Pular para o conteúdo principal

Acreditar no Papai Noel me fez bem


Na véspera de Natal, enquanto as crianças esperavam ansiosas a visita do bom velhinho, nós, adultos, começamos a conversar sobre a lenda do Papai Noel. Alguns, sem filhos, defendiam a ideia de acabar com esse mito, esse blábláblá inexistente de coelhos da Páscoa, bons velhinhos e fadas do dente. Afinal, segundo eles, educar as crianças à base de mentiras desde tão cedo não pode ter consequências boas.
Comecei a pensar na época em que eu, inocente, tentava ficar acordada o máximo possível para espiar a chegada do Papai Noel. Quando preparava biscoitos e leite quente e deixava perto da árvore de Natal. Quando tinha medo de não me comportar durante o ano e acabar não recebendo meu sonhado presente. Lembrei também da grande descoberta, quando, ainda nova, uma amiga contou sem meias-palavras que tudo era uma grande mentira. E aí me senti traída, enganada, sozinha. Mas depois passou, e a vida seguiu.
Depois disso, eu pulei, automaticamente, para o lado das crianças “crescidas”, aquelas que sabiam a verdade e, ainda assim, mantinham o segredo para os mais novos. Como eu tinha primos pequenos, virei uma espécie de cúmplice dos meus pais e tios. Ajudava em toda a parafernália de Natal, chamava as crianças para o quarto para que os mais velhos pudessem aparecer com os presentes, fingia que ainda me animava com o Papai Noel. E essa também foi uma fase bem divertida.
Agora, já grande, eu realmente não sei o que é o certo a fazer. Não sei dizer se estas “inocentes mentiras” podem ter alguma consequência ruim para os filhos. O que eu sei é que, para mim, não teve. Afinal, assim que comecei a entender a coisa toda com mais clareza, achei fantástico o esforço que meus pais tinham para me fazer acreditar. Esconder-se, fantasiar-se, tomar o leite que eu deixava, acordar tarde da noite para encher a árvore de presentes, usar manhas e artimanhas para me fazer feliz…o que é isso além de um amor sem tamanho? Papai Noel pode até não ser o bom velhinho que eu acreditava na infância, mas, com certeza, vive na figura dos pais mais legais que eu poderia ter.
Acho, de verdade, que a beleza da infância está em brincar com o inexistente. Em imaginar, brincar, dar asas à criatividade, explorar coisas inimagináveis, ousar, acreditar em coisas que nós, adultos, já não acreditamos mais. Porque, um dia, a gente cresce e tudo se baseia em “ver para crer”. E a verdade nua e crua nem sempre é tão legal e fácil como a gente imaginava na infância.
Acreditar no Papai Noel é uma das partes divertidas de quando somos crianças. Ainda que não exista, ainda que, um dia, a gente cresça e descubra que era só mais uma grande mentira. Porque o que importa é que, durante um tempo, a gente desfrutou de um esforço enorme de uma família inteira para ver uma criança sorrir. E a gente sorriu. Então, desculpa, mas a ignorância, de vez em quando, é, sim, uma benção. Não é?

Texto publicado no blog Depois dos Quinze no dia 27/12/2013

Comentários

  1. e eu não me canso de te ler! mesmo quando não estou com vontade para nada e quando me falta a inspiração para tudo!
    obrigada karine! da tua sempre fã portuguesa que mesmo não comentando em todos os textos te adora e está constantemente por aqui :) beijinhos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. linda <3 adoro seus comentários por aqui. fico muito feliz com seus elogios! <3
      beijão

      Excluir
  2. Eu acho sensacional, magia sem igual!!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns, você nasceu com um dom, e escrever é o seu dom.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…