Pular para o conteúdo principal

Blogagem coletiva: Vai ser uma vez

Se todas as histórias de amor começam com “era uma vez” a minha com certeza começa com “quase foi um milhão de vezes”. E se quase foi amor, não foi. E se não foi, não se trata de uma história de amor, só de uma história.

Então se eu precisasse de uma introdução para o livro da minha vida eu diria que ela está pronta.

Quase foi amor com o garoto da loja de cd’s. Quase foi amor com o vizinho de cabelo enrolado. Quase foi amor com o menino tímido do meu primeiro beijo. Quase foi amor com o sem vergonha daquela faculdade. Quase foi amor com o melhor amigo da minha amiga de internet. Quase foi amor com o garoto da van. Quase foi amor um milhão de vezes, mas não foi.

E embora quase tenha sido amor, doeu como se realmente fosse. E eu entrei debaixo dos cobertores acreditando que realmente era. E talvez até hoje eu me pergunte o que foi aquilo senão amor. E logo depois despergunto, porque é impossível que tenha sido amor um milhão de vezes. Ninguém ama um milhão de vezes. Foi desilusão.

Ou não foi. Porque (des)ilusão é aquilo que não é mais ilusão. E o que não é ilusão, é real. E se quase foi real, não foi de fato amor e nem desilusão. Era ilusão mesmo.

Era uma vez uma ilusão e duas e três e um milhão. E todos os des do mundo que eram possíveis de entrar para negar um sentimento. Era desilusão, era desamor, era desafeto, era descaso, era desespero. Era tudo isso, menos o que deveria ser.

Não teve pipoca, coca-cola, bala de goma, cinema, mãos dadas. Não teve passeio no parque, nem frescobol na praia, nem clube de jardinagem aos domingos. Não teve roda gigante porque era tudo montanha russa. Não teve tempo que curasse o amor porque ele não estava doente, ele só não existia.

Teve mentira e atraso. Teve lágrima, uma atrás da outra mesmo quando ainda parecia amor. Teve dor. Teve mágoa. Teve ilusão. Teve tanta repetição disso tudo que eu realmente me perguntei porque a gente demora tanto pra trombar com a pessoa certa. E pra cair em cima dela sem querer. E embolar os pés, as mãos, os corações. Porque que a gente atrasa a vida de tanta gente que também fica procurando o certo no lugar errado e machuca a gente. E se machuca. E se magoa. Porque não dá pra simplesmente derrubar os livros no chão e esperar o cara da sua vida te ajudar a pegar? Porque não dá para ser uma vez?  Para a Cinderela, para a Branca de neve, para a Rapunzel, uma vez só foi o suficiente. E pra mim também ia ser. Ia ser uma vez incrível. Dessas com direito a aparecer em filme de romance e encher a cara de DESilusão porque quem já tem amor não precisa se iludir.

______________________________________________________________________________________________________
Esse texto é da Carolina Ruedas, do blog Abraçando Elefantes. Ela enviou o "Vai ser uma vez" para a blogagem coletiva e teve o texto escolhido para ser postado aqui no blog. 


Além dela, muitas outras leitoras participaram da blogagem também. Fiquei surpresa e muito feliz em ler as coisas que vocês produziram. Tem muita gente boa entre meus leitores. Por isso, aqui estão os links de todos os textos enviados. Se eu fosse vocês, conferia todos porque vale muito a pena. Só amor por esses textos.

Obrigada a quem participou. E até a próxima! 

A desilusão que você me deixou, da Iara Kimi.
A pior irmã que eu já tive, da Fernanda Campos.
Amar sem amor, da Monique Cordeiro.
Chega dessa história, da Laura Barbosa. 
Contos de fadas, da Sâmela Estéfany. 
Desilusão opcional, da Raiane Ribeiro. 
É só mais um cara, da Caroline Anice.
“Eu ia colocar créditos no meu celular...”, do blog Desde oitenta e nove. 
Eu só cansei, ou cresci...., da Larissa Vieira.
Nós poderíamos ter sido tanta coisa, da Fernanda Rodrigues.
Novo coração, da Elaine Gregorio.
Once upon a time, da Francielly Gomes.
"O café esfriou....", da Najara Gomes.
Pedras do caminho, da Larissa.
Por sua causa, da Lú.
Quem sabe, da Thalita Souza.
“Te vi passando do outro lado da rua....”, do tumblr Ventos Errados. 
Vai ser uma vez, da Carolina Ruedas.

Comentários

  1. Faltouu o meu :'(

    Mas o texto ficou otimo...parabens!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Débora, você viu o meu e-mail? O seu tava bloqueado apenas para leitores, não consegui acessar.
      Arruma e me manda de novo que eu coloco aqui :(

      Excluir
  2. Muito boa a escolha, nossa amei o texto da Carolina Ruedas! E só em participar já foi muito bom ;)
    Se a blogagem coletiva continuar (tomara que sim), ainda vai me ver muito por aqui. Parabéns pelo blog :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lindo o texto, né Sâmela?
      E adorei todos os que me mandaram também, inclusive o seu.
      Vão rolar outras blogagens sim!

      beijos

      Excluir
  3. Amei o texto. Mereceu ganhar :) Me identifiquei com uma fase da minha vida ..
    A Carolina tá de parabéns *-*

    http://vidapreguica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O texto é demais mesmo, né Elaine?

      E obrigada pela participação!

      Beijos

      Excluir
  4. O texto da Carolina foi bem merecido mesmo *-*
    Parabéns a ela! Muito bonito e verdadeiro s2

    "Porque não dá para ser uma vez? Para a Cinderela, para a Branca de neve, para a Rapunzel, uma vez só foi o suficiente."

    ResponderExcluir
  5. aaa que texto lindo! me identifiquei horrores!! rs

    ResponderExcluir
  6. camila Inácio23/11/13

    Nossa que lindo o texto.
    Parabéns pelo texto!

    http://palavrasdechuva.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …