Pular para o conteúdo principal

Eu nunca coube aqui dentro

Em uma mera ida ao banheiro, eu consigo me bater nos móveis de casa aproximadamente quatro vezes. Fiz as contas uma vez. Bati o joelho na cadeira, o dedinho na quina da cama, o cotovelo na maçaneta da porta e a mão na pia. Para uma pessoa normal, coisa de gente louca, desastrada, desvairada. Para minha mãe, que se acostumou com meu jeito desde criança, apenas coisa de Karine

Durante toda a minha infância, tive mais roxos do que um garoto que jogava futebol todos os dias. Quem me via, considerava que eu era uma esportista, uma criança levada, até uma dançarina de balé - o que, de fato, fui durante alguns anos. Mas meus machucados sempre tiveram causa bem menos glamurosa: apenas nunca coube aqui dentro. Nem de casa, nem do meu quarto, nem de mim. 

Minha brincadeira preferida na infância era criar personagens. Eu vestia as roupas da minha mãe e saía pela casa atuando como se fosse uma modelo famosa, uma advogada de sucesso ou uma empregada doméstica. Vira e mexe, eu começava a chorar em frente ao espelho, como se alguém tivesse morrido. E minha mãe corria ao meu encontro, desesperada, procurando o sangue pelo meu corpo. Eu sorria e, com a maior cara lavada do mundo, dizia: eu tô só brincando. Porque minha brincadeira, a vida toda, foi viver vidas que não eram minhas. Representar personagens que não eram eu. 

Quando eu comecei a escrever, diferente de muita gente, poucas vezes quis falar sobre minhas próprias dores. Não que eu não as tenha escrito. As encaixei em metáforas aqui e ali, em vírgulas e reticências em dois, três ou trinta textos. Mas eu sempre quis falar da história do outro. Do amor do outro, da dor do outro. Porque falar só de mim nunca foi o suficiente.

Pouca coisa, aliás, foi o suficiente. O espaço da minha cama, por muito tempo, foi pouco. Caí dela algumas vezes, até, finalmente, aprender a me segurar quando chegava na ponta. Bati a cabeça nas portas dos armários algumas vezes, até conseguir delimitar o caminho pelo qual tinha que passar. Meu banheiro nunca teve tamanho o suficiente, nem meu armário, nem meu sofá. Minha cidade também não teve. E, às vezes, acho que nem o mundo tem. Mas onde mais faltou espaço mesmo foi no meu coração. Até vazio ele transbordou. Um médico diria que é loucura. Eu vou além: talvez seja só excesso de amor

Comentários

  1. aaaaah como eu me identifiquei *-*
    eu amava brincar assim também quando era mais nova, eu sempre fingia que era uma madame mt rica AOSUDOASU

    http://vidapreguica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Melhor brincadeira, né Elaine? HAAHAHAH <3
      que bom que curtiu!

      beijos

      Excluir
  2. Anônimo21/6/13

    Lindo texto ><

    ResponderExcluir
  3. Anônimo21/6/13

    Nossa que texto lindo ! Cada vez mais você me surpreende com tanto talento . Engraçado que quando acho que você foi perfeita em um texto , você me aparece com outro ainda melhor ! Parabéns , você merece todo sucesso do mundo .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que fofo esse comentário <3
      Obrigada mesmo mesmo mesmo!

      Excluir
  4. Minha brincadeira preferida era brincar de ser princesa , vai ver é por isso que quando cresci quebrei a cara com todo quando encontrei um prícipe que na verdade , era sapo . Lindo texto <3
    www.sonhando-porai.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelo menos agora vc já sabe que o príncipe não vai vir no cavalo branco, né? ahahhah
      Obrigada, Sarah <3

      Excluir
  5. E o segundo texto seu que eu leio e eu achei muito perfeito, quando era criança também brincava de não ser eu, às vezes nem queria que me chamassem pelo meu nome, sempre inventava outro, Por isso me identifiquei com seu texto, também com a questão de nada ser do tamanho suficiente pra mim, realmente nunca é ...
    beijos
    Upsides Down

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Lizaaa <3
      E bem vinda ahhaha :D

      Excluir
  6. Eu adorava fingir que era a mocinha da novela, ou a patricinha dos filmes da disney rs'
    Texto lindo *---*

    ResponderExcluir
  7. Oi karine, você escreve muito bem, vi seu conto no blog da bruna e cheguei aqui. Também curto esse lance de escrever.

    Beijo :*
    http://pequenosviciosdiarios.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luana, que bom que chegou aqui e que bom que gostou! <3
      Obrigadaaaaa!

      beijos

      Excluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …