Pular para o conteúdo principal

Minha ausência; mea-culpa

As pessoas perguntaram por que andei escrevendo tão pouco. “Tá deixando de atualizar sempre o blog, Ká”. “Tá sumida”. “Tá quieta”. É difícil explicar bloqueio criativo. É mais difícil ainda falar sobre algo no geral, como se todo mundo passasse por isso da mesma forma (e eu já faço tanto isso quando resolvo escrever sobre amor, comportamento e cotidiano). Então, hoje, eu decidi superar o que anda(va) me travando e escrever sobre bloqueio criativo. Melhor: sobre o meu bloqueio criativo.

Eu andei sem escrever porque eu andei pensando muito. Talvez isso pareça estranho para as outras pessoas, mas faz total sentido para mim. A gente sempre tem aquele momento que muda de ideia, volta, repensa, dá meia volta, muda de opinião. Como escrever um texto até o final desse jeito? Para escrever esse texto, já pensei em pelo menos três frases que dariam bons textos de amor. Mas me segurei aqui, nesses parágrafos, porque eu quero explicar minha ausência. Por mais difícil que isso me pareça.

Eu andei sem escrever porque a semana foi corrida, porque a vida passa correndo, porque eu trabalho escrevendo e porque eu escrevo textos o dia inteiro na minha cabeça. E tudo isso cansa. Às vezes de um jeito desumano. Às vezes de um jeito que a gente só precisa de um pouquinho de calma, de paz, de paciência e de descanso. Bloqueio criativo passa, por isso que eu nem me forço. Escrever, pra mim, sempre foi mais um desabafo da alma do que uma obrigação. Eu não me obrigo a fazer algo que gosto (a não ser que me paguem para isso, é claro).

Eu andei sem escrever porque eu andei lendo. Muito. Porque eu pensei em me reinventar. Porque eu quero abordar temas novos, escrever coisas que nunca escrevi, parar de me repetir. Porque eu mudei o cabelo, mudei minhas roupas, mudei os planos e agora quero mudar meus textos. Porque eu acho que todo mundo tem o direito de pisar no freio, olhar as ruas e escolher que esquina virar. E chegou a hora de eu me fazer a pergunta: pra aonde eu quero ir? Eu fiquei tempo demais apenas indo.

Eu andei sem escrever porque eu começava histórias que não terminava. E voltei atrás pra colocar pontos finais em livros inacabados. Porque precisei respirar e olhar meu passado para pensar no que quero escrever no futuro. E porque eu precisava, mesmo, de um tempo pra mim. Precisava colocar os pingos nos i’s.

Agora, com os i’s pingados, com os pontos finais nos lugares certos, com as ideias frescas na cabeça e com os planos começando a se desenhar: tô aqui. Lutando pra escrever um texto até o fim e me explicar.

Tudo ok, então?
Desculpem pela ausência, espero que entendam, fiquem tranquilos.

Eu vou voltar.

Comentários

  1. Tá desculpada, Karine. Senti falta dos teus textos, mas sei que isso acontece com todo mundo. Já me senti assim muitas vezes. Aliás, ando me sentindo assim ultimamente. Consigo me ver em todos os textos seus, por isso gosto tanto do seu trabalho. Também tenho um blog e publico textos de vez em quando e sei que não é fácil inovar, reinventar-se a todo momento. Coleciono textos inacabados salvos no rascunho e, às vezes, acho que todos são iguais. Pensar ocupa a cabeça e ao mesmo tempo esvazia. Estou em outra fase da vida, você está acabando a faculdade e eu vou prestar vestibular este ano e estou entre umas 3 opções de cursos. Também tenho a impressão de estar perdida e estar apenas "indo". Acho que essa sensação é a maior forma de amadurecer. É perceber que nossa "cabeça" mudou e não se encaixa mais com a nossa vida. Quem não muda fica menor.
    Estou torcendo para a sua inspiração voltar. Boa sorte na busca dessa nova Ká. Mil beijos <3

    ps: desculpa pelo comentário gigante haha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei o seu comentário, Ana!
      Pode deixar sempre! ahahhaha

      Muito obrigada pelo apoio e pela torcida!

      beijão

      Excluir
  2. Ká, também estou sofrendo de bloqueios. Não como os seus, e acho que você sabe exatamente qual o meu bloqueio atualmente. Espero que o seu bloqueio passe logo e que o meu vá embora junto com o seu, para que sejamos, enfim, nós novamente. Estou sentindo falta de entrar por aqui e sorrir. Qualquer coisa, sabe por onde me procurar. Estou torcendo por você, como sempre, mesmo que seja do outro lado da tela. Beijos, Bia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você é uma linda sempre!
      Saiba que estou sempre torcendo por você e pode contar comigo também!
      Manda um e-mail contando como estão as coisas!

      Beijão

      Excluir
  3. Ka, eu sei exatamente como é isso. Também evito forçar escrever quando não estou inspirado, porque tudo espontâneo é mais bonito. Ultimamente tenho escrito muito pouco como você, mas pode ficar tranquila que chega uma hora em que um simples detalhezinho no meio do caos diário te inspirará a escrever sobre algo que nunca escreveu antes. Aguardo ansiosamente textos novos!

    OBS: Aproveitei o tempo sem escrever para mudar a cara do blog, caso queira dar uma olhada: http://helviocaldeira.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda bem que você me entende, Hélvio!
      Vou dar uma olhada no seu blog sim!

      Beijão, adoro o que escreve!

      Excluir
  4. Cara, tem dias que também me sinto assim e é super normal, tranquilo de entender. Ninguém jamais pode te julgar por isso!! Mas, volta sim, porque adoro seus textos <3
    http://escrituras-da-alma.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Sâmela! Fico feliz que goste!

      Beijão

      Excluir
  5. Anônimo15/10/13

    Se vai voltar então tudo bem!! :D

    Porque você faz falta!!

    ResponderExcluir
  6. Até seu texto de explicação é perfeito, meu Deus quanto talento rsrs :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …