Pular para o conteúdo principal

Nos contos de fadas, eles terminariam juntos

FOTO: KAIQUE GOMES

Ele é cheio de princípios. Ela os esquece entre uma dose e outra de tequila. Ele tem quase trinta com cabeça de cinquenta. Ela está abandonando agora a mente dos quinze anos.  Ela queria ir, ele era mais de ficar. Ela gritava, ele calava. Ela acreditava em sonhos, ele acreditava em planos. No mundo real, nem o eterno clichê dos opostos que se atraem faria com que os dois ficassem juntos. Mas entre um fôlego e outro dos dias sempre tão normais, eles acabaram se perdendo em uma história digna de filmes. E se espremeram entre as horas, em uma tentativa de que não perdessem o jogo para a vida e seus compromissos e suas escolhas e sua dura, fria e cruel realidade.

Eles morreram foi disso: re-a-li-da-de.

Porque nos livros, caminhos tão distintos acabavam sempre no mesmo lugar. E ruas paralelas sempre se esbarravam no final. Entre olhos fechados, abraços, beijos e silêncios na cama, o destino parecia poder dar um jeito de fazer dar certo. Talvez diminuindo aqui, talvez dosando ali. Mas quando o dia amanhecia e entre as mil brigas que eles tinham, ficava mais do que evidente: aquilo não daria em nada. Não ia pra frente.

Eles tentaram, quem pode julgar? Fecharam os olhos para erros, fingiram não ver mil defeitos. Mas às vezes somente não é. Às vezes não importa o esforço. Nem todo o amor do mundo consegue superar. Água e óleo não se misturam, já diria minha avó. Ao contrário do que eu pensava quando criança, dois imãs não se atraem. Eles repelem.

Quem via jurava de pé junto que tinha tudo pra acontecer. No íntimo de cada um, ia ter um final feliz também. Mas entre os anos que passaram, a história ficou guardada em um passado que doía um pouco de lembrar. Aquele porão das lembranças que a gente só acessa com muita coragem, porque bate uma vontade louca de voltar no tempo. Na verdade mesmo, tudo o que eles mais quiseram era viver um amor inteirinho em pause. Porque com a vida no play, eles nunca tiveram chance.


Nos contos de fadas, eles terminariam juntos. Nos livros de romance, teriam um final de tirar o fôlego. Nos filmes de Hollywood, protagonizariam um daqueles beijos de cinema antes de subir o letreiro de "fim". Mas na vida real, eles acabaram cada um para um lado. E nem tinha culpado. Hoje, só resta fechar os olhos e lembrar. E se orgulhar do seu próprio conto de fadas particular. 

Comentários

  1. Amei. "Mas entre os anos que passaram, a história ficou guardada em um passado que doía um pouco de lembrar. Aquele porão das lembranças que a gente só acessa com muita coragem, porque bate uma vontade louca de voltar no tempo. "
    Anda lendo meus pensamentos? haha beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahahahaha que bom que curtiu! <3

      Excluir
  2. Ameeeeeeeeeeeeeei Karine e tenho que te dizer que você é minha escritora preferida hahaha não vejo a hora de você publicar um livro (ansiosa aqui) Parabéns pelo seu talento viu?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que linda!!!! <3
      Muito obrigada mesmo, Erica :D

      Excluir
  3. "Mas na vida real, eles acabaram cada um para um lado. E nem tinha culpado. Hoje, só resta fechar os olhos e lembrar." Não preciso dizer que você é minha escritora preferida, né? Linda! Leu meus pensamentos e escreveu esse texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. <3 Quando vocês aparecem com isso de "escritora preferida" eu fico toda boba ahahhahahaha <3
      beijos

      Excluir
  4. muito bom!!
    quem nunca passou por isso né?

    ResponderExcluir
  5. "Entre olhos fechados, abraços, beijos e silêncios na cama, o destino parecia poder dar um jeito de fazer dar certo."
    Nossa,que texto perfeito <3
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  6. Giselle Schwindt6/8/13

    Karine, você não imagina o quanto sou fã dos seus textos. Parece loucura, mas quase sempre me encaixo neles. Parabéns! Se um dia pensar em publicar um livro, pode ter certeza que eu serei a primeira a comprar. <3

    ResponderExcluir
  7. Karine, desde que conheci sua página não me canso de me apaixonar pelas suas palavras. Parabéns!

    ResponderExcluir
  8. Anônimo4/9/13

    Nossaaaaaaaaa ! Simplesmente Perfeito . Ameeii *-*

    ResponderExcluir
  9. Anônimo4/9/13

    Nossaaaaaaaaa ! Simplesmente Perfeito . Ameeii *-*

    ResponderExcluir
  10. Anônimo4/9/13

    Nossaaaaaaaaa ! Simplesmente Perfeito . Ameeii *-*

    ResponderExcluir
  11. Anônimo12/9/13

    Minha filha, vá escrever bem assim láaaa... Não pera, aqui mesmo serve! Assim eu posso ficar me deliciando com seus textos perfeitos. Indicando pras amigas já!



    Parabéns
    Milena Melo

    ResponderExcluir
  12. Descupa corrigir mas agua e oleo se misturam apenas nao se dissolvem
    parabens pelo texto é deslumbrantemente lindo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …