Pular para o conteúdo principal

Não Corra

Foi num daqueles dias iguais, em que a rotina massacrava e eu só queria voltar para a cama, me enroscar nos lençóis e assistir a qualquer filme bobo que me prendesse por um tempo. No meio de uma tarde em que eu jurei que ia morrer de tédio, preguiça, desânimo ou qualquer coisa que a gente diz quando faz questão de ser dramático.
E aí você veio. Chegou sem avisos, meio tímido, como quem não quer nada, mas, oferece bastante.
Ofereceu colo, abrigo, um sorriso que abraça o mundo e a melhor conversa despretensiosa de uma vida. E entre um riso e outro, um beijo e outro, jurei que não era nada. Que era só diversão. Que era só “vamos ver no que vai dar”. Talvez dê em nada.
Ou talvez o universo ria dessa minha mania de achar que controlo tudo, que sou dona dos meus sentimentos e que o bom senso me governa. Eu, que agora já não sei de muita coisa, fui tola o bastante para acreditar, mesmo por um segundo, que eu não me apaixonaria por aquilo que poderíamos ser.
É que eu tinha esse mal hábito de fugir do que eu quero. Me especializei em autossabotagem que era para evitar sofrer. Mas, então, você apareceu. E agora eu sou o tipo de garota de que eu costumava rir, agonizando por saudade se fico algumas horas sem te ver. Em outros momentos, deliro se noto um restinho do seu cheiro impregnado na pele que talvez seja minha. Faz tempo que eu sinto que o que corre aqui por baixo é você.
Só não corre de mim, tá bem? Não corre quando perceber o quanto eu me importo com você.

Comentários

  1. ''Ou talvez o universo ria dessa minha mania de achar que controlo tudo, que sou dona dos meus sentimentos e que o bom senso me governa''
    Lindo Carol!!!
    http://trancadoasetechaves.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…