Pular para o conteúdo principal

As suas declarações na parede

Pintei as paredes com um laranja bem forte para retirar qualquer resquício das frases que você escrevia se declarando. Que porra de ideia era essa de escrever pequenas declarações diárias (com caneta permanente laranja!) na parede do meu quarto? Cê foi e aí? "Seus olhos são um mundo de onde nunca quero sair" bem acima da minha cabeceira. E te contar uma novidade, queridão: você saiu desse mundo e deixou a merda da bagagem por aqui. 

Devolvi as camisetas e bermudas velhas pro seu irmão. Suas cuecas eu joguei fora. Tem uns livros ainda na estante, mas esses nem fiz questão de separar. Pelo menos bem pro meu intelecto seus restos hão de fazer. Cê deixou uns sentimentos amassados no chão também, mas ainda não tive coragem de abrir e ver se servem para alguma coisa. Acho que é medo de olhar pro que cê deixou e lembrar o porquê eu era tão louca e fascinada e maluca por você. 

Eu gostava de tanta coisa em você que tenho até medo de lembrar. Gostava do seu cheiro mentolado por causa do vício que cê tinha de sempre estar com um chiclete na boca. Gostava daquela sua camiseta velha que você me emprestava pra dormir quando ia viajar pra diminuir um pouco a saudade (essa, logo essa, você foi filho da puta de levar embora!). Gostava das músicas do Lenine que você cantarolava enquanto desenhava. E da sua mania de largar a tampa da privada levantada só pra rir do meu descontrole quando eu ia brigar com você. Eu gostava daquela merda de sorriso que cê dava quando eu pegava um bebê no colo e aí você começava a tentar me convencer que a gente deveria ter um filho. E eu gostava de realmente, realmente, considerar ter um filho com você.

Já pensou na merda? Imagina se a gente tivesse deixado o desejo de ter um filho falar mais alto? Cê ia continuar sendo um papai legal depois de arrumar as malas? Porque, sejamos francos, você não tem responsabilidade nenhuma com o sentimento dos outros. E você já me imaginou como mãe? Que espécie de filho louco eu ia acabar criando? Que bom, cara, que bom que você foi embora antes de eu ser louca o suficiente de querer tudo com você.

Tá de boa. O que ficou doeu, é claro, e ainda dói e ainda vai doer um bocado alguns dias, mas vida que segue, não é? Tamo vivo, saudável, tentando remendar o coração pra próxima (puta merda, tem sempre a próxima, não é?). E eu vou te apagando aos pouquinhos, tendo um pouco mais de raiva de você por ter ido, um montão de raiva de mim por ter ficado (chorando, gritando e com uma dor de cotovelo gigantesca). Mas, relaxa, não vou ser pra sempre a "mal amada" que te odeia por não ter continuado me amando, não. Acontece, não é? Amor acaba. Só queria mesmo te dizer pra nunca mais riscar a parede de ninguém com declarações baratas. 

O coração partido passa, mas eu nunca vou te perdoar por essa porra de parede laranja no meu quarto.
Foi isso o que mais doeu.

Comentários

  1. Simplesmente: apaixonada <3

    ResponderExcluir
  2. Lindo texto,você sempre arrasa né,bem que vc poderia ensinar para gente o que te inspira beijos.
    porqueestrelas.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Beleza, farei esse post ;) ahahah

      Excluir
  3. Adorei o texto, e a parede laranja, não é tão feia assim. Logo acostuma, assim como acostuma com a ausência de quem partiu.

    Sucesso sempre :*

    ResponderExcluir
  4. Anônimo23/4/14

    cara, perfeito, perfeito, perfeito!

    ResponderExcluir
  5. Como sempre, incrível. Postei a poucos dias um texto meio parecido com esse. Aí agora vejo o seu e penso: caraca, por que eu não escrevi assim? hahahah
    A beleza e peculiaridade de cada individuo.

    ResponderExcluir
  6. Você sabe mesmo como tocar as pessoas com simples textos ,me deixou emocionada *-* parabéns pelo texto! Linda!!

    ResponderExcluir
  7. ah, você e seus textos perfeitos. *--*

    ResponderExcluir
  8. Karine, parabéns!! amo todos os seus textos.. No começo foi um vício nao sosseguei ate ler todos do blog..
    Lindooo texto ( como sempre) .. Indico seu blog pra todas amigas minhas!!
    Sucesso sempre.. Beijo

    ResponderExcluir
  9. Li seus textos no blog da Bruna Vieira e foi amor a primeira lida. Somos sentimentais, um defeito grave e uma qualidade rara nas meninas de hoje. Parabéns pelos textos lindos.

    ResponderExcluir
  10. Apenas adorando o seu blog. Se tornou o meu mais novo favorito. Caramba, que talento!
    Mil vezes parabéns,

    Beijão!

    ResponderExcluir
  11. Tive que comentar, te juro HAHAHAHAHAHAH
    EU TO MORRENDO COM ESSE TEXTO
    PFV

    ResponderExcluir
  12. Olá Karine, sempre venho no seu blog, leio um pouco e saio. É uma terapia semanal. Você é quase como meus autores de crônicas favoritas. Eu amo uma boa crônica e aqui tá cheia delas. Cada vez sua escrita fica mais intensa. Parabéns pelo blog e por conseguir passar tanta coisa com algumas palavras.

    Abraços, Thamara
    www.thamaralaila.com.br

    ResponderExcluir
  13. "O coração partido passa, mas eu nunca vou te perdoar por essa porra de parede laranja no meu quarto.
    Foi isso o que mais doeu." Amei demais isso hahaha

    ResponderExcluir
  14. Já pensou na merda? Imagina se a gente tivesse deixado o desejo de ter um filho falar mais alto? Cê ia continuar sendo um papai legal depois de arrumar as malas? Porque, sejamos francos, você não tem responsabilidade nenhuma com o sentimento dos outros. E você já me imaginou como mãe? Que espécie de filho louco eu ia acabar criando? Que bom, cara, que bom que você foi embora antes de eu ser louca o suficiente de querer tudo com você.

    apaixonada :)

    ResponderExcluir
  15. meu deus vc é foda'
    fodona!

    ResponderExcluir
  16. Eu achei tudo muito incrível, se eu namorasse alguém que escrevesse na minha parede ou que fosse meio escritor eu piraria rsrs
    http://ladydarkangel13.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Karina, adorei o post!
    Parabéns!
    Deixo um covite para você visitar meu cantinho e conferir meus textos de aprendiz de escritora.
    Tudo de bom!

    http://linnebaptista.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  18. O coração partido passa, mas eu nunca vou te perdoar por essa porra de parede laranja no meu quarto.
    Foi isso o que mais doeu.


    Hahaha o Laranja na parede do quarto é imperdoável... :*
    Karine seus textos são demais.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …