Pular para o conteúdo principal

E agora, Zé?

FOTO: KAIQUE GOMES

Acabou. Bom, pelo menos, no momento em que você estiver lendo esse texto, provavelmente já terá acabado. Ou talvez acabe daqui a pouco. Daqui uma semana, um mês, quiçá um ano – alguma coisa vai acabar (um curso, a escola, a faculdade, um trabalho, um namoro, uma amizade…). No meu caso, dessa vez, apenas acabou. E aí essa é a hora em que eu pego a mala, arrumo as roupas e encaro a parede com a expressão mais perdida da vida. E agora, Zé, vou pra onde?
Esse mundão de meudeus é tão grande, o meu Zé provavelmente responderia. Olha aí, quanta oportunidade pela frente. A vida é uma só, então vai lá e aproveite as coisas que estão começando. Porque, olha (olha!), quanta coisa começando. Leve roupa de calor e de frio e você estará preparada. Respire fundo, você consegue. Vá-em-frente. Ah, Zé, tanta frase de autoajuda, mas eu só queria saber mesmo: quando acaba, o que acontece depois?
É difícil acabar as coisas. Até mesmo eu, que não sou a maior fã de rotinas, que vivo dizendo por aí que amo mudanças, sofro com finais. A palavra “fim” não é legal. Dá aquela sensação amarga de bloqueio, fronteira, linha que diz “chega”. E aí ou a gente dá meia volta ou muda de caminho: de certo lugares não dá mais para passar. E vem aquele soco no estômago, não é? Caramba, e-agora-Zé?
Algumas vezes você se despede, algumas vezes chora, algumas vezes deixa para lá. Sente aquele apertinho no peito, mastiga uma decepção ou então engole um bom pedaço de coragem. Mas vai. Respira fundo e vai, porque a graça da vida está justamente em poder se reinventar. Não disseram por aí trezentas mil vezes que era melhor ser uma metamorfose ambulante?
Bom, acabou, Zé. Vou arrumar a mala com roupas para todas as estações, até mesmo aquelas que eu não gosto tanto de usar (vai que meus gostos mudam, não é mesmo?). Vou tomar umas doses de coragem, esconder o medo com a maquiagem e ir. Afinal, é só mais um fim entre tantos outros, não é Zé? Você tem razão, vou parar com o drama. No fundo, seus conselhos de autoajuda têm mesmo razão: se quase tudo pode acabar, o que importa mesmo são os nossos meios e começos. Então vamos lá, sacudir a poeira e recomeçar. Eu e você. E ver no que isso vai dar. Né, Zé?

Comentários

  1. Lindo, perfeito, eu amo seus textos s2, caso tenha um tempinho veja os que eu andei escrevendo no meu blog, seria um prazer ter você lá http://coisasdedz.blogspot.com/ , espero que goste ;) Por favor se ver, queria muito saber o que achou, um grande beijo :* com enorme carinho, sou sua fã Duda Zurc.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …