Pular para o conteúdo principal

Sobre abrir mão e continuar sonhando



Eu cansei. E por ter cansado, me dou o direito de saber a hora em que devo retirar minhas tropas, desistir e voltar pra casa consciente de que fiz o que pude. Não tenho paciência pra gente que acha que sabe o que se passa aqui dentro, nem vou dar o direito a ninguém de dizer o que eu posso ou não fazer. Quem tem o peito calejado de desilusões é que pode decidir a hora de parar para cicatrizar. É preciso entender que abrir mão de certos sonhos nem sempre é ser fraco. Às vezes a gente só precisa de um pouco de calma e de paz.

Mas é que a gente fica tão obcecado pela porta fechada na cara que esquece de reparar nas janelas se abrindo. E deixei tantas oportunidades passarem por essa minha obsessão por ser alguém, e provar pra todo mundo que eu era capaz, que eu era predestinada a algo, que eu tinha capacidade de fazer valer todo o orgulho que sentiam de mim. Velha mania de só ser se acreditam que eu seja. E, no final do dia, eu me perguntava se eu acaba me provando algo nesse tempo também.

Me provei que saber a hora de parar é um sinal de força tanto quanto aqueles que continuam. Sei que sonho nenhum vale o coração partido, nem a gastrite nervosa, nem as rugas na cara por todas as lágrimas dos planos que não deram certo. Nem tudo posso, e é por não poder que mudo, que corro atrás do que me convém, que sei quando devo admitir a derrota e entrar em novas batalhas.

Não, eu não sou fraca porque desisti. Sou forte por saber ser feliz com as minhas derrotas também. Por honrar meu suor e saber a hora de me dedicar a outra coisa. Sei bem até aonde minha saúde me permite ir, até que ponto meu coração aguenta. Aqui, ele não aguenta mais. Então, abaixo a cabeça, cumprimento a plateia e vou viver novas peças. Esse sonho eu deixo pra depois, talvez pra outra pessoa, talvez pra viver só na minha mente. E vou viver outros sonhos, porque parar de sonhar eu não paro.

Abrir mão é só uma parte da coisa toda. Ainda há muitos sonhos por aí...

Comentários

  1. Amei o texto, sem mais. Tive que desistir do sonhos da minha vida esse ano de fazer intercâmbio. Eu tinha planejado tudo, economizei a alma, mas não deu certo :// É muuito difícil desistir de algo assim, mas sei que depois será melhor <33
    rascunhosecaprichos.blogspot.com.br
    beeijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Às vezes é preciso saber a hora da saída estratégica. Remanejar os planos, deixar pra outro momento. É só ter paciência e lutar por isso.
      Beijos, obrigada, Nah <3

      Excluir
  2. Passando aqui sempre! Tá de parabéns!

    http://olhosnosolhoss.blogspot.com.br/

    Beijos :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigadaaaaa! Continue passando e dando sua opinião, é importante pra eu saber o que vocês tão achando :DD

      Excluir
  3. Ameii o texto Kah, muito bom mesmo.

    "Mas é que a gente fica tão obcecado pela porta fechada na cara que esquece de reparar nas janelas se abrindo"

    Simplesmente demais essa frase!!

    Parabéns :D

    ResponderExcluir
  4. Oiiiiieeeeeeeeee

    Seguindo seu fantástico blog, segue o nosso tbm? *.*

    http://heygirlsitsamazing.blogspot.com.br/

    Beijinhuuusss

    ResponderExcluir
  5. coragem pra dizer: tudo bem, joguei a toalha
    é dificil
    os fracassos viram obsessão , as frustrações amorosos viram um apego desnecessário e destruidor

    extravasar no texto é exorcismo

    ResponderExcluir
  6. Quase chorei ;'( Lindo.
    Bjs.
    http://thief-of-words.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…