Pular para o conteúdo principal

Ontem conheci um rapaz

Ontem conheci um rapaz. Ele me olhava e eu ficava corada. Eu nunca mais tinha me sentido assim. Quando você foi embora, de alguma forma, uma parte de mim resolveu ir junto. Alguns podem até achar loucura, mas é verdade. Antes de você, eu gostava de rosa, domingos e dias de chuva. Vivia na praia, não reclamava do emprego chato e não me importava em não trabalhar. Tinha mais tempo para hidratar o cabelo, ler livros e escrever um.

Agora, nunca mais Taylor Swift na playlist. Nada de paixão por frituras e parei de escrever cartas (por falar nelas, joguei as suas fora). Você destruiu a minha vontade de acreditar no amor e eu não sei por que ainda acredito em você.

Eu disse que ia parar de falar de você, mas talvez eu tenha exagerado um pouco. Nem minha avó aguenta mais. Mas você também fez algumas promessas e não cumpriu. Ia ser diferente, lembra? No fim, você foi igual aos outros, não durou nem noventa dias.

Nós dávamos certo, mas você sempre foi o errado. E você sabe como eu odeio cometer erros. Talvez você se arrependa um dia como eu me arrependi. Quem sabe um dia você pegue o telefone e me procure só pra dizer que foi a maior besteira que já fez na vida. Talvez eu dissesse que você foi meu pior erro, mas eu cometeria de novo se pudesse.

Nem sei por que ainda dói tanto. Olha aquele rapaz tagarelando e eu apenas dando respostas curtas. Até quando vai ser assim? Não é justo eu ficar com o peso maior. Não é justo só eu ter o coração partido. Talvez eu deva começar a seguir em frente, não é? 

O rapaz continuou falando e, então, eu resolvi sorrir por alguns instantes para dar uma chance para a vida. E, em alguns milésimos de segundo, a imagem de nós dois, ou melhor, de você, sumiu. E esse foi o melhor instante do meu dia.


QUEM ESCREVEU: Aline Araújo tem 19 anos e é dona do De Repente Dezessete. Baiana, libriana e apaixonada por comédias românticas, praia e suco de laranja. É estudante de jornalismo, louca por cinema e fotografia. Tagarela e metida a escritora. Coleciona cartas e amores e seu maior sonho é poder realizar todos os sonhos e poder ter a família e amigos por perto. Ela é também leitora do Isso Não É Um Diário e topou escreveu alguns textos para o blog em uma participação especial ;) 

Comentários

  1. <3 Apaixonada, e essa história... ah... ainda vai dar mais histórias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda vai dar muitas!
      Obrigada, ♥

      Excluir
  2. Parabéns pelo texto maravilhoso e sua mania de encantar as pessoas com as palavras!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …