Pular para o conteúdo principal

Quando a gente cansa de "amar apesar de"

Alex me matando em uma das minhas cenas preferidas de Grey's Anatomy




Acho que era, sei lá, umas três da manhã de sábado quando meu celular tocou. E eu não precisei olhar, nem ser adivinha, muito menos cartomante pra saber: era uma mensagem sua. Às três da manhã de um sábado. Você devia estar com seus amigos, e devia ter enchido a cara, e aí, lá pelas três e tantas, você reparou que sentia minha falta. Que sentia falta da mina que tava sempre lá, sempre disponível, com o amor em uma caixinha de presente todas as vezes que você resolvia voltar.

Nunca fiz as contas, mas devo ter respondido mensagens daquele tipo pra lá de cem vezes.

"Também sinto sua falta", eu escrevia. "Pode passar aqui em casa". "Você tá bem?" "Com quem você tá?" "Eu não queria, mas eu amo você". "Me liga amanhã". E algumas vezes você ligou. Algumas vezes você voltou e eu achei que a gente finalmente ia dar certo, que finalmente ia ser a nossa hora, que o nosso timing ia finalmente bater.

E aí você decidia de novo que não era  bem aquilo que você queria. Que eu até podia ser a pessoa certa, mas não agora. Porque você nunca tava pronto. Porque tava ficando sério demais. Porque eu te procurava o tempo inteiro, porque eu ficava no seu pé, porque eu queria amor 24 horas por dia, porque eu exigia muito, porque seus amigos eram todos solteiros e você tinha que aproveitar a vida com eles. Porque isso, porque aquilo, porque tantas coisas, mas você me amava, você jurava que me amava, só que te amo daqui a pouquinho, tudo bem?

E eu continuava respondendo mensagens suas às três da manhã de um milhão de sábados.

Até que, um dia, uma amiga me perguntou por que eu continuava te amando apesar de você ser um babaca. Apesar de você ter ido embora tantas vezes. Ela não entendia por que eu continuava te esperando apesar de você insistir em tentar achar o que tanto procurava em mil outras mulheres. Ela não entendia porque eu continuava te amando apesar de você me tratar mal, de nunca estar pronto pra mim, de nunca abrir mão de outras coisas por nós.

E aí eu me toquei que era verdade: eu te amei apesar de. Respondi suas mensagens. Insisti em você, respeitei o seu tempo, esperei que você ficasse pronto, aguardei a hora certa pra você me amar. Até que chegou a hora em que eu entendi que mereço um pouco mais do amor do que isso tudo que cê me ofereceu. 

Nossa história acaba assim: eu ainda te amo, mas eu quero que você nunca mais me mande mensagens às três da manhã de um sábado. Porque eu não quero mais você. Apesar de. 


Comentários

  1. esse texto é uma história que eu vivi durante 3 anos.
    Arrasou como sempre, Karine.

    osvintes.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Elaine! O importante é seguir em frente e procurar quem nos ame melhor, né?
      Que bom que gostou! <3
      Beijão

      Excluir
  2. esse texto é uma história que eu vivi durante 3 anos.
    Arrasou como sempre, Karine.

    osvintes.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…