Pular para o conteúdo principal

Blogagem coletiva: 2013 se foi e foi...


O ano em que "Ei, você aí, me dá um dinheiro aí" virou hit, camuflado de "Bom dia". Ano do interesse. Que o mundo abominou-se de verdades, a ponto de ninguém conhecer mais ninguém. Que registrei o meu desgosto por datas comemorativas e relacionamentos irrecíprocos. O ano em que, observando e absorvendo dos ensinamentos involuntários, aprendi que tudo tem o seu tempo. Que, demasiadamente, me decepcionei e senti falta de rotinas e lugares. O ano em que eu me cansei do silêncio e perdi pessoas por falta de tolerância e comunicação. Mas descobri que a infantilidade é a base das melhores amizades.

Aprendi que vive melhor quem vive em paz, quem sabe abater de princípio um problema ouvindo um som bem alto, quem sabe ouvir de verdade, quem pede pra repetir se gostou, quem não só fala a verdade mas fala de coração, quem sabe perdoar, se desculpar, voltar, refazer sem desfazer, reformular as palavras, sem passar a borracha. Quem sabe que deve-se rascunhar com carinho, preencher o fim da linha para então virar a folha, e não correr o risco de, no próximo capítulo, ser cortado ao meio pela própria metade.

2013, também, foi o ano em que eu precisei e arrumei um jeito novo de descarregar que não fosse na minha vida e não provocasse mais riscos à minha saúde. O ano em que as pequenas corridas viraram grandes caminhadas, pois na ânsia de vencer, tropeçamos no segundo passo. O ano em que faltou inteligência para invertermos a seguinte ordem: julgamento e informação. O ano que poderia ser apagado da memória, pelo tanto que começou sofrendo e tentando ser uma cópia fiel de 2012, se não fosse, surpreendentemente, pelos raros bons momentos de seus 126 dias finais - que ainda estão em andamento.

Para 2014, só levarei os desembaços que os últimos dias me permitiram e ainda permitirão a realizar e o desejo de não desejar. Tendo em mente que aquilo que está por vir será sempre melhor do que aquilo que já foi. Além da certeza de que a vida segue. Sempre. Independente de tudo e dependente da gente. Somos os únicos capazes, começando por agora, de fazer a diferença dos nossos próximas 365 dias serem felizes ou infelizes. Cabe a cada um decidir.



Este texto é da Natasha Pires, do blog Natasha Konce. Ela enviou o "2013 se foi e foi..." para a última blogagem coletiva do ano e teve seu texto escolhido para ser publicado aqui no blog.

Além dela, outros leitores participaram da blogagem coletiva. Se eu fosse você, conferiria todos:

365 dias, da Pamela Dal'Alva
525.600 minutos. 8.760 horas. 365 dias. 1 ano., da Ana Samento
Aprendizados de 365 dias, da Jéssica Bellisoni
Em 2013..., do tumblr Dream Sweet
Enquanto o ano passa, da Taysa Marcon
Eu amei diferente, da Nanu Limon
É que esse ano foi assim..., da Maria Luiza Damião
Meu não tão feliz balanço anual, da Ana Carolina Oliveira
O  que eu aprendi em 365 dias, da Aryelle Almada
Será que 2013 foi um sonho?, da Thais Flores
Um ano que valeu a pena, da Louise Rezende
Você continua a me amar depois disso?, da Nathalia


E pra fechar: Feliz Natal pra vocês! <3 

Comentários

  1. Me identifiquei 100% com seu 1º parágrafo :)
    Adoro sua escrita...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bom o texto da Natasha, né?

      Excluir
    2. Obrigada, Camila.

      Excluir
  2. Muito bom,bem escrita,faz a gente refletir!
    http://trancadoasetechaves.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom! E obrigada, Mess.

      Excluir
  3. Fiquei completamente sem palavras para esse texto.

    kisu
    www.eraoutravez.com

    ResponderExcluir
  4. Ka, não tinha visto. Obrigada por avisar e pela escolha. Fiquei mó feliz. Há tempos que não escrevia nada que não fosse sobre moda, por falta de tempo e oportunidade...
    Adorei participar da blogagem. Beijão

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …