
Meu próximo beijo em você.



Esta é uma série desenvolvida em parceria com a Nanda Campos, para ler a versão masculina desse conto clique aqui

Comentários

  1. Lindo texto Kah.
    Muito bom mesmo. Me identifiquei com tudo. É horrivel não saber se a história de fato terminou. Esse ponto de esperança acaba com qualquer um.

    Parabéns!!!

    Beijosss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É horrível mesmo! hahaa
      Que bom que gostou, Débora!

      Beijão, obrigada!

      Excluir
  2. Uau, lindo lindo lindo.
    É tão horrivel quando um relacionamente termina sem um final descente, não sei se sou do tipo manipuladora que gosta de controlar tudo que acontece na minha vida, mas eu não saberia viver com um término de namoro sem que houvesse um adeus, uma briga, um "tchau, não me liga mais". Eu sou daquelas que precisa terminar algo antes de começar outra coisa e um fim que não teve fim (deu para enteder? rs) me desestruturam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana, que bom que curtiu!
      Acho que eu sou assim tbm, preciso acabar as coisas com um ponto final e uma página virada ou fico louca ahahhaha

      Obrigada pelo comentário!
      Beijos

      Excluir
  3. resumo de como eu me sinto
    lindo e perfeito *-*

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …