Pular para o conteúdo principal

Where were you

Cheguei em casa. Puta que pariu, vou ser bem sincera, essa é a pior parte. No trabalho, tem as metas que me distraem. Tem o chefe, tem aquela amiga que quer me contar do final de semana, tem a galerinha da copa, tem o café, tem a lanchonete no térreo que tem um pão de queijo sensacional, tem meia dúzia de problemas que, caceta, tenho que resolver ou já posso começar a descolar os adesivos que grudei no computador.  Em casa não tem nada disso. Só tem você.

Tem você na minha cama porque foi você quem saiu pelas lojas daquele shopping de móveis lá da zona norte pra achar um colchão que não fosse ferrar com a minha coluna. Tem você na coleção de discos que cê resolveu me dar junto com a vitrola marrom que conquista todo mundo que visita minha (puta que la mierda, isso soa horrível) casa. Tem você nos cantos rachados dos pratos que minha mãe me deu quando resolvi morar sozinha e ainda não tive dinheiro pra substituir por outros. Tem você nas correspondências porque ainda tem os boletos da nossa viagem pra Buenos Aires – a última vez em que a gente foi feliz. Ou, sei lá, a última vez em que eu achei que a gente era.

Dica para o resto da vida: nunca dividir uma viagem em vezes o suficiente pra dar tempo do cara ir embora. Que daí cê só fica com a parte ruim da viagem. Que nem eu fiquei com a parte ruim de você.

É uma verdadeira bosta ainda ouvir falar de você. Mas vocês se amavam tanto. Mas ele parecia louco por você. Mas eu achei que vocês fossem casar. Mas vocês faziam um casal tão bonito. Que porra, né? Eu também achei tudo isso, só que ele não. Eu também sonhei com o conto de fadas. Eu também achei que, sei lá, eu fiquei aqui, na doença, na pobreza, nas ligações de cobrança, no dia do desemprego, no dia que o seguro-desemprego acabou, nas bebedeiras em que ele quebrava a casa inteira, nas ressacas em que ele pedia desculpas, então, não sei, achei que ele ficaria também.

E ele não ficou.
E cê arrumou as coisas, cansou e foi procurar outra novinha pra te dar tudo, pra sugar tudo, pra chupar até a última gota de sangue antes de sair pela porta e dizer: eu não tô a fim de lidar com os seus problemas. 

Mas ah, eu cheguei em casa. E tem uma faxina enorme que preciso fazer até te arrancar inteiro das paredes. Porque, porra, cê não tem ideia do mal que cê me fez. Mas espero, de verdade, que eu consiga ver, qualquer hora, algum bem nessa merda toda também.



Oh baby why did you run away?

I was there for you
In your darkest times
I was there for you
In your darkest nights

But I wonder where were you
When I was at my worst
(Maps - Maroon 5)

Comentários

  1. Parece até que você está conversando com o leitor, de tão direito que ficou. Lindo!

    ResponderExcluir
  2. Como é que faz pra tirar ele das paredes, do quarto, da casa inteirinha, quando ele já se foi? Amo teus textos Kah ;3

    ResponderExcluir
  3. Caraca, que real. Quase me ofereci para ajudar na faxina, sabe? Tão real, tão intenso. Parabéns, como sempre.

    Beijo, Érica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ahahahahahhaha Ajuda é sempre aceita hahahahahaha
      Obrigada, Érica <3

      Beijos

      Excluir
  4. Lindo texto. Parece ser tão real, tão verdadeiro. As vezes eu fico pensando se realmente o que você escreve é de fato verídico, ou são só histórias, ahh.. as estórias que todo jornalista ama contar. Tenho que confessar que tenho essa pulga atrás da orelha ao ler seus textos. Sou leitora do seu blog já faz um tempinho, desde que eu criei o meu, sempre olho suas postagens, já até ''rebloguei'' algumas suas e do Uma Dose de Café, pois são os meus preferidos. Continue assim, Kah! Amo o seu ''trabalho''! beijão. E se qualquer coisa, quiser ver o meu blog, aqui segue o link. http://quase24horas.blogspot.com.br/ Abraço linda!

    ResponderExcluir
  5. Que texto lindo! Visito o blog Depois dos Quinze há alguns meses, e o que mais gosto são os seus textos, sempre tão profundos! Eu me identifico facilmente com as suas palavras!
    Estou te seguindo, tá? Beijão :*

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …