Pular para o conteúdo principal

"Eu cresci quando você não estava olhando"


Esses dias, uma amiga me falou que, me vendo assim de longe, do outro lado do mundo, ela tinha a impressão de que eu tinha crescido - e que ela tinha perdido uma parte desse processo. Aquilo ficou martelando um tempo na minha cabeça, porque essa é exatamente a sensação que eu tenho quando penso nos meus meses de Austrália. 

Eu cresci quando me vi sozinha, sem amigos, sem família, sem colo, sem abrigo, sem lugar seguro - no meio de um mundo de gente, um monte de novas culturas, um monte de medos novinhos. Eu cresci quando tive que me virar em outra língua, quando tive que lidar com pessoas totalmente diferentes de mim, quando precisei pensar em como iria pagar minhas contas, quando visitei três mercados no mesmo dia pra achar o que eu queria com os melhores preços.

Eu cresci quando tive ataques de pânico no meio do dia e não ia ter ninguém acordado pra me escutar, então eu só respirei fundo até passar. Eu cresci quando descobri maneiras de ser feliz mesmo longe de todo mundo sem me sentir culpada por isso. Eu cresci quando fiz novos amigos. Eu cresci quando trabalhei de garçonete, bartender, atendente, cleaner. Eu cresci quando enfrentei coisas que odiava porque nem sempre um intercâmbio é feito de lugares bonitos, festas e gente divertida. 

Eu cresci quando descobri que a minha família e os meus amigos estariam sempre ali pra mim, mas eles não viam as crises de choro após um dia de trabalho horrível. Eles não acordaram cedo comigo pra lavar roupa, lavar louça, lavar banheiro e fazer comida. Eu cresci quando me toquei que quem a gente ama continua ali, e vai continuar sempre, pra nos dar apoio sem vacilar, mas algumas coisas a gente tem que enfrentar sozinho. Eu cresci quando entendi que, às vezes, é só a gente e Deus. 

É verdade, eu cresci. E, como disse minha amiga e esse livro que eu estava lendo e tem essa frase do título: quando não estavam olhando. E o que eu espero é que quando eu voltar, olhem. E que continuem amando o que vão ver. Porque eu cresci. 

*O título do texto é uma frase do livro "True" (Erin McCarthy)

Comentários

  1. Apesar da minha experiencia se rum pouco diferente da sua eu te entendo, minhas amigas disseram a mesma coisa sobre mim quando voltei para passar as ferias da faculdade na minha cidade natal, disseram que eu estou mais adulta,diferente. E eu concordo, viver novas experiencias principalmente aquelas que desafiam nossos medos a toda hora nos faz crescer.

    http://garotadosuburbio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, novas experiências mudam a gente…esperamos que pra melhor, né? Ahaha

      Excluir
  2. Caramba, que texto incrível. Normalmente é assim que as coisas funcionam, a vida é assim... as vezes é necessário passarmos por certas coisas sozinhos para que possamos aprender e dar valor em cada conquista. Só vamos amadurecer quando passarmos por diversas dificuldades, isso faz parte do nosso processo de aprendizagem. Todo mundo sempre imagina que o intercâmbio vai ser as mil maravilhas, mas como você citou no texto nem sempre é assim. De qualquer forma, sempre que sentir que as coisas estão ficando difíceis lembre-se de todos os motivos que te fizeram ficar aí e que aqueles que ama você estarão ao seu lado (de certa forma) independentemente da situação para te apoiar, mas não para viver as coisas por você. Muito sucesso e que você possa continuar crescendo ainda mais :* Beijos ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Lavínia! <3 Pelo elogio e pelas palavras de apoio! Beijão

      Excluir
  3. Maravilhoso como sempre.

    http://olhardamadrugada.blogspot.com.br/2016/01/so-pra-voce-saber.html

    ResponderExcluir
  4. "Eu cresci quando entendi que, às vezes, é só a gente e Deus." Na vida é bem assim que acontece.
    Quando eu olho para mim hoje em dia, vejo uma garota mais madura e mais preparada para o que a vida de adulta requer. Tenho 17 anos, mas sei que pra conseguir conquistar algumas coisas vou ter que lutar muito, e isso não me desanima, pelo contrário, me dá um sentido na vida.

    www.verifiqueapagina.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, a gente tem que correr atras do que quer, neh? <3 E vai crescendo cada dia mais qnd faz isso!

      Beijao

      Excluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …