Pular para o conteúdo principal

Por mais amor no mundo


Por mais amor no mundo, eu lhe convido a questionar suas certezas. A pesquisar mais sobre as verdades em que você acredita. A abandonar o maniqueísmo frágil que o mundo te impõe. Por mais amor, lhe proponho conhecer um pouco da história do seu país. A emergir na política do seu Estado. A debater os problemas do mundo em que você vive. Por mais amor, que tal sair um pouco da bolha de cristal, colocar a cara no mundo, ler, ver e entender o que acontece na rua da sua casa?

Por mais amor no mundo, estude sobre problemas sociais. Culturais. Econômicos. Estude sobre problemas. E soluções. Por mais amor no mundo, abandone esse discurso de que você não se interessa por isso. Comece a se interessar. Esse mundo é meu, mas é seu também. Então exija os seus direitos - mas saiba cumprir seus deveres. Por mais amor, não diga que tem nojo do seu país. Não se você realmente não faz nada para que esse país seja realmente seu. E então lute para construir o país que você quer.

Por mais amor no mundo, abandone seus preconceitos. Não queira impor seu modelo de vida a ninguém. Aja como você acredita que deveria agir. Mas garanta a liberdade do outro para que faça suas próprias escolhas. E escolha o caminho que quer para si: dá sempre para escolher entre o ódio e o amor.

Por mais amor no mundo, cale antes de gritar. Pense antes de falar. E então, quando souber do que está falando, exponha sua opinião sem querer convencer ninguém. Esteja aberta ao debate de ideias, não à briga. Dê as mãos. Vá às ruas, compartilhe coisas nas redes sociais, converse com pessoas e mostre um mundo que talvez elas não conheçam. Apresente um outro ponto de vista, exponha o que a TV aberta não mostra, mostre notícias que elas não conheceram.

Por mais amor no mundo, digo que não pretendo te convencer de nada.  Mas, que bom seria se, por mais amor, você parasse de seguir o pensamento que disseram que você deveria ter e, finalmente, começasse a pensar por si mesmo. Pense. 

Comentários

  1. Adorei , acho que todos deveriam pensar dessa forma , tenho certeza que o nosso mundo não estaria dessa jeito né ?
    www.sonhando-porai.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem sabe, um dia, a gente não muda o mundo <3

      Excluir
  2. Adorei, lindo mesmo ! Podem me ajudar ? http://mais-do-palavras.blogspot.com.br/ ficarei feliz em ajudar em algo também !

    ResponderExcluir
  3. Expressou a forma de uma maneira linda, e o melhor, sem tentar impor nada à ninguém :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …