Pular para o conteúdo principal

Meu silêncio e nosso ponto final


É o silêncio que dói. Invade cada cômodo de uma casa que hoje é minha, mas costumava ser tão nossa. É o silêncio que dói enquanto eu tento ficar sã em meio a um mundo de caos desde que você se foi. Ainda me encontro perdida em nosso passado, tentando encontrar as esquinas que virei para errar o percurso. A dificuldade em encarar o caminho à minha frente me faz ficar parada na beira de um precipício, mas com cansaço demais até para pular. 

Mil xícaras de café já foram. Porque a sensação é de ressaca, mas uísque nenhum teve a capacidade de me destruir assim. Vejo nossa história por flashes, como se eu já não pudesse me lembrar com clareza de todas as coisas que fiz. Fui eu que errei? Falhei em alguma frase, derrapei em alguma prova, não passei no último teste? A culpa vai corroendo tudo por aqui, enquanto as paredes de casa vão descascando e me mostrando que tenho que tomar uma atitude. Seguir em frente, desistir, qualquer coisa que não envolva me perder em um buraco sem fundo em que eu tento agarrar você.  

As pessoas dizem que tem que passar. Mas não são elas que convivem com as lembranças de um amor que morreu. Sou eu que esbarro com as manchas que você deixou no nosso quarto. E me pergunto: passa como? Eu sei. Eu vou vivendo a vida, fazendo tudo o que fazia antes, fingindo que estou indo em frente quando a minha maior vontade é voltar atrás. Uma hora acontece e eu nem reparo. Mas enquanto isso, sou eu que me pergunto aonde foi que a gente errou para não dar certo.

Meus gritos morreram na garganta. Já me arrependi de todas as coisas horríveis que disse. Daí penso que talvez você já tenha se arrependido também. E talvez nossos erros possam, finalmente, virar perdão. Uma parte de mim ainda espera que você arrombe a porta e diga que veio para ficar. Mas talvez meu coração já saiba que nossa história terminou muito antes de ter ficado perto de um final feliz. E bate um medo. De que você me esqueça entre suas linhas, me perca entre suas vírgulas e me enxergue, daqui pra frente, como um eterno ponto final.

Comentários

  1. Giselle Schwindt17/8/13

    "E bate um medo. De que você me esqueça entre suas linhas, me perca entre suas vírgulas e me enxergue, daqui pra frente, como um eterno ponto final." Maravilhoso, como sempre!

    ResponderExcluir
  2. Anônimo17/8/13

    Ai, Karine.
    QUE TEXTO!!
    Adorei!
    Beijos, Mart Reff @amorcomverso

    ResponderExcluir
  3. os teus textos deixam-me sempre com uma sensação que nem eu consigo explicar.
    por um lado sinto-me vazia a ouvir a banda sonora perfeita e a ler algo que explica a minha desilusão amorosa, mas por outro eu sinto-me totalmente preenchida por alguém tão humana e talentosa como tu conseguir explicar o que o meu coração sempre sente e não consegue explicar por palavras..

    és já uma inspiração, beijinhos!
    a tua sempre fã portuguesa :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu babo sempre nos seus comentários, Paula!
      Fico muito feliz em saber que tenho uma fã de tão longe :) Sério mesmo, eu fico MUITO alegre quando você comenta por aqui!

      Obrigada pelo carinho de sempre!
      Beijão

      Excluir
  4. Anônimo18/8/13

    nossaaaa,simplesmente perfeito,um dos melhores textos q li!Vc é espetacular!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. <3 Nossa, obrigadaaaaaa! hahahahaha

      Excluir
  5. "Eu sei. Eu vou vivendo a vida, fazendo tudo o que fazia antes, fingindo que estou indo em frente quando a minha maior vontade é voltar atrás." Apenas fingindo. Ká, não preciso dizer o quanto te admiro. Por tudo, né? Amei!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A admiração é recíproca, Bia <3
      Muito obrigada pelo carinho de sempre,
      Beijos

      Excluir
  6. Anônimo18/8/13

    Lindooooo, qse choro :$

    ResponderExcluir
  7. Lindo Káh como sempre parabéns. Sabe toda vez que leio um texto teu me vejo nele ^^ será que isso é alguma obra do acaso? rsrs beijos!!
    obradoacaso.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahahahaahahah deve ser, hein ;D

      Excluir
  8. Que lindo *---*
    é tão incrível a maneira como todas as experiências amorosas sobre as quais você escreve parecem realmente ser suas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São minhas, de outras vidas ahhahahahahaha
      Beijão, Vanessa <3

      Excluir
  9. Meu Deus! Que lindo! Parabéns você se supera a cada texto!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …