Pular para o conteúdo principal

Pensei em te ligar


Pensei em te ligar cerca de quinze vezes na última semana. Ensaiei dizer pra sua mãe que você tinha esquecido uma bermuda aqui, caso ela atendesse. Diria pro seu pai que apenas queria saber se você estava bem, e ele ficaria contente com isso. Pra sua irmã, eu não precisaria falar nada – ela entenderia tudo. Ela sempre entendeu. Mas pra você...pra você eu não saberia o que falar.

Acho que não tem muito o que dizer depois que tudo já foi dito. Você também não é alguém que queira ouvir. Achei que fosse, lá atrás, mas também achei tanta coisa. Achei que você respeitava meus traumas e não colocaria os dedos nas minhas feridas apenas pra me magoar quando o fim chegasse. Achei que eu podia contar com você quando doesse, sem me dar conta que você podia se tornar quem mais faria doer. Achei que encostar a cabeça no seu peito num fim de tarde qualquer me faria ter pra sempre a sensação de que eu teria um lugar pra voltar. Achei que você ia ficar.

E, entre todas as coisas que achei, a que mais doeu foi achar que você era alguém que me amava.

Devia dizer isso, então, caso você atendesse ao telefone? Que minha maior decepção era ter achado que você sabia amar? Ou que é arrasador entregar o coração pra alguém que a gente mal conhece? Porque eu não te conhecia, não é? Depois de todo o tempo que a gente ficou junto, depois de tudo o que dividiu, depois de todos os planos, eu olho pra você e não vejo nada. Não tem mais nada de tudo aquilo que eu amava aí. Que eu amava em ti.

O que você iria responder se eu ligasse e gritasse que devia ter sido você? Que eu planejei que fosse, que eu esperei que fosse, que eu acreditei, do fundo do meu peito, que fosse e que ia ser até a gente ficar bem velho? Acho que você não ia responder nada. Você deixou bem claro que não tem mais nada a falar.

Pensei em te ligar uma vez hoje pela manhã. Com um discurso feito, pela primeira vez em todo esse tempo. Queria dizer que tudo bem. Que você me ensinou alguma coisa, mesmo com todas as feridas. Que você me fez feliz, meu Deus, você fez, mesmo que depois tenha me deixado tão acabada, mais acabada do que eu achei que pudesse ficar por alguém. E que obrigada. Obrigada por ter me mostrado quem era a tempo de eu poder pular fora, de eu poder procurar outra pessoa pra amar, de eu poder juntar meus cacos e seguir em frente.

Pensei em te ligar pra falar que eu te superei.
Eu não te liguei, mas se um dia você ler isso, espero que você saiba.
Eu te amei.

E, apesar de tudo, eu não vou odiar você. 

Comentários

  1. Me vi nesse texto! Principalmente na última frase, que apesar de tudo a gente nunca odeia. A justificativa pra isso está na felicidade que nos proporcionou. Não odiar quer dizer que somos muito gratas.
    Não me canso de dizer que você arrasa nos seus textos, Karine!
    Não pare nunca de escrever, você vai longe assim!

    osvintes.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Elaine! <3

      Beijao

      Excluir
  2. Que texto! Me identifiquei muito com esse trecho: "Achei que você respeitava meus traumas e não colocaria os dedos nas minhas feridas apenas pra me magoar quando o fim chegasse. Achei que eu podia contar com você quando doesse, sem me dar conta que você podia se tornar quem mais faria doer." Ele representa algo que eu passei recentemente, ter entregado meu coração para alguém que eu achei que podia confiar. E não foi bem assim.

    Parabéns pelo texto! :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A gente passa por isso, ne? Mas a gente segue em frente!
      Obrigada, Agnes!

      Beijos

      Excluir
  3. Texto lindo! Também já pensei em ligar várias vezes mas não fiz isso porque não sabia o que dizer...
    Amo seus textos, Karine!
    Beijos :*

    www.annadecassia.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …