Pular para o conteúdo principal

E você, dezembro, o que me traz?

FOTO: KAIQUE GOMES
Eu sempre gostei de final de ano. O clima de festas, presentes, bom velhinho, carinho, solidariedade, doações. Aquela coisa que tanta gente reclama, que diz que é hipocrisia, mentira, alegria falsificada. Eu não; ver dezembro se aproximando sempre foi motivo para comemorar (mesmo que, hoje, infelizmente, o mês já não seja sinônimo de férias de verão). É nessa época que, afinal, temos a oportunidade de olhar para trás e fazer a retrospectiva dos outros onze meses em que, muitas vezes, as coisas não foram fáceis.
Sou da teoria que nós precisamos reacender a esperança sempre. Porque a gente abre o jornal no primeiro dia do ano e já vê desabamento. E já vê enchente. E já vê roubo, corrupção, assassinato, tragédia, acidente. A gente passa mais de 300 dias por ano lembrando como o homem pode ser ruim, como ainda há preconceito em pleno ano de 2013, como a mulher ainda encara machismo 24 horas por dia.
De janeiro a novembro, minha esperança vai morrendo pouco a pouco. Vai sendo esmagada pela rotina, esmurrada pelas notícias, espancada por comentários horríveis na internet. O mundo vai fazendo de tudo para eu deixar de acreditar que ainda tem jeito. Que ainda dá para melhorar, que tem sempre um caminho, uma luz minúscula no fim do túnel.
Sim, eu amo dezembro. E as luzinhas de Natal. E as renas do papai Noel. E as festas de família. E as cartinhas das crianças, os pedidos, os presentes, a onda de solidariedade, o discurso de “vamos ajudar ao próximo”. Porque, se esse é mesmo apenas mais um mês de puro consumo, como vivem dizendo por aí, minha maior compra é sempre a esperança. E pode me julgar por continuar sendo uma boba que não deixa de acreditar.
Continua parecendo tudo uma grande mentira a você? Que tal, então, transformar em um pouquinho de verdade? Doar um presente, ser o papai Noel de alguém, aprender a respeitar o jeito daquela tia que você não gosta? Dezembro começou; e se isso não significa nada para você, tudo bem. Desejo um ótimo mês do mesmo jeito: a você e a todo mundo. Porque, nesse mês, saio distribuindo por aí aquele pedido do Caio tão divulgado nas redes sociais: que seja doce.
Um doce dezembro a você, então.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …