Pular para o conteúdo principal

Que sorte a nossa

Nunca entendi muito bem como funciona a tal da sorte. Sabe aquela sensação que faz a gente ficar feliz quando encontra um trevo de quatro folhas? Ou quando a gente cruza os dedos na esperança de fazer algo dar certo? Ou quando sua vó fala que ver um sapo é sinal de sorte? 

Passei boa parte da vida pensando em quando essa sorte ia bater na minha porta. E a gente vai procurando sinais, né? Faz simpatias, evita as superstições que supostamente trazem azar, olhamos pro lado, pro futuro, pro passado, tudo em busca de entender porque algumas coisas aconteceram, o que foi falta de sorte, o que foi coincidência e o que era pra ser, sabe? Aí entra aquele outro conhecido: o destino.

Será que ele e a sorte andam juntos? São amigos ou inimigos? 

Mas a sorte vem quando você nem tá pensando nela. Aliás, ela chega tão sorrateiramente que você nem vê, demorando um tempo pra entender o que tá acontecendo. A questão é que enquanto você procurar, a teimosa vai fazer questão de se esconder. Mas prometo que ela vai aparecer quando for a hora.

E quando acontecer, você vai saber. 

A sorte vem em várias formas diferentes, mas a minha veio em você. Veio naquele olhar que me conforta, no abraço que protege, no beijo que acende. Veio na paciência e no cuidado que você tem comigo, na calma e compreensão que você demonstra sempre. A minha sorte veio em forma de confiança. Sabendo que você não vai me machucar, que você vai estar lá sempre, que vai me ouvir e, acima de tudo, me respeitar sempre. 

A sorte vai ser aquela sensação discreta, escondida, que te faz pensar que tem algo de especial ali. O destino vai ser aquele sentimento que vai te mostrar que as coisas boas podem até demorar a acontecer, mas as coisas maravilhosas acontecem num piscar de olhos. O destino, ao contrário da sorte, vem rápido e intenso. Mas não se assusta não, por mais que dê medo, vai ser a melhor sensação do mundo. 

Não sei como a sorte vai aparecer pra você, mas posso dizer que a minha valeu a pena toda a espera, a angústia e o medo de não chegar nunca. A minha sorte veio vestida de amor, paixão, diálogo, carinho. Além disso, veio com um toque suave de destino. Aquela coisa que era pra ser, sabe?

Não importa quanto tempo vai durar ou se vai ser pra sempre, porque quando a sorte chega, a mágica está feita. Aí, ainda bem, as coisas nunca mais vão ser as mesmas. 

E que sorte a nossa. 




Comentários

  1. Da até vontade de se apaixonar lendo seus textos!!! #fãnumeroum

    ResponderExcluir
  2. Bruno Sgobbi5/2/16

    Muito top sua visao da sorte!

    Gostei muito da forma como vc desenvolveu o texto! Otimo e reitero o comentario dessa moça bonita de cima, da ate vontade de se apaixonar d novo.

    ResponderExcluir
  3. Você é demais Paula!!
    Amooooo 💕

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …