Pular para o conteúdo principal

Se quiser voltar, volta


A primeira coisa em que eu penso quando alguém me pergunta sobre você é da sua risada. Não é mais a raiva, o rancor, a mágoa. Tudo isso ficou pra trás, num tempo em que eu alimentava dores por muito tempo. Hoje, só sinto falta da sua risada. E dos colos que você me deu quando eu precisei de você. E dos conselhos. E dos abraços aconchegantes que você sempre soube me dar quando sabia – e você sabia bem – quando eu precisava. A segunda coisa em que eu penso quando alguém me pergunta sobre você é que algumas pessoas têm prazo de validade na nossa vida.

Às vezes, eu me pergunto se você conseguiria voltar. Se ainda teria espaço pra você na minha vida ou se você ia arranjar tempo pra mim na sua agenda corrida. Às vezes me pergunto se a gente ainda faria tanto sentido e se a gente ainda ia conseguir se entender com um olhar e se a gente ainda ia rir das mesmas piadas. Eu mudei no tempo em que você não esteve aqui, sabia? Cresci, dizem, enquanto você não olhava. E, enquanto eu não olhava também, sei que você mudou – e muito.

Será que seríamos amigas se nos conhecêssemos agora? Será que eu te contaria meus segredos, falaria da minha vida, das pessoas que me magoaram? Será que você me revelaria seus medos – do jeito que sempre fez? Será que a gente ia criar a mesma conexão que tinha? E será que a gente cometeria os mesmos erros e teria o mesmo fim?

Me perguntei se a gente tinha volta por muito tempo. E, por muito tempo, rezei que você não voltasse. Eu não queria enfrentar tudo de novo, abrir a ferida, lidar com o fato de que acabamos com uma coisa que era tão bacana. Só te quis no seu mundinho e quis me preservar no meu. A gente tinha perdido o timing.

Mas hoje me perguntaram sobre você. E, pela primeira vez, eu me toquei que não precisava ser igual. O passado ficou – com as coisas boas e ruins. Mas, talvez, talvez a gente se encontre num café numa sexta à tarde e sorria. E pergunte da vida uma da outra. E vire alguma outra coisa – alguma outra amizade. Talvez não seja igual – não vai ser. Mas hoje eu reparei que tudo bem. Porque eu não sinto mais raiva de você. Porque eu sinto falta da sua risada. E porque, eu sei, algumas pessoas passam na nossa vida e pronto. Mas algumas pessoas voltam. E o tempo se encarrega de colocar as coisas no lugar.

Por isso, se quiser voltar, volta.

Acho que eu consigo arranjar um espaço pra você. 

Comentários

  1. ''E porque, eu sei, algumas pessoas passam na nossa vida e pronto. Mas algumas pessoas voltam. E o tempo se encarrega de colocar as coisas no lugar''
    Me identifiquei na hora,lindo texto!
    http://trancadoasetechaves.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …