Pular para o conteúdo principal

Por que a gente quer tanto engolir o mundo?



Eu queria ler todos os livros daquela lista gigantesca que fiz esses dias. Mas queria logo, porque ando assim nos últimos tempos: com uma necessidade de tudo para ontem. Preciso ver uns filmes que todo mundo já viu e ser contratada e subir na carreira e ter um salário que me deixe viajar pelo mundo inteiro porque, você sabe, a minha "geração" já conhece o mundo todo. Odeio textos que falem sobre uma "geração" em que eu quase nunca me encaixo, apesar de saber que, em algum momento, a gente realmente deixou essa pressa toda dominar, essa vontade de ser, de ter, de ver e tudo pra agora, tudo pra logo, tudo pra já.

Tenho dois livros iniciados e, esses dias, entrei em desespero porque não consigo acabá-los logo. E, se eu não conseguir acabá-los, como lutar pela publicação, como crescer, ser e aparecer? Como finalmente virar o que todo mundo à minha volta vive dizendo que eu poderia ser, porque parece que todo mundo vê um potencial que eu quase nunca consigo alcançar?

Vira e mexe acabo me comparando com gente da mesma idade que já faz muito sucesso na vida e questiono todas as minhas escolhas. Tipo olhar para quantas estatuetas de premiações diferentes a Jennifer Lawrence (que é apenas um ano mais velha do que eu) já ganhou. Ou pensar em quanto o Neymar (mais novo do que eu) ganha por ano. É difícil olhar pra eles e não pensar: o que é que eu tô fazendo da minha vida?, por mais que eu saiba que não é saudável fazer certas comparações. E aí a pressa só aumenta.

Outro dia, minhas amigas estavam falando sobre casamento e eu me vi em uma crise. E é normal as pessoas pensarem que foi uma crise porque eu tô solteira há muito tempo ou porque eu ando carente ou qualquer coisa assim. É difícil que entendam que não, não é medo de ficar solteira.

O medo que eu tenho é de ficar pra trás.

É medo de não ver o suficiente, não ler o suficiente, não viver o suficiente. Medo de não conhecer todos os lugares que queria, nem fazer tudo aquilo que eu sempre sonhei. É medo de não ter tempo. É medo de que o mundo não caiba em mim - ou eu não caiba no mundo.

Sei lá se é coisa de geração. Se é coisa de vinte-e-poucos, trinta-e-poucos, ou só dessa gente de muitos. O que eu queria de verdade era saber isso: como é que faz pra acalmar um pouco e fugir dessa corrida que a gente inventou que a vida precisa ser?


Comentários

  1. por favor me conte quando descobrir ! estou exatamente com esta sensação ! Isso porque acabei de fazer 30 ... é uma pressa, que nao sei de onde vem ... parece que nao vou ter tempo de fazer tudo, sei la ! Adoro seu textos !! bjossss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, parece que a gente não vai ter tempo, né?
      Tem o lado bom (a gente luta pra conquistar nossos sonhos mais rápido) e o lado péssimo (é muita pressão!), né?
      Mas uma hora a gente consegue achar o meio termo.

      Obrigada pelo comentário! <3

      Excluir
  2. Quando descobrir não esqueça de nos contar, pois é exatamente assim que me sinto quando paro para pensar na vida, tipo o tempo tá passando rápido demais só que eu não consigo sair do lugar... parece que todo mundo consegue se tornar alguém, seguir com a vida e tals, mas eu estou assim, parada no tempo e ficando para trás... adoro seus textos <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A impressão que a gente tem é essa, mas calma: respira. De pouquinho em pouquinho, a gente chega lá! (e tô falando isso pra mim e pra você ahahah)

      Beijão, obrigada!

      Excluir
  3. A sensação é exatamente essa! Quero tudo para ontem, quero me formar, quero começar outro curso, quero crescer, me mudar, conhecer, criar, ganhar, ajudar, doar e não tenho tempo e muito menos materiais para que isso aconteça. Parece que tem uma seda fina, mas firme que me impede de conseguir algumas coisas. :/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Migo, vem cá, me dá um abraço! ahahah A gente se entende bem! Mas a gente consegue, beleza? Vamos colocar isso na cabeça! ahaha

      Beijos

      Excluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …