Pular para o conteúdo principal

O meu erro foi ter te amado demais

FOTO: KAIQUE GOMES

O seu beijo passou a ter gosto de adeus depois que viramos naquela rua de casas abandonadas e sem luz. Havia uma lâmpada no fim do túnel, mas, de alguma forma, a gente se viu em uma viela sem saída. A gente seguiu o caminho do mapa, pegou todas as instruções, mas conseguiu errar e chegar aqui do mesmo jeito. Eu fico tentando olhar para trás e me perguntar: aonde foi que eu errei? Logo eu, que fiz de tudo para acertar. De-um-tudo. Engoli meu orgulho, reorganizei meus planos, me vi em uma vida que não era minha. Por você. E, no fim dessa história, é no meu colo que a culpa recai. Só me resta chegar a uma conclusão: meu erro foi ter te amado demais.

O meu erro foi ter me rebaixado e te dado todas as armas para pisar no meu peito. Fui me envenenando com seus sorrisos amarelos, crente que um dia você voltaria a rir de verdade. Aguentei toda a rejeição que uma pessoa é capaz de aguentar. Vi você indo embora muito antes de ter arrumado as malas, muito antes de ter me dito adeus. Você já não estava mais aqui, mesmo quando seu corpo ainda jazia ao meu lado, no outro canto do sofá. Entre nós dois, um precipício com um só destino: nosso fim. O meu erro foi não ter desistido.

Você dizia que não me amava mais no seu jeito de olhar. Mas eu achava que, em algum canto do seu corpo, todo o nosso amor tinha se escondido e bastava brincar de pega-pega. Eu achei que em nossa história havia muito carinho para largar mão assim de tudo, como se nunca tivesse importado. E então eu insisti em você, em nós dois, em tudo isso. Fui deixando que se acumulassem em minha garganta os gritos que você dava e as palavras que eu não queria falar. Porque eu ainda amava você. Eu ainda amo.

Uma parte de mim ainda se questiona: como é que tanto amor assim chega ao fim? Que veneno você tomou para matar o que sentia? Ou era tudo historinha e você sequer sentia o que dizia? Por muito tempo eu tentei acreditar que ia passar; uma hora você olharia para mim de relance e se lembraria: era eu. O que eu não esperava é que entre as olhadas de canto de olho, você decidisse que já tinha passado. A gente é que não tinha mais volta.

O meu erro foi ter me embebedado de amor por você. Soquei sentimento onde faltava compaixão. Tentei colocar algo grande demais em um espaço minúsculo. Você só me destinou uma sala e eu precisava de uma mansão. O meu erro foi ter te amado demais e é por isso que eu nem te culpo. Apenas saiba que eu fiz de tudo, tentei de toda forma acertar. E, sem querer parecer pretensioso, talvez em todo o resto eu tenha acertado. Talvez tenha errado só quando escolhi pra quem dar meu coração. Porque meu erro, amor, foi ter destinado carinho a quem só queria atenção. 

Comentários

  1. Muito lindo o seu texto. Aliás, todos eles são maravilhosos. Beijos

    ResponderExcluir
  2. Anônimo10/7/13

    Simplesmente incrível, Karine.
    Mas isso não é novidade.

    Sou fã dos seus textos e do sentimento que você joga nas palavras.
    Sou tão viciada nesse blog, que procuro abri-lo em meu celular pra ver se tem texto novo, ou para reler meus preferidos.

    Parabéns, hoje e sempre!

    Beijos,

    @amorcomverso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aff, que comentário mais maravilhoso! <3
      Obrigada mesmo mesmo mesmo!

      Excluir
  3. chorar não devia ser justo! escreves tão bem e tocas-me tanto aqui dentro..!

    beijinhos de portugal!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu morro com seus comentários direto de Portugal, Paula <3
      Obrigada, beijos

      Excluir
  4. E mais uma vez o modo como vc escreve me deixa sem palavras.
    Incrível mesmo! Difícil não gostar de tudo isso aqui.
    Lindimais'
    <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Karen, você é sempre uma fofa <3
      Obrigadaaaaaaaa

      Excluir
  5. Anônimo11/7/13

    Karine, quanto talento! É impressionante a forma como você encaixa as palavras e transforma lindos textos. Sempre que posso olho teu blog, adoro, já indiquei pra vários amigos pq vale muito a pena entrar aqui pra olhar suas obras. É sem sombra de dúvidas o melhor blog de crônicas. Torço muito pelo o seu sucesso, você merece tudo de mais especial, tem um talento incrível e mostra ser uma ótima pessoa. Que venha mais conquistas !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que comentário maravilhoso <3
      Mas se identifica da próxima vez, poxa :/

      Beijão

      Excluir
  6. É nessas horas que eu paro e penso o quão maravilhoso foi o dia em que eu e seus textos nos encontramos, nunca mais abandono esse blog. Sempre tem uma parte de mim que se identifica com o que você escreve. Lindo, como sempre *---*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aff, que fofa você! <3
      Obrigadaaaaaa!

      Excluir
  7. Amo todos os seus textos,você tem uma capacidade de escrever e expor todo aquele sentimento que estamos sentindo ou já sentimos do outro lado da tela do computador.Parabéns pelo seu blog que é super fofo.
    Dê uma olhadinha no meu http://umadosedeilusaoo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. O texto tá lindo Ká (como sempre), amei o novo modelo do blog (só o background que não :P) parabéns! Há Ká eu tenho paixão por jornalismo e talvez queira cursa jornalismo, enfim você poderia fazer tipo uma série tipo "diário de uma jornalista" e falar o que acontece no curso. Sei lá kkk ideia boba né? Tinha que vir da minha cabeça :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma ideia a se pensar, Nayra :D
      Valeu!!!

      Excluir
  9. Que lindo, bem minha história. Sempre leio seu blog, adoro sua escrita. Parabéns!

    ResponderExcluir
  10. Karine, você é maravilhosa!
    Todos os seus textos batem direitinho com o momento que estou passando, isso é incrível!
    Venho no seu blog todo dia pra ver se tem atualização rs
    Beijinhos ♥

    ResponderExcluir
  11. Olá,

    Nossa, eu adorei esse texto e acho que já li algumas boas vezes desde quando você postou rs
    O último paragrafo é que "me mata", chego a ficar com lágrimas nos olhos... me lembra muita coisa.

    Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …