Pular para o conteúdo principal

Entre o Começo e o Fim

Quando alguém me pede para me lembrar de você, não me lembro do nosso primeiro beijo. Do primeiro encontro, o primeiro abraço, o primeiro eu-te-amo. Não me lembro dos últimos também. Não me lembro da primeira vez em que você visitou a casa dos meus pais, todo sem graça, sem saber direito como agir com aquele que, na época, durante nossa adolescência, tinha poder pra te mandar pra bem longe. Nem lembro de quando você bateu a porta e me deixou em meio a tantos questionamentos: "que raios eu tinha feito de errado pra você deixar de me amar, assim, do nada?" (sem saber que, na verdade, a gente deixa de amar aos pouquinhos).

A primeira coisa que me vem à cabeça quando alguém fala seu nome não é nosso começo conturbado, nem nossos fins reticentes. É o nosso meio. É ali que eu te encontro. Naquele durante em que eu já te conhecia o suficiente para te amar como louca, mas sabia pouco da vida e, por isso, não tinha deixado de te amar ainda. 

Eu me lembro dos sorrisos que você me dava tarde da noite, na escuridão do quarto, antes da gente cair no sono no meio de uma semana qualquer. Eu me lembro das conversas sem sentido que a gente tinha depois de ver um filme com alguma reflexão filosófica no fim. E do quanto a gente sempre gostou de ler livros ao mesmo tempo para, depois, poder discutir o que cada um achou sobre ele. 

Eu me lembro de você na rotina, no dia a dia, de segunda-a-sexta, quando a vida não era tão feliz e fácil como nos finais de semana. Porque eu sempre achei que tinha um pouco de vitória nos casais que conseguiam se amar na normalidade da semana, na ausência de grandes novidades, no amor sem grandes declarações. 

Foi no meio que você me disse que eu era um pouquinho a sua salvação. "É por sua causa que eu vou passar nessa vida acreditando no amor. Porque tem coisa mais triste do que viver todos os dias e não acreditar nisso?". E eu nunca te disse de volta que você tinha me salvado também. Amar você, ainda que por tempo determinado, foi saber que o amor existe. O louco, o desenfreado, e o calmo e tranquilo. O amor que queima e o amor que apaga. Você me mostrou os dois.

Eu não sei te odiar pelo fim porque eu sempre lembro do entre. Entre o "eu te amo" e o "me esquece". Entre o "pra sempre" e o "nunca mais". Entre o "casa comigo?" e o "vou providenciar os papéis do divórcio". Entre o "eu cuido de você" e o "se cuida". Entre o "o único amor da minha vida" e o "foi só meu primeiro amor". É pelo o que existiu entre os nossos extremos que eu te amei tanto. E é também por ele que, de alguma forma que eu não sei como explicar, eu continuo amando: a lembrança do quanto a gente foi feliz. 

Comentários

  1. Eu amo seu blog Karine.
    Você escreve muito! Um dia quero ser tão boa quanto você, Bruna Vieira, Isabela Freitas e Daniel.
    Assim como você também faço jornalismo e acredito que o amor é a solução de tudo!
    Quando puder, seja bem-vinda no meu blog: http://derepentedezessete.blogspot.com.br/
    Beijos de uma das suas fãs!
    PS: No blog da Bru vou logo procurando os seus textos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Colega jornalista <3

      Obrigada!
      E fico feliz que você goste dos meus textos ahahah :D

      Beijão

      Excluir
  2. Karineeee perfeito meu Deus :o

    ResponderExcluir
  3. "Amar você, ainda que por tempo determinado, foi saber que o amor existe. O louco, o desenfreado, e o calmo e tranquilo. O amor que queima e o amor que apaga. Você me mostrou os dois."

    Karine, parabéns, mais uma vez!! adoro seus textos, acompanho diariamente e fico super,hiper, mega feliz quando vejo algo novo.. Parabéns mesmo,você tem o dom das palavras!! continue assim pra felicidade das suas leitoras!! ;-)
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada!!!!
      Mesmo, mesmo <3

      Beijão

      Excluir
  4. Sério, verdade do fundo do meu coração, de todos os seus textos que já li, este é o melhor. Você escreveu de uma forma diferente dos outros. Nunca tinha lido algo parecido, com uma ideia parecida. ZERO A VIDA DOS TEXTOS, HAHAHA!

    Estou encantada com a sua escrita!

    Abraços, Thamara
    www.thamaralaila.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HAHAHAHA <3

      OBRIGADA!
      Fico feliz, <3

      Beijos

      Excluir
  5. Karine acabei de ver esse texto no tumblr mas estava como se fosse de outra pessoa :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foda isso, né?
      É o que às vezes dá vontade de parar...

      Excluir
  6. Triste é que não te dero crédito. Parabéns texto maravilhoso :)

    ResponderExcluir
  7. mds mds! Vc eh incrivel! Sinto muita falta de blogueiras q escrevam como vc! Continue sempre assim com esses seus textos maravilhosos q vc sabe q refletem a muuitas de nós! Acompanharei diariamente seu blog! Amei! Vc eh incrivel!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …