Pular para o conteúdo principal

Continua Girando

Olha, eu não queria falar nada, mas ainda há vida lá fora. E ainda que também haja colo, sempre que precisar, é preciso de si próprio para sacudir a poeira de vez em quando. Ferida de amor dói, ô se dói, algumas marcam pra sempre, algumas nunca passam, algumas doem mais que qualquer outra dor, mas ó: ó a vida passando, entre uma lágrima e outra, entre a indecisão de ficar aqui, seguro, ao lado dos próprios cacos, e ir. Sabe? Ir. Sabe-se lá Deus para aonde.

Superar amor envelhecido, remoído e maltratado é sempre uma tarefa mais nossa do que do mundo. Porque as horas ainda passam, ainda há dias de sol e de chuva (talvez nem tanto em São Paulo, mas há), ainda há nuvens pretas, e frio, e calor, e a primavera chegando. O mundo tá ali, fazendo a parte dele, cumprindo a tabela, esperando só a hora de você levantar e decidir fazer alguma coisa da vida. O despertador toca toda manhã numa pergunta sem fim: e aí, é agora que você vai cansar de ser infeliz?

Na teoria, sempre fácil. Mas é que dor emocional é coisa só nossa. Não tem merthiolate que dê jeito. No máximo, a gente arranja essas pessoas-curativo, que sempre parecem ser a solução de todos os problemas. Nada-como-um-amor-novo-para-superar-o-antigo, costumam dizer. E a gente esquece que band-aid arrancado da pele na pressa faz lembrar a dor do corte. Atrasa o processo de cicatrização. E não sara. Não passa. Cadê a cura?

Se a gente soubesse a fórmula de não se magoar por amor, talvez a gente também já tivesse inventado a vacina. E viveríamos assim: sem caras quebradas, mas também sem grandes paixões. Porque amor, no fim das contas, é processo de entrega. E se entregar é correr sempre o risco de cair no caminho. Quebrar. Chegar atrasado ao destinatário. Pior: correr o risco de ser devolvido ou trocado sem nenhuma consideração. 

Ou então correr o risco de receber, também, algo de bom em troca. Talvez, sei lá, um presente como um coração - pronto pra tudo.

Tudo isso pra te falar que: a maioria de nós, mortais, passa por isso. E tem choro, e tem grito, e desespero, e vontade de nunca-nunca-nunca-nunca-mais. Mas ainda há vida lá fora. Outras histórias. Outros porres. Outros amores. E dezenas de amigos. E gente que sabe, talvez só um pouco, o quanto dói por aí. E se ainda doer também por aqui, não tem problema: a gente sofre junto. Porque, como ouvi uma vez (em um contexto completamente diferente): na desgraça, a gente se abraça. 

E o mundo continua girando. 




Obs: Ainda quero conhecer seu blog! Dê uma olhada neste post aqui e deixe seu comentário. 

Comentários

  1. Já disse que sou fã dos seus textos e estou sempre acompanhando...
    Texto maravilhoso!
    "E se entregar é correr sempre o risco de cair no caminho. Quebrar. Chegar atrasado ao destinatário. Pior: correr o risco de ser devolvido ou trocado sem nenhuma consideração..."
    http://sentimentalismodesmedido.blogspot.com.br/
    @amorcomverso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que cê gosta, Mart <3

      Valeu,

      Beijão

      Excluir
  2. Texto escrito pra mim, amei. E em cada palavra eu li um pouco da minha tentativa frustrada de superar um amor “envelhecido, remoído e maltratado”. Ótimo texto, Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Andrielle <3333
      Bjs

      Excluir
  3. Parabéns! Muito bom o texto. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigadaaaa, Rebeca <3
      Beijos

      Excluir
  4. Que texto lindo, tocou lá no fundinho do meu coração <3

    www.girlsmachine.com

    ResponderExcluir
  5. Meus sentimentos descritos em um lindo texto.

    ResponderExcluir
  6. Anônimo12/9/14

    Texto maravilhoso! Escrita gostosa de ler! Todo sucesso do mundo pra você. Ah, e espero ansiosamente em um dia ter um livro seu em mãos.

    ResponderExcluir
  7. Karine! Te conheci pelo Depois dos Quinze e diga-se de passagem me vi apaixonada muito mais pelos seus textos do que pelo restante das postagens do blog. Tô bem sua fã esses dias, fiquei receosa de você não ter outro lugar pra postar seus textos então fiquei bem feliz por achar seu blog. Arrisco dizer que você já se tornou uma das escritoras brasileiras que eu mais me identifico, uma das preferidas, sim <3
    Só queria te parabenizar pelo trabalho e dizer que quando você resolver publicar esses textos lindos em um livro, estarei acampando na fila do lançamento! ^~
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Que texto lindo. Às vezes eu fico pensando se o mundo que é egoísta de não parar para se compadecer do meu sofrimento ou se eu que sou boba de ficar aqui remoendo amor antigo enquanto ele continua girando, sem nem se lembrar de mim.

    "E a gente esquece que band-aid arrancado da pele na pressa faz lembrar a dor do corte. Atrasa o processo de cicatrização. E não sara. Não passa. Cadê a cura?" Amei esse trecho <3

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …