4 de maio de 2014

Me deixa deixar de te amar em paz

Eu me lembro bem da época em que eu era a única solteira do meu grupo de amigas e escutava todas contarem as desventuras de seus relacionamentos amorosos. Quando alguma delas terminava o namoro, as nossas reuniões se transformavam em sessões de terapia durante semanas. Eu só observava, nem se quisesse conseguiria dar algum conselho porque minha experiência com esse tipo de assunto era praticamente nula. Entre um gole e outro na minha cerveja preferida, eu tentava disfarçar que lá no fundo pensava que tudo aquilo era muito mais drama do que tristeza. Afinal, como era possível que alguém passasse meses sofrendo por uma mesma pessoa? Parecia algo tão improvável de acontecer...

Apesar de não ser muito boa em guardar detalhes, gravei na minha mente aquela sexta-feira, há dois anos, quando te conheci. Na primeira noite, nós já estávamos na mesma cama e dois meses depois, na mesma casa. Primeiro ficou um casaco para o caso de surgir algum imprevisto, depois uma escova de cabelo, um par de chinelos, algumas camisetas extras. Você deixava um pedacinho de você comigo, eu largava uma parte enorme de mim com você, e assim nós fomos ficando cada vez mais juntos. Na verdade, acho que eu sempre fiquei mais junto de você do que você de mim. Parece até que a vida se encarregou de nos casar, colocou as alianças em nossos dedos e nós nem nos demos conta disso. Todos nos chamavam de loucos, diziam que estávamos nos precipitando, mas eu preferia enxergar tudo de um jeito mais poético. Era bom ficar imaginando que nós tínhamos nascido um para o outro e que não oficializar a nossa situação era perda de tempo, afinal, nós passaríamos o resto da vida juntos.

Sabe, eu não acho que a culpa desse meu envolvimento exagerado seja sua, por isso nunca te ataquei, nunca quis me vigar e nem guardei rancor. Eu sei que a culpa foi só minha, daquela minha adolescência reclusa que não me deixou aprender que amores vêm e vão, e que da mesma forma que chegam, as pessoas também vão embora. Ninguém me avisou que amar é uma das relações mais desiguais que existe, que dificilmente o outro se entrega da mesma maneira que você e que ele não espera você se desapegar para ir embora. Ele só vai, quando dá vontade, simples assim, como quem se cansa de um livro na metade ou desiste de um filme nos primeiros minutos.

Mas se você quer mesmo, vai de uma vez, nunca te prendi quando nós estávamos juntos e não vai ser agora que nós nos separamos que eu vou começar a fazer o tipo controladora. Sei que às vezes não consigo demonstrar, mas o que eu mais quero nesse mundo é te ver feliz. Caramba, tenta entender que eu ainda tô apaixonada, e que é difícil aceitar que essa sua felicidade não pode existir aqui do meu lado. Queria muito ser como você, me desapegar de um amor em menos de três meses e depois ter força suficiente para bancar a civilizada e manter a pose de “ainda somos bons amigos”, mas desculpa, não consigo. Eu não sou assim. Não consigo ver você me apresentar sua nova namorada e agir como se não me importasse, como se algo não estivesse sendo roubado de mim.


Eu só não quero que você fique de passagem aqui na minha vida, indo e voltando quando dá vontade, e ganhando meus beijos e os meus carinhos quando te dá saudade. Talvez seja difícil pra você compreender o que eu estou dizendo, mas é que ter você pela metade não é suficiente pra mim, e te juro que não é egoísmo, eu só não quero você aqui do meu lado agindo como se esse pouco que você me dá fosse suficiente para que eu fique bem. Só quero que você me deixe deixar te amar, e não precisa ser assim de mansinho como você está tentando fazer, pode ser de uma vez só, de uma hora para outra, do mesmo jeito que você fez quando decidiu ir embora.


SOBRE A AUTORAVANESSA CORREIA tem vinte anos, cursa engenharia civil, mas ama escrever. Uma eterna apaixonada por livros, princesas, novelas mexicanas e sorvete de chocolate. Acima de tudo, uma garota que sonha. 
Ela é leitora do blog e eu resolvi convidar para postar um texto aqui depois de dar uma olhada lá no Diário de uma Garota que Sonha. Para saber um pouco mais da Van, você pode encontrá-la no  Twitter  ou no Facebook




É leitor(a) do blog, escreve e quer ter um texto publicado aqui também? Participe das blogagens coletivas, que é quando eu mais fico de olho nos blogs de vocês. Como não dá tempo de ficar olhando sempre o blog de todo mundo que me pede, aproveitem quando eu peço sugestão. 


Comentários
8 Comentários

8 comentários:

  1. Genty. Adorei. Massa essa ideia de publicar textos de autoras novas, amei. Muito bom e parabéns Karine, o blog tah cada vez melhor. Arrasou...e a a

    ResponderExcluir
  2. Olha, você é quase minha xará
    me chamo Karina
    Muito interessante esse texto, me fez refletir e muito. Para que guardar rancor não é?
    Se nós mesmos somos os "culpados" por nossas escolhas e expectativas em relação ao outro.
    Demorei muito tempo para entender isso.
    Gostei desse seu cantinho
    http://karinapinheiro.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olha, você é quase minha xará
    me chamo Karina
    Muito interessante esse texto, me fez refletir e muito. Para que guardar rancor não é?
    Se nós mesmos somos os "culpados" por nossas escolhas e expectativas em relação ao outro.
    Demorei muito tempo para entender isso.
    Gostei desse seu cantinho
    http://karinapinheiro.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Adorei seu blog... se der da uma passadinha no meu, to começando ainda! ^^ http://aosvintequatro.blogspot.com.br/ obrigada!

    ResponderExcluir
  5. Sempre quando venho aqui, começo a relembrar dos meus antigos amores, sentir falta dos meus atuais e querer saber quem serão os meus futuros. É uma mistura de sensações que realmente não dá para explicar. Parece que você tem uma varinha de condão e transforma meus pensamentos a cada texto lido. Quero ser como você quando eu crescer. Haha

    http://raquelcunha151.blogspot.com.br/search/label/Textos

    ResponderExcluir
  6. Sempre adorava ler seus textos no blog da Bruna, você escreve muuuito bem! haha' Se puder, visite -> http://soumaprosa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Anônimo23/6/14

    Maravilhoso o texto, querida.

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  8. Revivi situações com seu texto,chegando a me emocionar!!!realmente é uma das relações mais desiguais q existe!!!vê que em poucos meses tudo mudou,e aquele amor todo q o outro dizia sentir acabou!!!

    Amei o texto

    Parabéns 👏👏

    ResponderExcluir

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)