Pular para o conteúdo principal

BLOGAGEM COLETIVA: No meu mundo, mulher sempre gostou de futebol

Durante 8 anos, fui filha única. Filha única de um pai completamente apaixonado por futebol e torcedor doente do São Paulo, simpatizante do Bahia e apaixonado pelas histórias do Ronaldo e do Zico FC. Não é de se estranhar que eu tenha crescido acompanhando os jogos ao lado do meu pai, gritando, vibrando, sofrendo, chorando em derrotas, e sabendo exatamente o que  é um impedimento e de que palavrões é possível chamar um juiz. E isso nunca soou, para mim, como algo "estranho". Eu nunca me considerei uma "menina diferente" porque "entendia" de futebol.

Muitas das minhas melhores amigas são apaixonadas por futebol. Por sorte, a maioria, como eu, são-paulinas fanáticas (há algumas corinthianas e santistas pelo caminho, fazer o quê). Por isso, muitas aulas, intervalos, rolês e saídas acabam entrando em discussões futebolísticas. Falamos sobre os jogadores novos que o time contratou, sobre o técnico que queríamos que fosse demitido, sobre aquele jogo "roubado" ou sobre o sonhado título da Libertadores do "ano que vem". Algumas vezes, discutimos também com os amigos fanáticos, e batemos de frente, sem medo de algum possível deboche por "mulher não entender de futebol". 

No meu mundo, mulher sempre entendeu de futebol. Não necessariamente minha mãe, por questão de gosto. Mas minhas tias, minhas amigas, amigas da minha mãe, minhas primas e outras conhecidas quaisquer. Todas devidamente torcedoras - como dezenas de torcedores homens que também conheço. Todos farinha do mesmo saco - apaixonados por futebol. 

Meu pai me ensinou a assistir a futebol e minha mãe me ensinou a brincar de Barbie. Então eu era isso: uma criança apaixonada por futebol e Barbie. Uma garota que entendia de São Paulo e bonecas. Uma menina que sentava no sofá para ver uma partida do Rogério Ceni enquanto penteava o cabelo da minha boneca preferida. Mas diferente? Eu?

Nem toda mulher precisa gostar de maquiagem e nem todo homem precisa gostar de futebol. Tudo bem gostar de outras coisas, cara. Alguns dos meninos por quem já fui apaixonada gostavam de escrever. Outros de cantar. Outro - juro! - gostava de moda. E daí? Qual o problema nisso?

No meu mundo, mulher sempre gostou de futebol. Gostou de tudo o que bem entendesse. Frequentou os mesmos lugares que os homens, batalhou pelas mesmas coisas, bateu de frente com essa ideia sexista que dá pra dividir o mundo em "coisas de menino" e "coisas de menina". O mundo é só o mundo e eu, eu gosto do que eu quiser, cara pálida.

Entendeu?


BLOGAGEM COLETIVA - Inspirada no clima de Copa, a blogagem deste mês tem um tema central: futebol. Quer escrever sobre o assunto também? Posta no seu blog, deixa o link aqui nos comentários até dia 20/06 e eu vou escolher um para ser postado por aqui. E os outros estarão devidamente listados também. Legal, né? Então corre pra me mandar a sua versão do tema. 



....Quem não sonhou em ser um jogador de futebol?



Comentários

  1. http://nomeiodaslinhas.blogspot.com.br/2014/06/dentro-das-quatro-linhas.html

    ResponderExcluir
  2. http://nandscampos.blogspot.com.br/2014/06/nem-lesbica-nem-puta-apaixonada-por.html

    ResponderExcluir
  3. http://www.recantodasletras.com.br/poesias/4852003

    ResponderExcluir
  4. Adorei o texto Karine! No meu mundo mulher sempre gostou de futebol, empinar pipa e brincar com os primos. Principalmente pela diferença de idade entre as primas, que já estavam na fase de olhar os meninos com outros olhos enquanto eu só queria brincar.
    Você escreve muito bem.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. http://prefaciosefinais.blogspot.com.br/2014/06/apito-final.html

    ResponderExcluir
  6. Como sempre atrasada! Mas vale a intenção Ka <3
    http://www.abracandoelefantes.com/fim-de-jogo/

    ResponderExcluir
  7. Acho que não está mais valendo, mas de qualquer forma está aqui: http://serenataacapella.blogspot.com.br/2014/06/retranca.html haha ;)

    ResponderExcluir
  8. Que texto legal! É bem minha cara. Sempre assisti futebol e sempre quis jogar (mas sei que sou um fiasco). hahaha.
    Sou apaixonada pelos seus textos.
    Escrevi o meu também: http://conversasemilkshakes.blogspot.com/2014/06/ah-o-futebol.html

    Beijão! (sou sua fã)

    Érica

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …