Pular para o conteúdo principal

As memórias que você deixou


Se eu fechar bem os olhos, eu ainda me lembro de como você costumava ser especial para mim. Eu tentei não escrever sobre você ou sobre seus olhos azuis ou sobre sua risada escandalosa. Eu excluí você do meu passado como se você nunca tivesse feito parte dele. Um pouco como você também vive fazendo com o seu próprio passado: fingindo que não existiu.

Eu queria poder dizer que eu me livrei de você como eu me livrei de todos os outros. Mas, você deve saber, o passado volta e meia bate à nossa porta e escancara as coisas nas quais a gente costumava acreditar. Meu karma foi ter acreditado em você. Amado você, torcido por você. Tudo você.

E eu tento fugir do que você foi ou do que você representou, mas esbarro em você em cada esquina que resolvo virar. A verdade é que alguma coisa permanece me puxando para quem eu era: aquela que achava que dava pra te ter assim, pelas beiradas.

A verdade é que eu ainda guardo comigo aquela vontade louca de te dar um abraço e nunca mais largar. Eu ainda guardo comigo o desejo de colocar sua voz em um potinho e deixar na minha estante, para poder ouvir nos dias em que a vida deixar de fazer sentido. A verdade é que eu ainda queria poder dizer todas as vezes que eu busquei você e vi portas batidas; todas as vezes em que eu me apoiei nas coisas que você falava; tudo aquilo que eu aprendi com você.

Foi com você também que eu aprendi que eu não tenho vocação a me entregar sem esperar nada em troca. Porque eu me dei demais, me doei demais, e fui ficando vazia cada vez que você ficava mais distante de mim. E a impressão que ficou é que, no fundo, foi tudo uma grande perda de tempo. 

E eu sofro porque permanece não fazendo sentido: nem para mim nem para ninguém. E amanhã eu vou me condenar por continuar procurando saber coisas sobre você, só para ter certeza de que você permanece bem, feliz, alegre e todas aquelas coisas que eu sempre quis que você fosse.

Eu permaneço aqui também: insistindo com o meu coração que você ficou para trás. Ainda que, a gente saiba bem, de passado você não tem nada. Você continua sendo meu eterno presente. De grego.

Comentários

  1. amei, texto liiiiiindo demais *-------*

    http://vidapreguica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Aiiiiiiiiiiiii que lindoooo.
    Lembrei de tanta coisa agoraaa.. :(
    Vc cnsegue descrever minhas lmbranças de uma meneira tao perfeita
    Parabens!! @.@

    ResponderExcluir
  3. Anônimo25/4/13

    Lindooooooooooo *-*

    ResponderExcluir
  4. Anônimo25/4/13

    Texto muito lindo, tocante (:

    ResponderExcluir
  5. Kah parabéns pelo texto :D parece que você ler a minha mente (rsrs), porque eu ainda continuo procurando quem eu não devia procurar :( mas espero que isso um dia passe né?
    www.estupidamentesua.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Passa sim :/

      E obrigada, Nayra :DDDDD

      Excluir
  6. Anônimo26/4/13

    Caramba, Karine, sempre vejo teu blog e sou de Pernambuco po. E esse texto foi sensacional. Eu me emocionei bastante. Parabéns e continue nos surpreendendo. Beijos, Juliana.

    ResponderExcluir
  7. Desse jeito! Me identifiquei bastante.. Presente (de grego) haha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz, Fernanda <3
      hahahaha obrigada pelo comentário <3

      Excluir
  8. Anônimo2/5/13

    Nossa! que lindo!!!! É mt a minha cara! Tudo que eu sinto no momento, parece que você pegou a minha vida e escreveu Karine. Nossa! A verdade é que, todos os seus textos são tocantes.. ((:

    ResponderExcluir
  9. Olá, que texto bonito, parabéns por ele! Muito incantador. Seguindo seu blog, ele é lindo, com textos lindos para agente refletir. Boa Quinta!
    Diario-feminino-blog.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Perfect Karine!

    Divulguei esse texto lindo em minhas FanPages:

    https://www.facebook.com/depoisqueeumudei?ref=hl

    https://www.facebook.com/pages/Vivendo-a-Poesia/155860014512504?ref=hl

    E linkei seu blog. Espero que goste! Você merece Autora! ;)

    bjs de luz

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …