Pular para o conteúdo principal

Você não sai de mim

Eu não gosto mais de você. Em um mundo paralelo saudável, eu até te odiaria. No meu dia a dia, fico com cada vez mais preguiça de você. Mas a verdade, a verdade mesmo, é que você continua entalado em minha garganta como uma espinha de peixe da qual não consigo me livrar. Já tossi, já tentei farinha, água, pronto socorro. Nada foi suficiente para te tirar de mim. Uma hora, te deixei ali, como se tivesse acostumado; eu até conseguia respirar numa boa com você preso ao meu corpo. O problema todo é que você nunca deixou mais ninguém entrar. E aí meu organismo foi adoecendo por falta de outros e excesso de você.

Fui ao médico outro dia, tentar mais uma medida desesperada. No exame de raio X, a verdade que eu nunca quis admitir: todas as minhas expectativas continuam aqui, adoecidas e guardadas em um lugar da minha mente que meu cérebro já não me deixa ter mais acesso. No meu estômago estão todas as vezes em que eu tentei te ter para mim e não foi suficiente - minha gastrite deve ter uma culpa só: minhas decepções com você.

Tem lembrança demais aqui dentro. Não uma lembrança alegre e feliz, como eu vivo tentando me enganar. Têm as mil lágrimas que derramei por você e as dez mil que prendi. Tem um caminhão todo de carinho que despejei nos meus pulmões depois que te vi virar as costas pela última vez. Na época, achei que o pó de amor viraria esperança e eu correria atrás de você de novo. Mas depois que fui parar no hospital por não conseguir respirar direito, o médico mandou abandonar o vício e deixar o pó e você pra lá.

Eu não gosto mais de você. É isso que eu queria te explicar. Mas eu gosto do meu passado de amor por você. Eu gosto de tudo que eu lutei para conseguir ficar por perto. Eu gosto de como fui insistente, de como me dediquei, de como me esforcei. Eu gosto porque, de alguma maneira doentia, isso me mostra que da minha parte eu sei amar. A culpa é só do meu coração que escolhe as piores pessoas, aquelas que não têm vocação nenhuma para o amor.


Um dia eu te arranco de vez de mim. E me livro de todo o nosso passado, que sempre foi tão mais meu do que seu. Um dia eu consigo deixar que os outros entrem e você finalmente vai esvaziar cada órgão do meu corpo com as milhares de expectativas que eu ainda guardo de você. Pode ser que hoje não, que hoje você continue entalado em mim. Mas que saiba que eu já não gosto de você. Em um mundo paralelo saudável, eu até te odiaria. E em um mundo ideal de verdade, eu finalmente seria totalmente indiferente a você. 

Comentários

  1. Eu gosto muito do jeito como você escreve. Sabe, parece que eu posso sentir o que você fala.
    Eu queria um dia poder inventar uma fórmula do esquecimento, mas teria de ser uma muito boa porque apagaria só algumas partes da memória. Apagaria as melhores dores de amor, melhores porque dói e, mesmo assim, as pessoas ficam viciadas em sentir.
    http://doisquintos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu adoreeeeeeeeeeeei isso das melhores dores, que ficamos viciadas.
      Rende um texto!

      Obrigada pelo comentário, Marcelle
      Beijão

      Excluir
  2. Meu Deus, esse texto parece que foi escrito para mim. Estou vivendo uma situação parecida com essa descrita, e tipo, isso está me matando. Dói cada pedacinho do meu corpo, da minha alma. Estou presa a alguém, e tipo, eu não quero mais gostar dele, mas tudo gira em torno da gente, sabe?
    Enfim, gosto muito da forma como você descreve as coisas. Sua escrita é muito precisa, muito doce. Acompanho sempre que posso o seu blog, principalmente quando há textos no Depois dos quinze.
    Beijos. Esse é o meu cantinho, rs. --> http://mundodailusao.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Rayane, muito obrigada MESMO pelos elogios.
      Fiquei muito feliz em ler.
      Obrigada pelo carinho também

      Beijão

      Excluir
  3. ``Eu não gosto mais de você. É isso que eu queria te explicar. Mas eu gosto do meu passado de amor por você. Eu gosto de tudo que eu lutei para conseguir ficar por perto. Eu gosto de como fui insistente, de como me dediquei, de como me esforcei. Eu gosto porque, de alguma maneira doentia, isso me mostra que da minha parte eu sei amar. A culpa é só do meu coração que escolhe as piores pessoas, aquelas que não têm vocação nenhuma para o amor.`` Exatamente o que eu sinto e acho há muito tempo, meu Deus! Voce é demais Karine, beijos ♥

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. É incrível como esse texto me definiu. Cada frase, cada palavra. Essa sua forma de descrever tão bem cada sentimento é um dom, Karine!
    Muito bom! Beijinhos <3

    ResponderExcluir
  6. Me identifiquei tanto com o texto que até sorri. até me imaginei enviando-o para uma certa pessoa ler, pois é exatamente assim.
    Adoro seus textos!!!!!
    P/ mim vc escreve perfeitamente tudo que eu gostaria de saber dizer. Ainda mais esses assuntos que deveriam estar no passado(mas estão "entalados" em nós), vc não parace que escreve com raiva ou amargura. escreve se forma sincera, não transmite sentimentos ruins. talvez até um certo alivio de não ser a única no mundo.
    Beijos :)

    ResponderExcluir
  7. Giselle Schwindt6/8/13

    Esse texto conseguiu ser absolutamente: EU! Deu vontade de postar no Facebook pras pessoas verem que é isso que eu sinto. Em vez disso, vou guardar comigo pra eu me encontrar quando estiver perdida. Parabéns por mais um texto lindo, Ka!

    ResponderExcluir
  8. Aline9/8/13

    Eu me identifiquei tanto com esse texto, Karine. Veio na hora certa! Obrigada :)

    ResponderExcluir
  9. Anônimo21/8/13

    Me identifiquei demais com esse texto sos :')

    ResponderExcluir
  10. Eu estou começando a desconfiar de que você esteja me espionando, ou que leia a minha mente, ou simplesmente fuxicou meu diário. Seus textos como complementos dos meus, tudo aquilo que eu não consigo admitir no papel, você acabou de admitir por mim. Eu só tenho agradecer, tenho visto um pouco mais de mim nos seus textos. Desejo o melhor para você.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …