Pular para o conteúdo principal

Palavras não ditas


Talvez meu cheiro ainda esteja intacto nos lençóis que nós costumávamos usar. E meu corpo continue marcado no lado da cama em que eu me deitava. É tão fácil conseguir imaginar seus olhos se encolhendo ao reparar que eu não vou entrar pela porta e me jogar em você, que minha ida dói até em mim. Minha falta rasga meu peito também. E embrulha meu estômago saber que você vai procurar uma mão que não vai estar lá para se entrelaçar na sua.

Mas ainda que doa, que rasgue e me embrulhe o estômago, no fundo em mim não fica mais nada. E em você permanecem todas as lembranças de uma vida que não vai mais acontecer. Em você ficam os sussurros de um passado que não te abandona, enquanto em mim fica apenas uma história finalizada com trezentas vírgulas e nenhum ponto final.

Então, eu vim só para dizer que eu sinto muito. Eu voltei só para frisar que eu queria estar. Eu queria estar na viagem ao Havaí que você planejou durante tanto tempo. Eu queria estar nas aulas de surfe que você me daria. E até nas quedas que você tentaria evitar. Eu queria estar nos seus próximos aniversários, nas comemorações das suas próximas vitórias e até nas lágrimas das suas próximas derrotas. Eu queria estar nos seus abraços, nos seus beijos e no seu coração. Não esquece disso nunca: eu queria.

E por querer tanto, meu peito dói outra vez. Ainda que, no fundo, não doa de verdade. Ainda que, nós dois sabemos, quem vai sentir a minha falta de verdade é você. Então, perdão. Por deixar o assento do avião vazio. Por ter quebrado tantas promessas. Por ter desaparecido sem chance de retorno. Me desculpa por não ter te dado a menina com os meus olhos que você tanto queria. Ou o menino com o meu gênio que você jurava que iria amar. Desculpa pelas palavras não ditas, os beijos não dados, os segredos não compartilhados. Eu só não pude prever.

Apenas perdão, amor. Por ter te segurado aqui. Por não ter te dado a chance de ter caído fora enquanto você podia. Por não ter largado a sua mão quando eu sabia que devia. Desculpa por ter feito tudo pela metade, por ter largado a porta do armário aberta, por não ter pago a conta do cartão de crédito. Pelos eu-te-amo não sussurrados e até pelas brigas não vividas. Perdão, amor. Pelos pontos finais que eu não dei e pelas vírgulas que te fiz engolir. Por toda essa nossa história incompleta que agora vai ter que, na marra, ter um fim.

Fim



Texto em homenagem a Iara Kimi. Inspirado no filme "A little bit of heaven". 

Comentários

  1. Anônimo23/4/13

    Lindoo, lindoo, lindoo!! *---*

    ResponderExcluir
  2. Maravilhoso Kah. vc sempre escreve bem, mas ultimamente ta se superando hein... Parabens!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jura? hahaha <3 Ah, obrigada!

      Excluir
  3. É tudo o que eu precisava agora ..
    Texto perfeito =D

    ResponderExcluir
  4. Kah pare de escrever minha história com um certo alguém (rsrs)#brinks, ainda amo seus textos, mesmo eles me fazendo lembrar de quem eu não deveria, mesmo assim ainda os amo!! www.estupidamentesua.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahaahha desculpa? ahahahhaha :D
      Mas que bom que você gosta!!! :D

      Excluir
  5. Eu sabia que ia ficar perfeito, ta muito lindo eu chorei igual quando vi o filme muito lindo adorei.
    Valeu a pena esperar por ele

    lindo mesmo parabéns

    <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tava esperando seu comentário <3
      que bom que gostouuuuuuuu <333333333333

      beijos, obrigada, Iara! :D

      Excluir
  6. Arrepieiiii aqui! OMG, como sempre, nos descrevendo.

    ''Então, eu vim só para dizer que eu sinto muito. Eu voltei só para frisar que eu queria estar. Eu queria estar na viagem ao Havaí que você planejou durante tanto tempo. Eu queria estar nas aulas de surfe que você me daria. E até nas quedas que você tentaria evitar. Eu queria estar nos seus próximos aniversários, nas comemorações das suas próximas vitórias e até nas lágrimas das suas próximas derrotas. Eu queria estar nos seus abraços, nos seus beijos e no seu coração. Não esquece disso nunca: eu queria.''

    Amei este trecho. E ainda amo períodos curtos. <3

    www.spiderwebs.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai que comentário mais lindo, Sabrina <33333


      Obrigadaaaaaa!

      Excluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …