Pular para o conteúdo principal

De Sydney, Com Amor

(ou Um Mês do Outro Lado do Mundo)

Eu não sabia o que me esperava quando decidi arrumar minhas coisas e mudar completamente de vida. A gente recebe mil avisos e conselhos quando faz algo do tipo, cria expectativas, jura de pé junto que tá preparado para qualquer coisa - até que esse momento chega. Eu acho que a gente nunca está preparado de verdade para uma mudança brusca de vida, até porque não tem receita pra seguir e a gente nunca sabe, de verdade, como vai reagir em determinadas situações. Às vezes, o que achamos que seria o mais difícil se mostra algo bem fácil de lidar. E o que a gente nunca imaginou que ia ser tão complicado se torna nosso calcanhar de Aquiles. 

Crescer de uma hora pra outra, saindo assim da nossa zona de conforto, não é das tarefas mais simples. Mas também não é impossível nem o bicho de sete cabeças que, às vezes, a gente pensa que é.


Acontece. A gente se vira. A gente se vira do avesso, se vira nos 30, vira mais paciente, mais forte, mais maduro, mais simpático, mais aberto ao mundo e às novas experiências. A gente se vira, às vezes tanto que acaba conhecendo uma parte da gente que antes estava escondida aos nossos olhos. E acho que essa é a maior graça da coisa toda: se virar tanto pra todos os lados a ponto de se conhecer um pouco melhor.


      Então, se eu puder dar só um conselho, vai aquele clichê mesmo:
Se der medo, vai com medo mesmo. 
Vale a pena.


(E, aqui do outro lado do mundo, tem um bocado de coisa bem linda).






Comentários

  1. Ai que coisa maravilho esse canguru *-*
    Belo texto Karine, nunca pare de escrever. :D

    http://olhardamadrugada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu me apaixonei nesses cangurus! Fofos né? Morri hahahahahaha
      E obrigada!

      Excluir
  2. Meeeeeeuuu! Nao creio que acompanho o teu blog, o teu jeito de escrever, teus devaneios. Aiiii de repente, voce vem pra ca onde eu to morando! Nem pra gente tomar um cafe poxa HAHAHAHAHAHAA (Daquelas que se fez intima ne?). Eu usei muito o teu conselho cliche antes de vir. Ate porque nunca senti taaaanto medo assim. Mas vim, e ta tudo lindo. Parabens pelo texto. Beijinhos

    www.verdadeescrita.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mentiiiiira??? Gente, to em choque! Eu super topo um café, me avisa quando que a gente marca! Beijão

      Excluir
  3. Ká! Que saudade de você. Ler o seu blog me conforta porque fico sabendo que está bem, ainda mais porque vai brilhar com todos os desafios por aí. Continue linda. Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahahahahaha AMEI o link! Que saudade! To com saudade da rotina de trabalhar, acredita? Hahahahahaha mas tô ótima e espero que as coisas só melhorem: por aqui e por aí! Beijos

      Excluir
  4. Karine, adoro seus textos! Você escreve bem demais!

    Há 4 anos me mudei pra 800km de distância de casa, família e qualquer outra referência que eu tive até então. Ainda hoje me sinto por vezes fora da minha zona de conforto, mas aprendi assim como você que justamente nesse lugar de desconforto que encontramos amadurecimento e o auto-conhecimento.

    Aproveite muito sua experiência! Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mayara!
      Acho que é importante pra gente crescer, quebrar a cara, repensar etc. To curtindo por enquanto, pelo menos! ;)

      Obrigada!

      Beijos

      Excluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …