Pular para o conteúdo principal

Amigos, amigos, amores à parte?

Se nós dois vivêssemos em um enredo de comédia romântica, você estaria aqui agora. Nós dois teríamos uma história bonita para contar, alguma coisa sobre como nossa amizade serviu como base para um relacionamento sólido e feliz. Acontece que não houve cenas engraçadas, nem um final de filme. Nosso caso podia ter tido tudo, menos amor. E esse foi o nosso maior problema. 

A gente começou com você me dando um beijo no canto da boca e jurando que estava tudo bem. Eu segurei sua mão com força e não acreditei que aquilo poderia acabar mal. Afinal, eu não estava fazendo nada demais. Você também não. No que aquilo poderia acabar? A verdade é que nós dois resolvemos brincar com fogo, porque vivíamos dizendo por aí que não tínhamos medo de queimar. Acredita nisso? A gente mal sabia, não é? Mal sabia.

Os beijos roubados, os segredos compartilhados, os desejos atendidos, as noites sem compromisso. A gente achou que nada disso teria grandes consequências. Não iria pesar lá na frente. Amigos, amigos. Vontades à parte. Eu achei – mesmo – que poderia aproveitar dos seus beijos, do seu corpo e de você inteirinho sem ter que me preocupar em um dia te perder.  Eu só não vi aonde isso tudo podia me levar. Melhor: eu só não vi eu mesma me perdendo enquanto nós dois nos aproveitávamos da situação. 

A gente podia ter dado certo. Eu sabia o que você procurava em uma mulher e você sabia exatamente as minhas exigências nos homens. Acontece que, para você, eu nunca me tornaria a pessoa certa. E eu só descobri isso depois que você já tinha roubado meu coração. Na nossa brincadeira sem compromisso, a gente acabou perdendo o que mais importava: o triunfo de sermos amigos. 


E ficamos surpresos porque eu acabei te amando. Eu acabei te amando de todos os jeitos que não devia. E acabei me entregando sem olhar se você se entregava de volta. Não se entregava. Afinal, a sua parte do contrato você sempre cumpriu direitinho. Quem falhou na história toda fui eu, que acabei achando que, no fundo, você podia acabar se apaixonando, de verdade, por mim. 

Não podia. Nada de comédia romântica para nós dois. No final do filme, acabamos como qualquer casal que resolve brincar sem levar a sério os sentimentos dos envolvidos. Você aí, eu aqui. Sem amizade colorida. Na verdade, faltou até cor na nossa amizade. Acabou tudo bem preto no branco. E uma história toda separando a gente. Nem amigos mais nós somos, amor. Nem amigos...




                   Texto encomendado pela leitora Larissa Vieira. Espero que você goste <3

Comentários

  1. me identifiquei horrores.. ficou lindissimo..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. <333 êêê!!!! obrigada, Marcela :D

      Excluir
  2. Aiii que lindo Kah

    "Nem amigos mais nós somos, amor. Nem amigos..."
    Isso já aconteceu comigo por duas vezes, e acabei perdendo duas pessoas que eu amava tanto.. infelizmente a amizade nunca volta a ser como antes :(

    Parabéns!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também já vivi isso, Débora :(((

      Mas que bom que você gostou! <333
      O próximo texto é o seeeeeu!

      Excluir
  3. Lindo d+++++
    Parabéns é um dos textos mais bens escritos q eu ja li no seu blog.
    Bjos

    ResponderExcluir
  4. Sentimentos. =DD

    https://pereiramari.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  5. Nossa, ja passei por isso também... Lindo o texto!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…