Pular para o conteúdo principal

BLOGAGEM COLETIVA: Coisas que a gente esquece quando cresce


Quando a gente é criança, morrer significa virar uma estrela. Ou morar com Deus. Ou se mudar para uma nuvem. Qualquer coisa bonitinha que os adultos contam para que tudo fique mais fácil para a gente entender. Na verdade, quando a gente é criança, a gente não precisa entender o que é morrer para abraçar bem forte os pais antes de dormir. A gente não precisa pensar que um dia eles não estarão lá para ficar com eles uma noite inteira. Ou para pedir que eles contem uma história. Ou para apenas sussurrar: “eu amo vocês". Quando a gente é criança, a gente não precisa saber o que é a morte para aproveitar a companhia de quem a gente ama. A gente só aproveita.

Quando a gente cresce, morrer nunca é bonito. E sempre dói de um jeito nada fácil. E sempre é duro. E sempre faz chorar. E sempre parece o ponto final. Sem estrelas, sem céu, sem nuvens, às vezes, para alguns, até sem Deus. E aí, quando a gente cresce, a gente se arrepende de não ter aproveitado quem a gente amava quando ela ainda estava viva. Porque a gente simplesmente esquece. Compromissos, contas, rotina, problemas. A própria vida faz tudo na vida passar batido. Acredita?

Na infância, os amores platônicos são para sempre. Então, a gente ama mesmo. Pelo menos, do jeito que uma criança sabe amar. Quando a gente é criança, a gente se preocupa por que o amiguinho está chorando. E acha que o Papai Noel é uma mistura de Deus com um velhinho carinhoso de um lugar bem frio. E acredita que o papai coloca o bebê na barriga da mãe com uma sementinha. Sexo é beijo, maldade é só uma palavra feia e um brinquedo pode ser a coisa mais sensacional do mundo. Quando a gente é criança, a China fica mesmo de cabeça para baixo.

Quando a gente cresce, o coração arranja cicatrizes e deixa um pé atrás em todos os outros amores. E a gente desaprende a amar do jeito infantil – que, muitas vezes, é mais maduro do que muitos outros amores. A gente passa reto do colega chorando. E para de acreditar em papai Noel. Às vezes, gente para de acreditar em qualquer coisa. Sexo é só sexo, a maldade domina e o dinheiro nunca é suficiente para comprar todos os brinquedos que a gente realmente queria. Quando a gente cresce, a China é só um lugar no planeta que talvez a gente nem queira conhecer.

Quando a gente é criança, a gente ri sem motivo, não segura o choro e pede carinho quando quer. Quando a gente cresce, a gente se esquece de rir todos os dias, engole o choro para não parecer fraco e se afasta das pessoas antes que elas se afastem da gente. A gente percebe que há, sim, monstros debaixo da cama, mas, principalmente, monstros dentro da gente. E aí a gente esquece. De tudo aquilo que a gente costumava acreditar quando era criança - e que a gente jurou, jurou, que nunca ia abandonar.

E você, o que esqueceu depois que cresceu?




O tema da segunda blogagem coletiva é esse: coisas que a gente esquece quando cresce. Quer escrever sobre o assunto também? Posta no seu blog, deixa o link aqui nos comentários até o dia 14/06, que eu vou escolher um para ser postado por aqui. E os outros estarão devidamente linkados aqui também. Legal, né? Então corre pra me mandar a sua versão do tema.

Se servir pra te inspirar, a ideia desse texto e desse tema surgiu depois que vi essa notícia aqui

Comentários

  1. esqueci a minha inocência num jardim..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aff, só amor por esse comentário, Paula <3

      Excluir
  2. saudade de ser mais romântico
    menos cético

    ResponderExcluir
  3. Nunca participei, mas deixa perguntar... Quando publicar o texto no meu blog eu devo colocar Blogagem Coletiva antes do título?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não precisa, não!
      Posta como quiser e coloca o link do post aqui e já tá valendo!!! :D

      Excluir
    2. e o título pode ser "Coisas que a gente esquece quando cresce" mesmo?

      Excluir
    3. Pode ser o título que você quiser, Vanessa :D

      Excluir
    4. tão lindo a dona do blog dar atenção aos comentários *---*

      Excluir
  4. Carta da idade da inocência.
    http://recemchegaada.blogspot.com.br/2013/06/carta-da-idade-da-inocencia.html

    :)

    ResponderExcluir
  5. Doce lembrança http://helviocaldeira.blogspot.com.br/2012/09/doce-lembranca.html

    ResponderExcluir
  6. É Tudo Coisa de Adulto
    http://blogdiariodeumagarotaquesonha.blogspot.com.br/2013/06/e-tudo-coisa-de-adulto_10.html

    ^^

    ResponderExcluir
  7. A gente cresce e esquece

    http://blogamorporescrito.blogspot.com.br/2013/06/a-gente-cresce-e-esquece.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tô conseguindo acessar :(

      Excluir
  8. O Peter Pan não apareceu

    http://www.fragmentos-intensos.com/2013/06/o-peter-pan-nao-apareceu.html

    ResponderExcluir
  9. Eu Me Esqueci Na Terra do Nunca

    http://nandscampos.blogspot.com.br/2013/06/eu-me-esqueci-na-terra-do-nunca.html

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Karine não trago um texto sobre isso, mas por curiosidade: eu fiz um texto inspirado nos seus textos, você pode postar ele aqui?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Flavia, eu ainda não posto texto de terceiros no blog.
      Mas me manda por email para eu dar uma olhada :D

      beijos

      Excluir
  12. Oi Karine, super afim de participar. Texto fresquinho rsrsrs

    Eu sinto saudade de mim...
    http://palavrasvoam1.blogspot.com.br/2013/06/sinto-saudade-de-mim.html

    ResponderExcluir
  13. Karine, não tenho blog :/
    Fiz um post no meu facebook e deixei em destaque..

    "Coisas que a gente esquece"
    http://www.facebook.com/josiane.boff

    ResponderExcluir
  14. Que lindo Karine, difícil palavras escritas me fazer emocionar, talvez quando não sabia ler, as palavras tinham esse poder, a infância é um brilho tão intenso em nossa vida, que passa tão rápido e quando damos conta, percebemos que esse brilho não é mais o mesmo...

    Porém retornando a questão da emoção com palavras escritas, as suas me levaram a uma sensação que desde pequenino nao sinto.

    Hoje percebi que esse brilho continua aqui...

    Obrigado pelo texto. Parabéns pela sensibilidade.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …