Pular para o conteúdo principal

Fogos de artifício


Eu não fiz um texto de retrospectiva de 2013, como costumo fazer em finais de ano. Talvez porque eu não saiba dizer se 2013 entra na lista dos melhores ou piores anos da minha vida. Ou talvez porque não tenha sido um ano capaz de ser julgado apenas como bom ou apenas como ruim. O que posso dizer, de fato, de 2013 é que ele acabou. Um ano com começo, meio e fim e sem respingos no ano que começa agora. 2014, no máximo, traz consigo todas as lições aprendidas em 12 meses de muito suor, muita luta, muitos sonhos e algumas quedas. Mas rancor, desilusões e feridas abertas? Tudo isso ficou para trás.

Na virada deste ano, não fiz nenhuma simpatia. Não pedi que meus sonhos se realizassem. E deixei os desejos esquecidos. Enquanto abraçava as pessoas que amo, pedi, apenas, fé, força e saúde. Porque esse é, mais do que nunca, um ano de realizações, e não de pedidos. Esse é um ano de mangas arregaçadas e não de pulinhos em sete ondas e oferendas a Iemanjá. 2014 é ano de realizar.

E há muito o que realizar. Há um caminho longo pela frente e uma lista grande de planos e objetivos. Todos eles dependendo apenas de mim, do meu suor, da minha persistência e do meu esforço. Sorte e acaso? Serão meros coadjuvantes daqui pra frente. Porque chega uma hora que todo mundo precisa segurar as rédeas da própria vida.

Por tudo isso, este não é um texto sobre 2014. 2014 é apenas o começo desta história. A mudança de vida, se tudo correr bem, é daqui para frente. Que venham as lições, as batalhas, os obstáculos, as quedas, as derrotas e as sonhadas vitórias. Que venham os anos que ainda estão por vir – e eu estarei aqui, algumas vezes preparada, outras não. Que venha tudo o que tiver que vir, porque a vida é assim: cheia de imprevistos. Só me resta um pedido: que eu cresça com tudo isso.


Porque o crescimento, amigos, é uma das coisas mais importantes que os anos podem nos dar.

Comentários

  1. Com certeza, Ká. Crescimento e amadurecimento é o que fica. Se somente esperarmos, nenhum ano será bom.
    Feliz Ano Novo e muitas surpresas daqui para frente para você <3
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Feliz Ano Novo pra gente, Ana <3

      Excluir
  2. Exatamente isso! Minha meta pra 2014 é terminar as mudanças (interiores e exteriores) que comecei e 2013, e realizar tudo o que não realizei em 2012 e correr atrás do que quero, sem preguiça. Força de vontade e muito trabalho duro!

    ResponderExcluir
  3. Eu simplesmente amo tudo que vc escreve!! E mesmo sendo pequeno o texto, vc conseguiu referir-se aos anos, tanto o que foi, tanto o que veio, com aquela pitadinha de quero mais sabe? Não dá vontade de parar de ler. Perfeito! Muito sucesso para vc :D
    http://escrituras-da-alma.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …