9 de maio de 2016

Permanências

Você ficou naquela banda que me apresentou, naquele fim de tarde em que nos conhecemos. Ainda me lembro do seu brilho do olhar enquanto colocava o fone no meu ouvido e pedia, com os olhos, por favor, para eu gostar da sua música favorita. Você ficou toda vez que me lembro que agora essa também é uma das minhas bandas preferidas.

Você ficou no gosto amargo do chocolate que eu como para aplacar um pouco da saudade, do desespero e da carência que a TPM me traz todos os meses. Mas te juro, e nem se preocupa, que isso tudo só acontece na TPM. Você ficou nas noites insones, geladas, depois de um dia difícil no trabalho, em que tudo que eu queria era só mais um abraço. Eu não tenho mais seu abraço, mas você ficou.

No livro que esqueceu sobre minha estante, na sua pressa de ir embora porque estava com medo de não conseguir fechar a porta. Na dedicatória do meu livro favorito, volume único-especial de colecionador, que você comprou no nosso aniversário de dois anos. Eram para ser dois anos de toda uma vida. Você foi uma das partes mais bonitas dos meus dias. E por isso você ficou.

Nas lágrimas que ainda escorrem quando eu lembro como nós éramos bons juntos. No silêncio da chamada no telefone que nunca mais aconteceu. Na falta de assunto das redes sociais, quando tudo o que mais queria era te chamar para perguntar e aí, como você tá? Eu tô bem. E ainda tô sem você, tá? mas não pergunto porque já não faz mais sentido, porque te entendo, porque viramos mesmo essa lembrança bonita que minha mente faz questão de preservar.

Você é uma dessas memórias que a gente guarda com carinho, no fundo da gaveta, para ninguém roubar. Mesmo quando decidiu que nossa história já tinha dado, que você precisava de outra coisa, que o café havia esfriado demais para alguém que só tomava quando feito na hora que chegasse em casa. Mesmo que eu concorde com você todos os dias que levanto da cama para ir trabalhar, que ter aceitado o fim do nosso amor foi nossa melhor decisão.

E foi. Porque, com isso, te guardo com carinho. Não preciso vomitar por aí as promessas que não cumpriu, o adeus que machucou e meu coração que se quebrou em cacos que eu ainda nem tive coragem de juntar. Não guardo raiva, não guardo rancor, não guardo vingança, só guardo mesmo essa coisa bonita do que a gente foi; o quanto cresci ao seu lado e como aprendi que, no fim, a gente é mesmo feito pra acabar.

A gente acabou. E tá tudo bem, tá? Porque eu sei que, apesar do nosso fim, você ainda permanece em cada parte de mim.




Comentários
2 Comentários

2 comentários:

  1. Liiindo texto, mas não tenho essa maturidade ainda kkkkk

    ResponderExcluir
  2. Texto bonito para um fim esperado eu diria :/ http://naotomocaf.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)