Pular para o conteúdo principal

Contos de fadas x Amor de verdade

FOTO: KAIQUE GOMES

Parece que enquanto você esperava o príncipe encantado, o príncipe inglês se casou. Com uma plebeia, olha só. Alguém roubou seu lugar na fila e protagonizou o papel que era seu. Viveram o conto de fadas no seu lugar, enquanto você ficava aqui, do seu lado do mundo, trabalhando, estudando e esbarrando com um bando de trastes. Casaram e  posaram ao lado da família real. Que nem nas histórias que você lia quando criança.

Mas a princesa plebeia não pôde fazer nada do que você queria fazer no lugar dela: não gritou de felicidade, não se acabou até cair na festa de casamento, nem saiu por aí indo a todas as festas das suas amigas com o amado. Ela teve que sorrir amarelo, posar para a foto e aguentar uma rainha chata. Um saco, não é? Nem os contos de fadas da atualidade correspondem mais as suas expectativas. Como é que um homem poderia corresponder?

Você se pergunta por que está sozinha ao mesmo tempo em que espera um amor de livro infantil. Um amor que não grite, não brigue e não quebre pratos. Um amor meio morno, de dias sempre felizes. Amor de foto, de pose, de sorrisos contidos. Amor de verdade dói. Dá dor de barriga, gastrite e gastura. Mas uma felicidade tremenda também.

Você já leu por aí, mas eu repito: os contos de fadas não são de verdade, sabia?

Amor é uma viagem inesquecível e uma ressaca com enxaqueca. É um ápice de loucura e horas de quietude. É um amontoado de palavras atravessadas, caras viradas e ataques de orgulho. Mas também um amontoado de beijos roubados, declarações emocionantes e sorrisos efusivos. Amor é drama de páginas longas, com uma pitada de novela mexicana.

Mas não é conto de fadas. É muito melhor. 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…