Pular para o conteúdo principal

BLOGAGEM COLETIVA: Eu me esqueci na terra do nunca


Eu me esqueci na Terra do Nunca e nunca mais voltei para me buscar. Eu me deixei com Peter Pan e fui crescer. Eu cresci. E esqueci de mim e daquela menininha elétrica sem medo e sem pesos no ombro. Eu esqueci que a casa que eu morava e as pessoas pareciam muito maiores do que elas são. Os dias também eram mais longos. Eu esqueci que brincar de casinha parecia divertido. Eu abandonei meus sonhos de infância porque adulto precisa pagar conta. Eu esqueci que nuvem era feita de algodão e tinha o formato da minha imaginação. Parece vergonhoso agora eu admitir que acreditei em Papai Noel. Mas esqueci que criança não tem vergonha. E dentro da caixa que guardei meus brinquedos, eu esqueci minha própria magia que me faria voltar para a terra do nunca, no meio da bagunça jogada no asfalto para o caminhão de lixo levar porque eu tinha crescido.

A gente perde muita coisa nessa nossa ânsia de crescer. Eu cresci. E perdi a inocência num jardim florido, a minha cabeça para Rainha de Copas e meu príncipe para a Cinderela. Eu mordi a maçã da Branca de Neve e morri envenenada. Eu cortei o cabelo de Rapunzel, eu parei de pensar em coisas boas e esqueci de como era voar. E só Deus sabe quantas fadas morreram porque eu deixei de acreditar. Eu tranquei a passagem secreta que tinha no fundo do armário e esqueci de sonhar. E nem me pergunte o que aconteceu com a minha família imaginária que me salvava da solidão... Deles, eu esqueci até de lembrar!

Eu expulsei os bichos papões debaixo da cama, mas os trouxe para dentro de mim. Eu parei de ter medo do escuro e comecei a ter medo das pessoas. Eu devo ter perdido um pouco daquela esperança infantil e inocente também. E esqueci que a gente só precisa de um sorriso para melhorar nosso dia. Eu cresci e me enchi de preconceitos, de censura e de medos. As pessoas já não são tão legais, as coisas não parecem tão simples e amar é muito mais complexo do que dar a mão e dançar juntos em alguma festinha da escola. Eu cresci e comecei a ver defeito em tudo –até em mim. E as horas vagas para brincar eu comecei a separa-las para dormir. Eu nunca mais acordei sábado pela manhã, me enrolei num cobertor e fui ver desenho animado. Nem pedi colo para minha mãe porque fiquei grandinha e tive que aprender a me virar. Eu cresciE a maior prova disso é que aprendi a segurar o choro e a fingir que está tudo bem quando, na verdade, tudo parece desmoronar.

Eu quase não lembro de contos de fadas e dou risada dos “felizes para sempre” como se fosse a coisa mais idiota do mundo. Mas idiota mesmo foi eu ter esquecido no gorro da Chapéuzinho Vermelho o quão legal eu achava que era ser adulto. É, eu cresci... E esqueci o caminho que me levava a Terra do Nunca para conseguir voltar e finalmente me buscar.


Esse texto é da Fernanda Campos, do blog Uma dose de café pingado. Ela enviou o "Eu me esqueci na terra do nunca" para a blogagem coletiva e teve o texto escolhido para ser postado aqui no blog. 


Além dela, outros leitores participaram da blogagem também. Tem textos muito bons entre eles também, a dúvida foi grande na hora de escolher.


A gente cresce e esqueceda Érica Maria.
Carta da idade da inocência, da Larissa Vieira. 
Doce Lembrança, do Hélvio Calveira. 
É tudo coisa de adulto, da Vanessa Correia.
O Peter Pan não apareceu, da Iara Kimi. 
Sinto saudade de mim, da Leila Cardoso. 

Tive problemas para acessar o post da Josiane Boff. Josiane, manda o link correto para que eu possa colocar aqui na lista também. 

Obrigada a quem participou, espero que vocês gostem do texto escolhido e até a próxima. (Aliás, já começo a aceitar sugestões de temas para a blogagem). 

Comentários

  1. Ta aqui Karine :)
    http://aspasevirgulaas.blogspot.com.br/2013/06/a-gente-cresce-e-esquece.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Arrumado, Érica :D
      Obrigada por participar!!

      Excluir
  2. amei participar *--*

    quando tem de novo?

    ResponderExcluir
  3. Nossa, que texto maravilhoso. Amei!

    ResponderExcluir
  4. Blog: Amor ou outras drogas - Monique Cordeiro
    "Do outro lado da linha"
    http://amorououtrasdrogas.blogspot.com.br/2013/06/do-outro-lado-da-linha.html

    ResponderExcluir
  5. Aqui está o link :)
    http://www.facebook.com/josiane.boff/posts/447342982027712
    Espero que dê certo desta vez.
    Um beijo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …