Pular para o conteúdo principal

Na Estante


Você foi minha música mais bonita. A rima que não será feita com mais ninguém. Aquela chuva de fim de tarde, depois de um dia de calor infernal. Você foi meu inferno. Do mesmo modo como foi meu paraíso. Você foi meu sorriso mais bonito, meus olhos mais brilhantes, meu coração mais saltitante. Aquela saudade que doía, sabe? Você foi. Aquela felicidade do reencontro que não aconteceu com mais ninguém, você foi.

Você foi minha sexta depois das cinco da tarde. Aquele último bombom da caixa, que a gente guarda justamente pro final. Você foi, também, aquela noite de insônia, que me deixou acabada no dia seguinte. E pela qual valeu à pena não dormir. Você foi meu pesadelo. Entende? Tanto quanto foi meu sonho. E foi maravilhoso poder ter dormido com você.

É por isso que ninguém entendeu quando eu te deixei. Quando fui embora no silêncio da noite, enquanto você via seu programa favorito, sem fazer nenhum alarde, sem quebrar nada, sem aumentar o tom de voz. Ninguém entendeu o que é que estava passando na minha cabeça por uma decisão tão sem sentido. Porque você foi feito para mim e todo mundo sabia disso. Estava nos nossos olhares, nas nossas mãos dadas, na nossa cumplicidade e no jeito com que amamos. E sei que você também não entendeu porque eu te abandonei.

Fui embora pelo que você foi: essa coisa mágica, essa paz de um relacionamento saudável, esse encontro de duas almas que se amaram. Você foi a minha história mais bonita, que sempre estará num lugar especial na minha estante. O clímax do meu ato. E é por isso que te deixei, e é por isso que nem me passou pela cabeça te ofender ou bater a porta: porque você não é mais.

Fui embora porque não quero ao meu lado o livro que guardo na estante, com o maior carinho, embora nunca mais lerei, como você hoje é. O que quero, realmente, é alguém que seja para mim a história mais bonita, da qual sempre vou ter prazer de contar, como você um dia foi.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…