Pular para o conteúdo principal

Lembrar-se de quem a gente ama é urgente


Outro dia, pouco antes de dormir, eu me enviei um e-mail com as coisas que tinha que resolver no dia seguinte. "Urgente", coloquei no assunto. Entre as coisas da lista, eu coloquei uma inscrição de trainee que precisava fazer, uma relação de documentos que tinha que enviar para o banco, uma ideia de post para o blog e outra para um capítulo do livro que eu tô tentando escrever. 

Não tinha ninguém na minha lista de "urgente". Nem pensei em colocar naquele email "ligar para a avó", ou "mandar mensagem pras minhas amigas da escola", muito menos "perguntar pra Gi como tão os preparativos do casamento". São coisas que o tempo todo eu penso que tenho que fazer - ligar pra alguém, mandar mensagem, perguntar da vida - mas que, por correria da vida ou por puro descuido mesmo, nunca acabo fazendo. E aí, na minha lista de coisas urgentes, fica sempre faltando "quem". 

Contei esses dias para um amigo que ando passando por um ciclo bem difícil e complicado. E, nesse ciclo, recebi um monte de notícia de gente doente. Pra piorar: todas as notícias na mesma semana, pra dar aquela baqueada de uma vez só. E aí você pensa que receber notícias deste tipo te fazem repensar algumas coisas. É verdade, naquela semana, mandei mensagem para um monte de gente com quem andava sem contato. Mas na semana seguinte? Esqueci de novo. Mais um monte de e-mails "urgentes" na minha caixa de entrada, e aquela sensação contínua de que nada do que tava lá tinha realmente alguma urgência. 

Eu tava lendo este post aqui antes de começar a escrever este texto, em um blog que acabei de conhecer. E, enquanto eu lia, ia me dando esse nó na garganta, essa vontade de gritar ou então me olhar no espelho e falar: cê tá fazendo alguma coisa errada!, cê tá fazendo alguma coisa errada!. Porque a gente deve estar fazendo alguma coisa de errado quando tem uma lista de coisas urgentes para fazer no dia seguinte e não lembra uma vez sequer de colocar o nome de alguém ali. Não é?

E como eu acho que textos, muitas vezes, são tapas na cara que a gente precisa tomar, eu queria dividir duas coisas: a primeira é que eu acho que todo mundo devia perder um tempinho e ler este post aí de cima que me fez escrever este texto. A segunda coisa é esta: lembrar-se de quem a gente ama é urgente.

Anota na sua listinha aí. 


Comentários

  1. Infelizmente, estamos 'acostumados' a deixar essas coisas de lado. Como ligar pra uma tia, um primo ou até mesmo pra uma amiga. E não deveria ser assim, no fundo deveríamos sempre falar com alguém e colocar isso na nossa lista de afazeres importantes do dia. Só que as horas passam tão rápido, que quando assustamos já vamos dormir para descansar pro outro dia :/

    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente! <3 Mas tô querendo tentar colocar, todo dia, alguém na minha lista de afazeres. Cada dia uma pessoa diferente, pra reservar um tempinho pra falar com ela. Vamos ver se consigo <3

      Obrigada pelo comentário!
      Beijo

      Excluir
  2. Teu post foi um tapa na cara mesmo, a gente fica perdido na correria do dia a dia e acaba esquecendo as coisas que mais importam! Teu post vai ser indicado nos melhores do mês lá no blog <3

    http://www.pinkisnotrose.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carol! Que bom que gostou e que serviu como "tapa na cara" por aí também, hahahahaha!
      E adorei saber que o post vai ser indicado nos melhores do mês, sério mesmo!
      Vou tentar ficar de olho, mas, se puder, comenta o link aqui pelo blog quando postar.

      Obrigada!
      Beijão

      Excluir
  3. Engraçado, estava a pouco pensando em quanto tempo faz que eu não faço algo leve, que realmente me deixa feliz. Uma sensação de que a gente vai se amontoando de compromissos e prazos e responsabilidades e se esquece de si e dos outros. Que bom que seu texto veio pra reforçar essa urgência de lembrar do que realmente importa, logo agora. Como a autora do outro texto sabiamente resumiu, a vida (a que vale a pena) é inadiável. Muito grata por compartilhar sua reflexão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "a vida (a que vale a pena) é inadiável" <3 Exatamente!
      Fico feliz que os textos tenham te feito refletir, Mayara. E obrigada você pelo comentário! <3
      Beijos

      Excluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …