Pular para o conteúdo principal

É preciso perder-se


É estranho encarar um espelho e se perceber no reflexo. Estranho ver que o rosto ali refletido pertence a alguém que já viveu tanto, ainda que por fora a pele permaneça jovem, pouco alterada. É estranho, estranhíssimo, notar como o tempo foi gentil diante do caos interior.

É que, por dentro, as coisas já desabaram e se reergueram vezes e vezes seguidas. E, quer saber? A parte mais estranha é esta: ninguém viu. Ninguém a não ser os olhos que agora te encaram de volta no espelho. Os olhos, da cor que forem, do tamanho que forem, das expressões todas de tudo que se viveu. Os olhos.

Eles que viram o dia em que o avô partiu e o pai deixou de ser a imagem da calma e se tornou o homem que chora. O primeiro que se atreveu a tanto desde que você entendeu que eles foram ensinados a parecer inabaláveis.

Eles que viram o dia em que o melhor amigo se mudou da cidade e levou um pedaço de você.

Eles que viram a mãe se formar na faculdade.

Eles que viram o dia em que a prima se casou com o primeiro namorado. Eles que choraram de alegria quando ‘cê viu que o amor, até mesmo esse amor bonitinho que você sonhou e disseram que não existe, existe.

Eles que viram o dia em que você pensou em jogar tudo para o alto e fazer nada, nadinha que não quisesse fazer. Eles que viram o dia em que isso foi exatamente o que você fez.

É como aquela canção que diz que “você pode estar perdido de mais de uma maneira, mas eu tenho certeza de que isso é muito mais divertido que saber exatamente onde você está”.

E você não sabia, mas viu – com olhos da alma ou coração? – que a vida não ia esperar você decidir se estava ou não pronta para o que quer que fosse precisar enfrentar. Você não sabia. Mas, em tempos como estes, saber de tudo é quase um atestado de completa ignorância.



É que primeiro é preciso perder-se. E então talvez existam esperanças de se encontrar.







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…