Pular para o conteúdo principal

Que tal um beijo, Saumensch?

Atenção: este texto pode conter spoilers!

Essa é a frase que mais me dói quando lembro do livro A Menina que Roubava Livros. Alguma coisa dentro de mim parte, como partiu nas duas vezes que me aventurei nas páginas de Markus Zusak. E essa é a definição mais pessoal e sincera que posso dar sobre esta história (como muitos sabem, uma das preferidas da minha vida): este é um livro que me quebra. 

Quando a adaptação para o cinema da história de Liesel Meminger foi anunciada, fiquei apreensiva e ansiosa. Queria ver o filme com todas as minhas forças, mas tinha um medo tremendo que fugissem da beleza do romance e acabassem como só mais uma adaptação ruim para o cinema de um livro que, na minha opinião (ainda que penoso de ler no início), é sensacional.

Esclareço, então, logo, que o filme não é ruim. É um filme bom, que entretém e me arrancou algumas lágrimas. Bonito, sincero, com uma fotografia linda e cenas comoventes. O problema, acho eu, é de quem espera demais. E quem leu A Menina Que Roubava Livros, com certeza, o faz. 

Na versão cinematográfica, verdade seja dita, buscou-se ao máximo ser fiel à história do livro. Até demais, se posso ser sincera. Explico: ao querer contemplar tantos aspectos do livro de 478 páginas, o filme de 2 horas acabou não captando a verdadeira essência da história e não permitiu que nos apegássemos, de verdade, aos personagens da narrativa. O que, para mim, foi um belo chute fora. 

A mulher do prefeito, por exemplo. No filme, não entendemos, de verdade, a amizade entre Ilsa e Liesel. Não entendemos a complexidade e o sofrimento daquela mulher, nem o carinho que ela sente por Liesel, nem a raiva que, em determinado momento da história, a menina chega a sentir da primeira-dama. Nada disto aparece no filme, em que se tem a impressão de que Ilsa é apenas uma mulher que deixava Liesel entrar em sua biblioteca. 

A desconstrução de Rosa, mãe adotiva da menina que roubava livros, também é demasiadamente superficial na telona. Enquanto no livro é possível ver, realmente, uma mulher durona mostrando uma alma, no fundo, bondosa, no filme, a desconstrução da armadura de Rosa não fica tão notável. 

Por outro lado, Rudy foi retratado exatamente como eu imaginava enquanto lia as linhas de A Menina que Roubava Livros. E, ah Saumensch!, você deveria ter dado um beijo nele...

Para quem precisa de um empurrão, aqui vai: assista A Menina que Roubava Livros. É um filme lindo que faz você mergulhar na época da Segunda Guerra Mundial e ficar enojada com a crueldade do ser humano. Repetindo: um filme lindo. 

Só não é maravilhoso. (Como o livro).

Comentários

  1. AAAAAAAAAAAAAAAAH, meu livro preferido de todos os tempos :3
    Qualquer coisa que leio sobre ele, meu coração pula de emoção haha... concordo com você sobre o filme, e eu esperava mais, muito mais de um livro tão perfeito como aquele. Quando me perguntam sobre o filme, digo: ''leia o livro, por favor'' e espalho spoilers por aí convencendo a todos que me ouvem, que devem ler o livro *-* amei esse texto , sério! :3

    ResponderExcluir
  2. Oi Karine!
    Não li o livro, mas juro que quando li o que você escreveu aqui dei uns gritinhos de "sabia!" kkkk. Gosto muito de cinema e venho prestado atenção às adaptações dos nossos queridos livros para às telonas. Ao pontuar a relação de Liesel com a primeira dama e a desconstrução de Rosa concordo inteiramente com você (mesmo não tendo lido). Acreditei 99% que no livro esses dois casos foram muito bem desenvolvidos, mas ao ver a vivacidade de Rudy e a relação de Liesel com Max acho que eles quiseram focar mais nessa parte da história (e fazer bem feito... Rudy é fantástico) e esqueceram das duas mãezonas que a personagem principal ganhou.
    Depois dessa, até animo em ler o livro! kk
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Anônimo11/3/14

    Quando sai o próximo blogagem coletiva?

    ResponderExcluir
  4. Não vi o filme, e nem li o livro inteiro. Mas confesso que seu texto me deu uma vontade imensa de ler completo antes de ver o filme. Achei seu blog pelo DDQ, porque seu texto lá me tocou e me fez querer conhecer mais sobre a autora. Não me arrependi de chegar aqui nesse blog. Existem pessoas que não sabem usar as palavras, e tenho certeza de que você fez um ótimo uso delas. Pretendo aparecer mais aqui, me senti em casa.

    http://www.amoreja.com/

    ResponderExcluir
  5. Sim, o livro é incrível, cheio de ricos detalhes. Eu casaria com o Rudy hahaha.
    Já o filme... ah filmes! Essas adaptações não fazem minha cabeça.

    Parabéns pelo blog. É lindo.
    Ariana

    http://arianaviajante.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Paula17/3/14

    Perfeito o texto. Exatamente o que eu achei do filme.
    Seu blog é perfeito, você escreve muito bem :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…