Pular para o conteúdo principal

Não se pede desculpa pelo amor


Não se pede desculpa pelo amor. Pede-se desculpa pelos gritos, pelas brigas, pelos desentendimentos, os ciúmes excessivos, as pisadas na bola, a falta de respostas, pelos silêncios, pelas bebedeiras em que falamos verdades demais, pelas traições. Pelo amor não. Não há desculpa por amar. E é por isso que eu não me desculpo com você. 

Não se pede desculpa pelo amor. Não se pede desculpa pelo cuidado, pela insistência em acreditar em alguém que sequer acreditava em si próprio, por continuar ligando ainda que só tenha escutado a caixa postal. Não se pede desculpa por ter tentado até o último segundo, até a última gota de esperança, por ter amado até meu próprio peito questionar se valia a pena amar. O amor não deveria ser algo pelo qual eu acabaria me envergonhando.

Não se pede desculpa por ter achado que a distância não era nada, que o tempo aguentava, que você era capaz de prezar pelo o que a gente tinha ainda que tivesse que esperar. Não se pede desculpa pelo outro, pelas fraquezas alheias, pelo desinteresse daquele por quem dedicamos tanta importância. 

Não se pede desculpa pelos textos de amor, pelas frases bregas, pelos clichês baratos, por vinte documentos do Word destinados a você. Pede-se desculpa - aos outros - pela repetição, por só ter um assunto e repetir em cada parágrafo a mesma palavra: você. 

Não se pede desculpa pelo começo. Pelas nossas risadas. Pelo carinho que tinha. Pelas viagens, pelas danças, os abraços, os beijos, as noites em que o que a gente menos queria era dormir. Não se pede desculpa por tentado aumentar o tempo em que a gente era feliz.

Mas se pede desculpa pelo coração quebrado, por ter prometido e não aguentado, por não ter coragem de dizer que não dava mais. Pede-se desculpa por preferir fugir a enfrentar o olhar de decepção daquela que um dia você disse que tanto amou. Pede-se desculpa por toda a dor.

E eu não te peço desculpa.
Pois não se pede desculpa pelo amor. 

Comentários

  1. Ola amiga, passando para apreciar suas postagens, e desejar uma boa noite, com lindos sonhos e um amanhecer abençoado pra que seu dia seja feliz e se prolongue por toda semana.
    Fiz uma postagem sobre a participação , com poesias no Livro Bom Jardim do Poetas, eu e minha filha Adriana Duarte.
    Linque http://professoralourdesduarte.blogspot.com.br/2014/08/participacao-na-antologia-dos-poetas.html
    Obrigada por fazer parte do meu grupo de seguidores que já passam dos 860, sua participação é muito importante. Abraços, fica na paz de Deus.

    ResponderExcluir
  2. Acho incrível essa sua forma de escrever sobre o amor e a falta dele. Mais um texto genial da sua parte. Já vejo um futuro em que comprarei seus livros e deixarei ao lado dos meus favoritos! :)

    Beijos,
    www.thamaralaila.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai que linda você! <33333 Espero que isso aconteça um dia mesmo ahahhaha :D

      Beijos

      Excluir
  3. Lindo Karine. E eu concordo plenamente com você! O amor não é um erro em que se deve pedir desculpa. Adorei o texto, como todos os seus outros!!
    http://escrituras-da-alma.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Sâmela!
      Que bom que gostou :DDDD

      Excluir
  4. Karine, já estava pensando que você tinha abandonado o blog rsrs, entro todo dia pra vê suas postagens! Parabéns, mais um texto incrível!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahaha perdão pela demora em postar, mesmo. :D
      Obrigada!
      beijos

      Excluir
  5. não sei se ainda te lembras de mim! sou aquela leitora portuguesa que costumava comentar o teu blog! Pois bem, Karine tu surpreendes-me a cada texto que passa e mesmo eu não conseguindo comentar sempre eu adoro-os a todos e cada vez sou mais tua fã! estou como a Thamara, já me imagino mesmo a ir à vitrine dos meus livros favoritos e pegar num teu!

    um beijo grande!

    ilovecookieswithmilk.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paula, querida, claro que lembro e senti sua falta <3
      Muito obrigada pelos elogios e apoio de sempre. <3

      Beijo grande

      Excluir
  6. Amo tanto os seus textos, Karine!
    Conheci o seu blog através do Depois dos Quinze e virei realmente sua fã!
    Parabéns! Nunca nos deixe orfãs ta? rs

    Beijos,
    www.miragemreal.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode deixar hahaahha :D

      Obrigada!
      Beijos

      Excluir
  7. Cara to amando seus textos, você escreve muito bem. Parabéns *--* um dia quero chegar nesse nivel haha

    http://adjetivodavida.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …