Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2016

Vez ou outra, o outro é você

Às vezes, quero desaparecer. Colocar a cabeça num buraco e sumir por um dia ou dois ou até a poeira abaixar. “Calma, tá tudo bem”, eles dizem e, eu gostaria mesmo que, nesses casos, isso fosse o bastante. Que “tudo bem” significasse que, de fato, está bem. Mas, na maior parte dos casos são só palavras vazias. O tipo de mentira que a gente repete tantas vezes na esperança de que se torne realidade, sabe?
Ou talvez não. ‘Cê tá sempre diminuindo o que eu sinto, dizendo que é exagero. Mas, garanto, sentir não é exagero. Exagero é menosprezar sentimento alheio, como se o que não lhe diz respeito não importasse. Você sequer ouviu falar sobre empatia?
O mundo vai além do que você sente ou acredita, vai muito além de qualquer coisa que você possa dizer. O mundo é você, sim, mas, também, é o outro. É essa conexão, a ligação entre indivíduos e a capacidade de se deixar envolver. Isso é empatia. É se colocar no lugar do outro, é respeitar – mesmo que não entenda completamente porque, vez ou outra,…

Se Eu Fosse Sua

Se eu fosse sua, eu poderia me comportar melhor, cortar os palavrões do meu vocabulário, parar de dizer tanto o que penso e sentar sempre como uma “menininha”. Se eu fosse sua, talvez eu levasse em conta as opiniões de que preciso parar de ser tão escandalosa, que onde já se viu mulher comprometida conversando com outros caras e, pior, saindo por aí com eles enquanto você trabalha.
Se eu fosse sua, eu poderia trocar minhas roupas, parar de usar tanto minissaia e dar um sumiço em todos meus decotes. Eu poderia, até, parar de usar batom vermelho. Ou parar de aprender maquiagens cada vez mais fortes. Eu poderia, você sabe, cortar o cabelo mais curto, ou deixá-lo crescer um pouco mais, só para que todo mundo pare de falar que eu não cuido de mim como deveria.
Se eu fosse sua, eu poderia parar de estudar, parar de trabalhar, parar de ter planos, para viver apenas os seus. E ficaria em casa esperando você voltar. Eu pararia de ter amigas e amigos, de sair sozinha com eles pelo menos uma vez p…

Se isso fosse um diário

Se isso fosse um diário, eu diria que minha cor preferida é vermelho. Que eu amei futebol por boa parte da minha vida, mas agora eu cansei. Que meus filmes favoritos são Pearl Harbor e Diário de uma Paixão. E que eu amo comédias românticas, cultura pop e reality show.
Se isso fosse um diário, eu contaria que falo muito palavrão – provavelmente, mais do que eu deveria – mas, se isso fosse um diário, eu assumiria também que eu não tô nem aí pro que eu deveria ou não fazer. Se isso fosse um diário, eu diria que detesto trilhas, me enfiar no meio do mato, acampar e insetos. E que eu amo praia mais do que qualquer coisa.
Se isso fosse um diário, eu contaria que sou de esquerda, apesar de não ser comunista. Que eu amo discutir política e estudar sociologia. Que, vez em quando, eu penso em fazer uma faculdade de filosofia só por fazer. E que eu sou feminista.
Se isso fosse um diário, eu contaria que venho me boicotando há tempos e que eu faço planos só pra fugir deles porque isso é o que eu m…

Amor acontece

Eu te vi procurar amor em rostos estranhos, em amigos que poderiam ser algo mais, em aplicativos de relacionamentos, em corpos aleatórios nos momentos de embriaguez. Te vi buscando qualquer afeição que pudesse encontrar, por puro medo da solidão. Te vi sentar num canto, desesperada, por não saber o que fazer. Te vi tentando tanto, e, quis pedir para parar. Mas, você ignorou quando eu disse que o amor acontece. E só.
Ele vai acontecer num dia qualquer, provavelmente sem avisar. E, quando você perceber, seu mundo estará de ponta a cabeça, girando em outro eixo. Vai acontecer apesar dos livros, dos filmes, das músicas sobre amor. Vai acontecer apesar dos conselhos, dos avisos e de toda essa gente que vai olhar torto e estranhar você estar tão feliz que esquece o controle da TV na geladeira.
Ele vai vir apesar de tudo que houve, de bom e ruim. E vai ser melhor do que você poderia pensar. Relaxa. Ele vai vir.
E vai acontecer quando você sorrir desse jeito que faz o coração tropeçar uma batid…

Detalhes

Na hora de levantar, quando você sentir falta dos meus resmungos porque o despertador toca cedo demais. Na hora de fazer o café, quando você me ouvir dizendo que são quatro colheres cheias de pó e três de açúcar. Da nossa briga, porque você queria três de café e quatro de açúcar. Da minha voz te explicando que café tem que ser forte e amargo, pra fazer com que a gente dê conta de encarar a vida lá fora a essa hora da manhã.

Você vai se lembrar de mim.
Quando você for cortar o cabelo e ficar na dúvida se corta mais ou menos, para parecer mais ou menos adulto. Na hora de fazer a barba, porque vai se cortar e se lembrar da minha risada te perguntando como você consegue ser tão desastrado com uma lâmina de barbear. Quando você for se vestir para sair e pegar aquela blusa azul, com cordas a serem trançadas, se olhar no espelho e ver que, agora, sem mim, você pode vesti-la com as cordas todas tortas como você sempre gostou.
Eu sei, é nessa hora que você vai lembrar de mim.
Na balada, quando alg…

Que sorte a nossa

Nunca entendi muito bem como funciona a tal da sorte. Sabe aquela sensação que faz a gente ficar feliz quando encontra um trevo de quatro folhas? Ou quando a gente cruza os dedos na esperança de fazer algo dar certo? Ou quando sua vó fala que ver um sapo é sinal de sorte? 

Passei boa parte da vida pensando em quando essa sorte ia bater na minha porta. E a gente vai procurando sinais, né? Faz simpatias, evita as superstições que supostamente trazem azar, olhamos pro lado, pro futuro, pro passado, tudo em busca de entender porque algumas coisas aconteceram, o que foi falta de sorte, o que foi coincidência e o que era pra ser, sabe? Aí entra aquele outro conhecido: o destino.

Será que ele e a sorte andam juntos? São amigos ou inimigos? 

Mas a sorte vem quando você nem tá pensando nela. Aliás, ela chega tão sorrateiramente que você nem vê, demorando um tempo pra entender o que tá acontecendo. A questão é que enquanto você procurar, a teimosa vai fazer questão de se esconder. Mas prometo que …

Se quiser voltar, volta

A primeira coisa em que eu penso quando alguém me pergunta sobre você é da sua risada. Não é mais a raiva, o rancor, a mágoa. Tudo isso ficou pra trás, num tempo em que eu alimentava dores por muito tempo. Hoje, só sinto falta da sua risada. E dos colos que você me deu quando eu precisei de você. E dos conselhos. E dos abraços aconchegantes que você sempre soube me dar quando sabia – e você sabia bem – quando eu precisava. A segunda coisa em que eu penso quando alguém me pergunta sobre você é que algumas pessoas têm prazo de validade na nossa vida.
Às vezes, eu me pergunto se você conseguiria voltar. Se ainda teria espaço pra você na minha vida ou se você ia arranjar tempo pra mim na sua agenda corrida. Às vezes me pergunto se a gente ainda faria tanto sentido e se a gente ainda ia conseguir se entender com um olhar e se a gente ainda ia rir das mesmas piadas. Eu mudei no tempo em que você não esteve aqui, sabia? Cresci, dizem, enquanto você não olhava. E, enquanto eu não olhava també…

Ano novo, blog novo

E o blog começa 2016 com gente nova na equipe.
Junto com a Paula Toledo, agora a Caroline Freitas e a Fernanda Campos também fazem parte do Isso Não É Um Diário. A Carol foi escolhida pelos leitores e venceu a primeira seleção de colunistas que fiz aqui nos últimos dias. Já a Nanz é minha amiga há anos, uma das escritoras que mais admiro e também uma leitora fiel.
Espero que vocês curtam os novos textos, as novas colunistas e a nova fase do blog.
E que 2016 seja incrível pra todos nós.


Conheça um pouco mais sobre a equipe:



CAROLINE FREITAS,  20 anos, de Minas Gerais e atualmente morando no Espírito Santo. Desde o ano passado, ela se dedica ao "Cartas, Cafés e Alguns Acordes", blog em que fala música, cinema, literatura e tudo mais o que lhe vêm à cabeça.




FERNANDA CAMPOS, 24 anos de sonhos cafeinados e amores engavetados (ou vice-versa). Meio indie, meio bookholic, meio escritora e meio psicóloga. Inteira, mesmo, só depois de um café. Sonhou em estudar em Hogwarts, mas foi morar n…