Pular para o conteúdo principal

Indicação da Semana: Carrie, A Estranha



Hoje, a indicação vai ser de “Carrie”, o primeiro livro que eu li na vida, e o responsável por me formar como leitor e escritor.

“Carrie", de Stephen King. Editora Objetiva, publicação de 2001.

Como muitos da nossa geração, eu aprendi a ler com as histórias de Maurício de Souza e a Turma da Mônica. Alguns anos mais tarde, eu descobri os super-heróis. Uniformes coloridos e vilões de nome engraçado se tornaram minha maior fonte de leitura (hábito que tenho até hoje, apesar de em menor frequência) e por algum tempo, balões de fala eram a tudo que se resumiam meus hábitos literários. 

Até que do alto dos meus doze anos, eu encontrei por acaso, enquanto esperava minha mãe terminar as compras de natal, numa livraria de shopping, uma edição de “Carrie”. A capa não me chamou atenção, mas sua posição em destaque na prateleira sim. Eu nunca havia ouvido falar de Stephen King, e cheguei a pensar se o título do livro não era, na verdade, o nome de uma escritora.

A sua contra-capa me prometeu uma história intrigante: uma garota de dezesseis anos, que não é do grupo popular do colégio e tem dificuldades em chamar atenção de garotos, descobre que tem poderes telecinéticos mesmo sem saber muito bem como controlá-los. Sua mãe, uma fanática religiosa, reprimiu sua educação a níveis extremos, a ponto de conferir indiretamente o apelido de “Carrie, a estranha” à adolescente.

Misture tudo isso ao turbilhão que é o processo que chamamos adolescência e você tem aí todos os ingredientes da história que me encantou naquela época. Stephen King é tido como o mestre do terror, mas o interessante é que os poderes de Carrie não tem nada a ver com o horror dessa história. Não, são as relações humanas que se mostram terríveis nela. 

Não fosse “Carrie”, eu talvez não fosse um leitor tão ávido como sou hoje e definitivamente teria muito menos paixão pela escrita agora. Qualquer um que já tenha sido o “outsider” de sua turma vai se identificar com ela e vibrar com sua jornada. 


PS: O livro já teve três adaptações para o cinema, mas a primeira, de 1976 dirigida pelo Brian de Palma segue sendo a melhor. 

Comentários

  1. Já ouvi falar do filme e nem sabia que tinha originado de um livro. Vou procurar para ler. Obrigado pela sugestão!

    Tem Meu Tamanho

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …