Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2015

Pra você pra quem eu digo adeus

Já estive do seu lado. Nunca é bom, não vou mentir. Tem esse gosto amargo na boca e esse murro no estômago que a gente sente e não passa tão cedo. Tem a dor e todos os questionamentos e a vontade de falar: vem cá, o que eu fiz de errado? E, às vezes, do seu lado, nunca houve nada errado. Não houve mesmo. É só que nem todo relacionamento dura pra sempre, nem todo amor é eterno e nem todos os planos podem ser realizados lado a lado. Provavelmente, ninguém te contou isso nos filmes românticos de Hollywood, mas às vezes as pessoas vão e não voltam. Como eu não vou voltar.
Eu podia dizer um tanto de coisa, mas despedidas são sempre despedidas. Você vai me odiar, eu entendo. Não tiro sua razão. Já fui quem odiava também. Já odiei quem prometeu e não cumpriu, quem disse que ia ficar e não ficou, quem deixou a bagunça pra que eu arrumasse. Já fui você. E já doeu em mim desse jeito que vai doer aí. Já xinguei, quebrei pratos, dei uma de louca, pedi que voltassem, pedi que não olhassem mais na m…

Era você?

Era você. Você sabia que era. Meus amigos, minha família, meu vizinho da porta da frente, meu chefe, sua mãe. Todo mundo olhava pra gente e jurava. Vocês vão ser felizes, eles diziam. Vocês foram feitos um pro outro, eles diziam. Vocês vão formar uma família linda, insistiam. Cê lembra? Eles juravam. Todos eles. Eu também. Eu jurava que era você.
Eu jurei que era você nas noites em que a gente não tava junto, mas em que eu depositava toda a confiança que tinha no nosso relacionamento. Eu jurei que era você quando eu arranjava tempo, sabe-se-lá-como, pra te fazer uma surpresa boba no meio do meu dia corrido e te ver com aquele sorrisão que eu tanto amava. Eu jurei que era você nos duzentos textos que eu escrevi sobre tudo o que a gente tinha. Ou sobre tudo aquilo que eu achava que a gente vivia. 
Eu jurei que era você pros meus amigos e pros outros caras que se aproximaram.  Eu jurei até pra mim que era você. Porque eu jurava - jurava, amor - que a história ia ser sobre nós dois.
E eu achei…