Pular para o conteúdo principal

Sempre tem uma rasteira pra te deixar sem chão

Eu não queria começar com um título tão pessimista. Eu jurei para mim mesma, há uns dois, três ou dez meses, que eu nunca mais iria levar os tombos que eu venho tomando durante os 21 anos que estou por aqui. Não me entenda mal, é só que eu já levei muita porrada de gente para quem eu já dei muito a mão. Então, durante uma fase da minha vida, eu achei que eu estava blindada. Pode vir, tô pronta. Não tô. Porque é isso: sempre tem uma rasteira pra te deixar sem chão.

Enquanto eu achei que eu sacava tudo de amizade, eu comecei a considerar mais gente na minha vida. Porque, durante muitos anos, eu era uma garota de poucas amizades. Ou melhores amigos ou conhecidos. Eu não sabia ser só amiga. Eu queria ser amiga inteira, de levar em casa, apresentar família, dividir a vida. Mas aí, um dia qualquer, eu achei que eu podia deixar entrar. Podia dar algumas chances. Podia parar de ser tão desconfiada. As pessoas tavam ali - tentando. Eu podia tentar também.

Aí vem um baque. Depois dois. Três, quatro, um milhão. Parece que nunca acaba. Sabe, eu tenho essa mania de acreditar nas pessoas. Eu tenho essa mania de achar que elas fariam por mim tudo o que eu faria por elas. E achar que eu posso esperar o melhor delas. Só que quando você acredita muito nas pessoas, você quebra a cara com suas próprias expectativas. E, às vezes, você deixa de acreditar em si mesmo e naquela vozinha chata do sexto sentido. "É besteira", você pensa. E olha só onde estamos agora, queridinha - ele berra quando você dá de cara no chão.

Eu queria jurar para o meu coração que eu nunca mais vou me iludir com os outros. Queria prometer que vou me afastar de todas essas pessoas-vampiros que ficam roubando minha essência. Que vou fugir de sanguessugas e me poupar de tanta desilusão. Mas, eu sei e meu coração sabe, eu sempre acabo na mesma situação. Uma hora,  eu aprendo (eu acho). Talvez eu encontre aquele tal de meio termo. Ou talvez eu continue assim até o final. (Porque, ainda que baqueada, ninguém pode me crucificar por não me doar, com orgulho, para as pessoas).

Então é isso. Tô aqui, de novo, digerindo mais meia dúzia de facadas. O estômago tá revirado, o coração quebrado em pedaços e a alma se questionando: até quando? Não sei que dia, que horas, que mês, mas te prometo: uma hora passa. "Amanhã", juro pra você, tô novinha em folha. Aí lá vou eu, com as minhas desilusões, pronta pra acreditar de novo. E me enchendo de vacinas meia-bocas contra as próximas decepções. 

Comentários

  1. Texto perfeito Ká. Suuuper me identifiquei, é eu também era desconfiada mais depois de tantos tombos e de tanta gente falsa que eu permiti entrar na minha vida, voltei ao meu 'eu desconfiada'
    obradoacaso.blogspot.com <<< visita?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A gente confia desconfiando no final, né? <3
      Valeu pelo comentário!

      Excluir
  2. Aff, que texto é esse hein? Lindo, agora por favor pare de ler meus pensamentos. hahahahaha'
    Parece que tá falando de mim.
    Super curti. Continue escrevendo assim, você vai longe. Acho lindo esse teu jeito de descrever tudo que faz parte de ti, do q te rodeia, tudo que faz parte desse nosso mundão. Preciso dizer que fico aqui morrendo de amores pelos textos? <3<3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Karen, você é sempre uma linda e sempre tem um comentário motivador <3
      Obrigada mesmo, sério!

      Beijos

      Excluir
  3. Adorei o texto e acho que uma das tristes verdades da nossa vida é que por mais seletivas que sejam nossas escolhas de relacionamento sempre vai ter um fdp pra acabar com a confiança ou nos tornar ainda mais seletivos! ahahaha Talvez a parte mais difícil e fundamental seja não deixar de acreditar em alguns que realmente valem a pena, por causa de um ou outro que fazem aquele estrago danado. Enfim, assim como vi uma imagem lá embaixo num outro post: "After all, life goes on."

    Seguindo, Karine! :D

    Http://pelopanear.blogspot.com
    Mari.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É exatamente isso, Mariana. A vida continua, né?
      Obrigada pelo comentário!

      Beijos

      Excluir
  4. É meio triste, mas é lindo *--* Também não consigo ser amiga, ou é melhor amiga ou colega. A última vez que tentei trazer alguém do meio termo pro status de melhor amigo quebrei a cara :T

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A gente vai quebrando a cara e reconstruindo, né?
      Mas a gente sobrevive!

      Beijão, Vanessa

      Excluir
  5. ''Sabe, eu tenho essa mania de acreditar nas pessoas. Eu tenho essa mania de achar que elas fariam por mim tudo o que eu faria por elas. E achar que eu posso esperar o melhor delas. Só que quando você acredita muito nas pessoas, você quebra a cara com suas próprias expectativas.'' Na maioria das vezes me decepciono com as pessoas por criar tanta expectativa encima delas, dura realidade. Pensar que a atenção que você dá para uma pessoa não é reciproca é horrível, mas quando se é da própria natureza ser assim, mais atencioso, o que fazer? :/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho, no fim das contas, que não é a gente que tem que mudar nosso melhor, né? As pessoas que deviam tentar melhorar o seu pior. Sei lá :/

      Beijão, Mônica

      Excluir
  6. Sério , tô vomitando arco-íris com isso ♥
    Cade ponto e vírgula , perfeito .

    www.sonhando-porai.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Triste realidade! Texto lindo demais. Me descreveu como se me conhecesse detalhadamente. Resta-nos saber a dose certa de confiar nas pessoas... Essa história de transbordar confiança, uma hora ou outra, nos faz quebrar a cara.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas como achar o meio termo, né?
      Difícil

      Beijos

      Excluir
  8. Oi Karine, amei seu blog, me identifiquei muito com o texto!Realmente não é fácil encontrar amizades verdadeiras pela vida, mas elas existem, talvez nós que estamos sem sorte de achá-las! Bjs


    estrelafloresmelancia.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Existem, com fé a gente encontra, né <3

      Excluir
  9. Gente, tem coisa melhor do que ler texto tão perfeitos assim? Simplesmente, deslumbrante seu blog, seus textos e tudo mais.
    http://escrituras-da-alma.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E ler esses comentários lindos? Aff, vocês são demais!
      Beijão

      Excluir
  10. Anônimo19/7/13

    Amo seus textos! Queria saber como funcionam os textos por encomenda?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não tô aceitando agora porque não tô dando conta de fazer :(
      mas normalmente é pelo e-mail de contato do blog

      Excluir
  11. Decepçoes sao inevitaveis, so precisamos saber o que fazer em cada decepçao.. :)
    Beijos querida, seu blog e lindo.

    ResponderExcluir
  12. Genteeee, mas q texto lindo moça!
    As decepções só nos fazem crescer mais!
    http://floremrenda.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Ah menina! Eu não sei o que você faz, eu não sei como você o faz, mas os seus textos tem um magia especial que faz com que eu me sinta a menina que escreveu, que faz com que eu veja cada pequeno detalhe dele em mim, que faz com que eu leia suas palavras e veja elas em mim mesma - mesmo que seja de um jeito diferente, mesmo que não seja do jeito que você as vê. Cada texto seu é um aviso, é um alerta (daqueles que a gente se esforça para decorar e jamais esquecer), cada texto é uma lição que eu sino que um dia vou precisar. Eu não sei se você tem consciência do quanto suas palavras são magicas, e eu já comentei aqui uma ou duas vezes - apesar de ser daquelas que apenas lê e não costuma comentar-, mas eu também não sei descrever tudo que eu sinto as lendo, e por isso comento de novo. Comento porque espero que você nunca pare de escrever. Comento porque tenho essa necessidade de te dizer o quanto as suas palavras me fazem bem. Comento porque é o que me resta fazer.

    ResponderExcluir
  14. Pois é, nosso maior erro é esperar que os outros ajam da mesma forma que nós agiríamos... E eu já levei muito na cara por ser assim. Hoje tenho um certo "pé atrás" com as pessoas que se aproximam de mim e com aquelas que já me magoaram. É dolorido e essa ferida lateja sempre que começo a confiar em alguém, me lembrando de várias rasteiras que já levei também... Estou amando e me identificando muito com o conteúdo do blog, Karine...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …