Pular para o conteúdo principal

Sobre você ter ido e eu não

Eu podia falar que você não vai fazer a falta que eu acho que vai, mas seria mentira. Eu podia dizer que não doeu do jeito que você acha que doeu, mas isso não faria doer menos. Eu podia respirar fundo e continuar a vida como se você fosse só mais um amorzinho desses inhos que a gente tem enquanto fica procurando o tal do amor pra contar pros netos. Mas nada disso faria passar. Fingir que você não passou por aqui não vai apagar os rastros que você largou quando foi embora. Não vai.

Eu não tenho mais orgulho, não preciso manter as aparências, não me preocupo em sorrir pra todo mundo e dizer que, não, relaxa, vai ficar tudo bem, amanhã tô nova. Porra, pra que mentir que não dói quando tô aqui destruída olhando pra trás e ouvindo todas as músicas que a gente costumava ouvir junto? Eu tenho mesmo que ser essa modelete de vida perfeita que não sente, não chora, não grita, nem se joga na cama, bebe uma garrafa de vinho e reza pra passar?

Não, você não era tudo na minha vida. Ainda tenho a faculdade, o trabalho, o aluguel do mês que vem, o livro inacabado que todo mundo me cobra, as provas finais. Mas eu não posso tampar o buraco com uma cortina velha e fingir que não tá aqui. Eu não quero sorrir, entende? Eu não quero dizer que, ah, tô bem, quando não tô. Não quero mentir que não foi nada, que era só mais um caso qualquer, que eu não esperava um futuro com você, quando, na verdade, eu achei que cê era o tal do infeliz do cara certo. 

Eu ainda não acredito que eu tenho que ser feliz sem você. (Mas, relaxa, eu vou).

Eu vou tentar ser feliz sem você quando eu lembrar que tinha muita briga. Quando eu escutar seus surtos de ciúmes sem motivo algum. Quando eu fechar os olhos e pensar no tanto de paciência que gastei e desgastei com você, cara. No meio disso, vai vir um sorriso, um beijo, um abraço, um carinho e uma memória dessas que cê deixou gravado com caneta permanente aqui. E meu peito vai ficar partido ao meio porque uma parte minha vai querer muito ver do que eu me livrei, a outra ainda vai ficar martelando se não desistimos rápido demais.

E eu vou odiar quando eles disserem que, fica bem, ele não te merecia. Porque nunca foi sobre merecimento. Foi sobre você. Seu sorriso. Seu gosto musical. O que eu sentia quando te abraçava. O quanto eu ficava segura quando cê dizia que, porra, eu amo muito você. E não adianta o que eles falem, eu queria que você tivesse me merecido. 

E então vai ser um dia após o outro, uma lembrança boa seguida de uma ruim, uma saudade apertada e depois uma vontade de nunca mais te ver, sentir seu cheiro, ouvir falar sobre você. E então vai ser dia fácil e dia difícil. E eu vou me esquecer de você no horário comercial, nas reuniões, nas ligações com a minha mãe. Mas vou chegar em casa, deitar na nossa cama, abrir a garrafa do seu vinho preferido e nossa história vai voltar como um soco cruzado, direto na minha cara, quebrando todo o falso discurso que, não, relaxa, não vai fazer falta, não era nada.

Por isso, deixa pra amanhã essa história de passar.
Hoje eu quero só chorar pela história triste da vez ter sido sobre nós dois.
Follow my blog with Bloglovin

Comentários

  1. "E eu vou odiar quando eles disserem que, fica bem, ele não te merecia. Porque nunca foi sobre merecimento. Foi sobre você. Seu sorriso. Seu gosto musical. O que eu sentia quando te abraçava. (...) E não adianta o que eles falem, eu queria que você tivesse me merecido." Me identifiquei demais com esse texto. Nunca é questão de merecimento, mas o sentimento que nós vivemos quando a gente está junto de quem gostamos.

    Parabéns Karine, seus textos são ótimos.

    ResponderExcluir
  2. Amo seus textos, Karine. Parabéns mais uma vez! Lindo <3

    ResponderExcluir
  3. ''E então vai ser um dia após o outro, uma lembrança boa seguida de uma ruim, uma saudade apertada e depois uma vontade de nunca mais te ver, sentir seu cheiro, ouvir falar sobre você. ''
    Você sempre traduz em lindos textos tudo o que eu sinto ou já senti,Adoro!!
    http://trancadoasetechaves.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Parece que você adivinhou tudo que eu to sentindo, porque não é possível :o

    Essa semana terminei com meu namorado, e tava aqui pensando nele ter ido e eu não :(
    E agora tenho que aturar o blá, blá, blá do vai passar!

    "Por isso, deixa pra amanhã essa história de passar.
    Hoje eu quero só chorar pela história triste da vez ter sido sobre nós dois." perfeito *------------*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeeeeeeu, Erica!
      e força por aí <3

      Excluir
  5. Karine.. Me matou por dentro, poxa é tão difícil pras pessoas mostrarem quem não esta bem!? É crime por acaso? A pessoa tem que viver 24 horas sorrindo? To de saco cheio disso e dessa merda de regras que te forçam ser o que você não é. Pq no fim do dia, vou estar sozinha e pensando nele. Karine, você precisa fazer um livro.. Rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahahahaa vou trabalhar a ideia do livro <3
      Obrigada, Adriele <3

      Excluir
  6. Amo que vc sempre escreve com uma entrega tamanha! fica dificil lembrar que isso nao é um diario! kkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  7. Olá,
    Sou a Ana e escrevo de Portugal.
    Não venho ao teu blog todos os dias mas já o acompanho há muito tempo.
    Acho que os teus textos são bons e que escreves realmente bem, ainda para mais tendo em conta como a maior parte das pessoas escreve hoje... Mas os teus textos têm sempre o mesmo tema, falam sempre de desgostos amorosos e de questões várias à volta disso. Sai da tua zona de conforto, arrisca, fala de outros assuntos, vais ver que assim te vais sentir uma escritora muito mais completa e que vais cativar mais leitores com textos diferentes. Acho que és capaz e que devias tentar. Só um conselho de quem gosto de te ler mas que perdeu um pouco o entusiasmo de o fazer dadas as repetições de ideias nos teus textos. Boa sorte! Um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana, tudo bom?
      Você bateu numa tecla que eu mesma "me bato" às vezes. De vez em quando, evito sair da minha zona de conforto exatamente por ter receio não de não me sair bem (eu supero isso), mas das "leitoras" não comprarem a ideia. Quando, na verdade, eu devia, realmente, buscar ser uma melhor escritora, mais parecida com quem quero ser no futuro.
      Obrigada pelo conselho e prometo tentar

      Beijos

      Excluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …