Pular para o conteúdo principal

Querido amigo, quanto tempo!

Foi meu aniversário outro dia. Você não ligou – mas tudo bem, sem acusações, provavelmente eu tenha me esquecido do seu aniversário também. É isso o que acontece quando a gente se afasta: a gente esquece. A gente não se lembra de ligar no dia do aniversário pra desejar aquelas coisas de sempre. Nem sequer de colocar alguma mensagem clichê no Facebook. A gente se esquece de incluir aquela pessoa que um dia foi tão importante em poucos segundos do nosso dia, porque a vida nos consome demais, as novas pessoas nos exigem demais e porque, simplesmente, não dá pra segurar todo mundo que passa pela gente na nossa vida. É um fato: não dá.

Mas eu não queria ter esquecido. Acho que você, aí no fundo, também não.

Eu não queria ter esquecido que a gente entrou no nosso primeiro dia de aula no jardim de infância lado a lado, mãos dadas, como se disséssemos um pro outro: relaxa, eu tô aqui. E eu não queria ter esquecido que a gente esteve ali por muito tempo. Que eu ia quase todos os dias na sua casa e que seus pais foram um pouco os meus pais também na adolescência. Que foi você quem cuidou de mim no meu primeiro porre, quem enxugou minhas lágrimas na minha primeira decepção amorosa e que odiou meu primeiro ex-namorado de graça, apenas por que ele quebrou meu coração. Eu deveria ter lembrado de tudo isto.

Eu não queria ter esquecido que a gente sofreu junto para escolher qual a faculdade ia fazer. Fomos nas mesmas palestras, lemos os mesmos livros, estudamos juntos, sofremos com os mesmos vestibulares e choramos juntos por não conseguirmos passar nas universidades que queríamos. As nossas cicatrizes, naquele tempo, foram feitas juntas, e dessas marcas você deve lembrar de vez em quando, porque eu, pelo menos, lembro.

Mas eu queria ter lembrado de mais. Que frequentamos os mesmos lugares, dançamos as mesmas músicas, nos aventuramos nas mesmas viagens. De tudo isto você lembra? E que a gente assistia aos mesmos jogos, sortudos de torcer para o mesmo time, e xingamos juízes, choramos com títulos e nos decepcionamos com goleadas? Você foi meu parceiro nas vitórias, nas derrotas, em rolês certos e errados, naquela viagem em família que eu não queria ter ido e no dia em que combinei de dar meu primeiro beijo no cinema do shopping perto de casa.

E, apesar de tudo isto, naquele outro dia você não se lembrou do meu aniversário. E eu devo ter me esquecido do seu – não consigo sequer dizer se ele já passou ou não.

Uma parte de mim me diz que crescer significa isto: aprender a perder pessoas que um dia foram muito importantes na nossa vida. Mas a outra, a outra que ainda não entende por que a gente tem que abrir mão de algo ao fazer uma escolha, acha que a gente só perde pessoas por sermos passivos demais quando alguém vai se afastando. Que as pessoas vão embora da nossa vida pelo simples fato de que: a gente deixa. Por isto, eu não sei dizer se quem foi indo primeiro fui eu ou foi você, amigo, mas hoje eu queria pedir desculpas por ter deixado – aquela nossa amizade no passado.

E tudo bem, eu sei que, de alguma forma, você me deseja tudo de lindo no meu aniversário. Desejo tudo isto no seu também.

Comentários

  1. Aí, apesar de dar um apertinho no coração por todas as pessoas que já saíram de alguma forma da nossa vida mas aff que texto maravilhoso.

    ResponderExcluir
  2. Karine, você é bizarra com as palavras!
    Tem tanta verdade!! Amo demais ♥

    Beijos,
    www.miragemreal.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sua fofa! ahahah <#
      Muito obrigada!

      Excluir
  3. Isso e uma coisa triste e inevitável da vida,perder os amigos pelo
    caminho,mas o que sempre me conforta é as lembranças boas que ficam!
    Texto lindo como sempre,bjs
    http://trancadoasetechaves.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Bem doído esse texto heim?
    Quanta falta as pessoas continuam fazendo mesmo quando vão embora, nos esquecem... etc.

    ResponderExcluir
  5. Meu Deus, chorei com criança lendo isso.. Que falta certas pessoas fazem na nossa vida :'/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …